Notícias / Internacional

12/11/19 às 17:30

Governo autoriza trajeto de Evo Morales pelo espaço aéreo brasileiro, diz Itamaraty

Autoridades mexicanas pediram e o governo brasileiro autorizou que a aeronave que leva Evo Morales passe pelo Brasil antes de chegar ao México.

Camila Bomfim, TV Globo — Brasília

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Governo autoriza trajeto de Evo Morales pelo espaço aéreo brasileiro, diz Itamaraty

Evo Morales a bordo de avião a caminho do México

Foto: Chanceler mexicano Marcelo Ebrard / Twitter

O Ministério das Relações Exteriores confirmou que o trajeto do avião que leva Evo Morales ao México passará pelo Brasil.
 
O pedido foi feito pelo México e atendido nesta terça-feira (12) pelo governo brasileiro.
 
“Confirmamos que foi concedida autorização para sobrevoo de aeronave transportando o ex-presidente Evo Morales”, disse o Itamaraty.
 
O México concedeu asilo político a Evo Morales nesta segunda (11).
 
Numa coletiva de imprensa, o Ministério das Relações Exteriores do México informou sobre a dificuldade de tirar Evo Morales da Bolívia e que estavam em andamento negociações com vários países para que a aeronave pudesse usar o espaço aéreo deles.
 
Além do Brasil, houve contato com Paraguai, Peru e Equador.
 
Crise na Bolívia
 
Evo Morales renunciou à Presidência da Bolívia no domingo (10) e ainda não está claro quem irá substituí-lo.
 
Em 20 de outubro, ele havia sido eleito em primeiro turno em eleições gerais, mas protestos violentos e denúncias de fraude na votação aumentaram a tensão no país. O então presidente perdeu apoio dos militares, que pediram sua saída.
 
No poder desde 2006, Evo Morales disputou uma nova reeleição em 20 de outubro deste ano. A candidatura já havia sido contestada – um referendo feito em 2016 rejeitou essa possibilidade, mas, em 2018, a Justiça Eleitoral o autorizou a tentar um quarto mandato.
 
O argumento era que o limite de mandatos viola a garantia constitucional de que qualquer cidadão tem o direito de se candidatar.
 
Mesmo antes do fim da contagem dos votos de outubro, protestos tomaram as ruas da Bolívia. Simpatizantes de Carlos Mesa, opositor de Evo, denunciavam fraudes na apuração.
 
A Organização dos Estados Americanos (OEA) e o governo da Bolívia anunciaram que a entidade faria uma auditoria do processo eleitoral inteiro.
 
Em 10 de novembro, a OEA divulgou resultado preliminar apontando fraude e a necessidade de novas eleições.
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Fernando Rizzolo

A Exclusão e o Pancadão

Uns anos atrás, escrevi um artigo sobre a repressão praticada pelos seguranças dentro dos shoppings centers em São Paulo, uma vez que não permitiam que grupos de jovens da periferia, que marcavam encontros chamados...

 
 
 
 
Sitevip Internet