Notícias / Agricultura

28/10/19 às 11:47

Primavera do Leste - Índios lutam para produzir em reservas: ‘Queremos trocar a miséria pelo agro’

Senar-MT e sindicato rural levam cursos de capacitação aos indígenas, que ainda aguardam permissão do governo para plantar

Canal Rural - Pedro Silvestre

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Primavera do Leste - Índios lutam para produzir em reservas: ‘Queremos trocar a miséria pelo agro’

Foto: Pedro Silvestre/Canal Rural

Sindicato Rural de Primavera do Leste, está levando cursos para qualificar indígenas a trabalharem com agricultura mecanizada. A esperança é de que por meio da produção de grãos, os índios Xavante consigam sair da miséria.
 
José Aloísio Tsimitsuté deixou a família e percorreu mais de 600 quilômetros até a reserva Paresi, em busca de novos aprendizados. Ele já tem três cursos de capacitação no currículo: manutenção de tratores, operador de máquinas agrícolas e aplicação de defensivos.

Nem mesmo a diferença entre os dialetos das duas etnias impede Tsimitsuté. “Não importa o fato de não entender a língua deles. O que me importa é mostrar o meu trabalho e o meu conhecimento; essa será a minha língua entre eu e os meus parentes”, diz

Presidente da cooperativa indígena Coopihanama, Ronaldo Zokezomaike afirma que a força de vontade faz os povos se entenderem. “A linguagem aqui é a do conhecimento, e é isso o que importa”.

O cacique xavante Domingos Mahoro afirma que a experiência está sendo ótima para os dois lados. “É de grande importância para nós. Substituir a miséria pelo agronegócio será a nossa maior alegria no futuro”, diz.

Cerca de 60 indígenas xavante participaram dos cursos, ministrados entre maio e outubro de 2019. Segundo o presidente do Sindicato Rural de Primavera do Leste, José Nardes, uma dúzia deles já estão trabalhando no município.

“A nossa ideia é repetir o que foi feito com os Paresi: primeiro, eles aprendem a trabalhar junto com a gente e depois, quando acaba a parceria, vão tocar a vida deles sozinhos. Os Paresi criaram a própria cooperativa e hoje andam com as próprias pernas”, destaca Nardes.

O coordenador técnico da Funai em Campo Novo dos Parecis, Joelson Avelino da Silva, afirma que o desejo dos indígenas não é riqueza, mas sustentabilidade. “É para manter sua comunidade e cultura. Querendo ou não, hoje, tem que ter dinheiro, senão não consegue manter”, argumenta.
 
À espera do governo

As etnias ainda aguardam a assinatura de um Termo de Ajustamento de Conduta que garantirá total autonomia para agricultura em grande escala nas reservas. Enquanto isso, os paresis seguem amparados por uma autorização do Ibama e os xavantes ainda lutam contra a miséria e a fome nas aldeias, com cerca de 130 mil hectares reservados para o cultivo.

“Se a gente não conseguir esse TAC, será extinguida a grande Sangradouro, que está se tornando em pinga, falta de alimento. O povo está desmotivado e nós precisamos produzir”, afirma Aguinaldo Pereira dos Santos, coordenador indígenas dos xavantes.
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Fernando Rizzolo

New Deal no Brasil

Bairro simples da periferia. O cheiro de café ainda estava pela cozinha e transpunha a sala com móveis simples, um sofá velho e uma antiga televisão que tinha em cima dela algumas xícaras, daquelas que têm o...

 

Enquete

Se a eleição para presidente tivesse Jair Bolsonaro e Sérgio Moro como candidatos, em quem você votaria?

 
 
 
Sitevip Internet