Notícias / Agronegócios

16/11/19 às 08:21 / Atualizada: 16/11/19 às 08:56

Pecuária e Tecnologia- parceria que dá certo!

Reconhecida internacionalmente por sua qualidade, a carne é um produto brasileiro consumido em mais de 150 países.

Dr. Oswaldo Ribeiro

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Pecuária e Tecnologia- parceria que dá certo!

Foto: Assessoria

Reconhecida internacionalmente por sua qualidade, a carne é um produto brasileiro consumido em mais de 150 países. O Brasil chegou a tal situação depois de várias décadas de investimentos em pesquisa e inovação tecnológica em toda a cadeia produtiva.

E entidades como a Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat), fundada há quase 50 anos, contribuíram e continuam contribuindo para essa realidade. Representando os interesses de milhares de pecuaristas de Mato Grosso, estado com o maior rebanho do Brasil, a Acrimat sempre busca o que está na vanguarda da tecnologia, realizando diagnósticos que pontuam as demandas dos produtores, para em seguida as transformar em projetos quando necessário; e promovendo capacitações e qualificações em atividades como a Acrimat em Ação e Acricorte, que levam ao produtor rural conhecimento científico de ponta.

Tendo como missão ser uma associação inovadora, é natural que a Acrimat sempre fez proveito de novas tecnologias para melhorar a qualidade da carne produzida em MT, e dados de entidades respeitadas pelo mercado, como a Associação Nacional de Criadores e Pesquisadores (ANCP), certificam que nossas carnes são de alta qualidade, atendendo tanto especificações federais internas como as de importadores.

O resultado é que o Brasil é muito bem visto no exterior como produtor de alimentos, pois além da alta qualidade que a carne precisa ter, para atender mercados extremamente exigentes, nossa produção é, em sua maioria, advinda de animais a pasto, que têm um dos menores custos do mundo. Estudos como apresentado pela Faculdade de Agronomia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), enumeram as vantagens da criação a pasto. Os animais expressam em suas carnes a dieta consumida, e as produzidas por bovinos criados no campo têm melhor constituição, com maior participação de ômega 3 e ácido linoleico conjugado (CLA).

A pecuária nacional começou com a colonização, a princípio como atividade de subsistência. A partir dos anos 1950, começou um processo de modernização do setor, com o surgimento dos primeiros grandes frigoríficos. No artigo “Inovações tecnológicas e agronegócio da carne bovina no Brasil”, divulgado em 2009, o economista Leonardo Henrique de Almeida e Silva lembra que na década de 1970, favorecido pelo chamado milagre econômico, o país deu início à montagem de um complexo agroindustrial.

Na década de 90, após a recessão da economia mundial, o crescimento voltou com força e a pecuária nacional deu início a um período de importantes inovações tecnológicas. Rastreabilidade eletrônica, genética animal e modernas formas de processamento da carne bovina colocaram o Brasil em situação de destaque.

Outros fatores contribuíram para o sucesso internacional da carne brasileira, e o crescimento das exportações foi essencial para que muitos produtores começassem a investir em sustentabilidade, focando em meio ambiente e bem-estar animal. E para atingir esse objetivo, foi precisar aprender novas técnicas de uso e manejo do solo, propiciando meios de maior produção na mesma área utilizada anteriormente, reduzindo custos e aumentando a margem de lucro.

E quem proporcionou que a nutrição, a genética e o próprio manejo evoluíssem para a obtenção de maior desempenho do rebanho foi a tecnologia, que a cada dia oferece mais e mais ferramentas para o pecuarista. Outro exemplo: o bom manejo dos animais. O bem-estar deles leva a maior desempenho individual, pois manter o bovino em situação favorável agrega valor e favorece sua produtividade.

A nutrição dos animais, outra técnica que tem avançado muito e a qualidade da ração, aprimorada com a inclusão de núcleos minerais, são atividades complementares que somam valoração no trabalho do pecuarista.

Por isso digo, sem medo de errar, que a união da tecnologia e pecuária é uma parceria que dá certo!

*Dr. Oswaldo Ribeiro é pecuarista e médico radiologista, e assume como presidente da Acrimat em 1º de janeiro de 2020.
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

José Sarney

São Luís em Dezembro

O sinos do Natal já podem ser ouvidos nos seus sons distantes Quando eu era menino e começava, em São Bento, a descobrir o mundo com suas belezas, a primeira coisa que me encantava era o campo verde, lindo tapete de capins:...

 
 
 
 
Sitevip Internet