Notícias / Cultura

12/10/19 às 20:57

Mulheres Xavante atuam no resgate e fortalecimento da alimentação tradicional

Assessoria Funai

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Mulheres Xavante atuam no resgate e fortalecimento da alimentação tradicional

Mulher Xavante TI Pimentel Barbosa

Foto: Mário Vilela/Funai.

Um lugar onde se planta e colhe frutos - um pomar. Em língua xavante, Abahi Tebrezê é o nome do projeto abraçado há dois anos pelas mulheres indígenas Xavante, da Terra Indígena (TI) Pimentel Barbosa, MT. Trata-se de uma ação de resgate do conhecimento tradicional, a partir da revitalização do cultivo de batatas nativas. A ideia é, a longo prazo, amenizar - e até reverter - efeitos negativos das mudanças nos hábitos alimentares e a sedentarização causada pela introdução de alimentação industrializada na comunidade.
 
Na segunda quinzena de setembro, mulheres indígenas Xavante reuniram-se para promover ações de resgate e fortalecimento da alimentação tradicional, momento em que reconstruíram o Centro Etnoecológico, estrutura física inaugurada em 2010 para sediar diversas atividades do projeto Abarhi Tebrezê.
 
Iniciado em 2010, o Abahi Tebrezê objetiva o fortalecimento da cultura, da segurança alimentar e nutricional, e da gestão territorial do povo Xavante da TI Pimentel Barbosa (MT). Originalmente conduzido pelos homens, passou a ser protagonizado pelas mulheres Xavante em 2017, as mais interessadas na recuperação da alimentação tradicional e no repasse de conhecimentos às meninas e aos meninos da comunidade, visto que a agricultura, o preparo dos alimentos e o cuidado das crianças é tradicionalmente atribuição delas. O foco das mulheres Xavante é a revitalização da produção das batatas tradicionais, em especial a Mo'ôni, com expedições de coleta em diversos pontos do território e seu cultivo em canteiros demonstrativos perto da aldeia e da escola.
 
A iniciativa inspira-se em ações anteriores, entre elas, o projeto Dasa Uptabi: De volta às raízes, que ocorreu entre 2004 e 2007. O projeto Dasa Uptabi, coordenado pelo analista ecológico Frans Leeuwenberg, contou com participação de 57 mulheres xavantes das aldeias Tanguro, Papa Mel, Caçula e Pimentel Barbosa. Nasceu da parceria entre as Xavante e a Sociedade de Proteção e Utilização do Meio Ambiente/PUMA.
 
mulherxavante1
Crianças Xavante da TI Pimentel Barbosa. Foto: Mário Vilela/Funai.

 
Num intercâmbio de conhecimento intergeracional, anciãs e jovens Xavante coletaram 20 espécies de batatas silvestres que tradicionalmente faziam parte da alimentação do povo. Relembraram as formas de cultivo, as características de cada planta, as formas de preparo e as indicações alimentares (por vezes ritualísticas, sociais ou medicinais) de cada tubérculo. Os resultados do Dasa Uptabi podem ser conferidos na cartilha De volta às raízes: Uma tradição A'uwe nunca morre...
 
A cada ano, por decisão das próprias mulheres Xavante, o projeto Abahi Tebrezê pode envolver também a realização de oficinas de artesanato ou o intercâmbio com outros povos, como ocorreu em 2018, com a visita de mulheres de Pimentel aos Kuikuro (Parque Indígena do Xingu, MT), realizando troca de artesanato e sementes.
 
Em 2019, o projeto centrou-se na reconstrução do Centro Etnoecológico Ababhi Tebrezê, destruído pelo fogo no ano anterior. Localizado às margens do Rio das Mortes, é um espaço voltado à realização de encontros, reuniões e oficinas. Para 2020, as mulheres Xavante manifestaram o desejo de promover debates sobre alcoolismo e violência, e promover atividades culturais.
 
O projeto Abahi Tebrezê, além de atuar na revitalização da alimentação tradicional, possui caráter educativo bastante amplo, envolvendo o intercâmbio de conhecimentos, o fortalecimento da cultura, a gestão do território e maior conscientização sobre os direitos das mulheres indígenas na proteção e promoção de garantias à comunidade Xavante. O projeto conta com o apoio da Funai, sobretudo da Coordenação Geral de Promoção da Cidadania – CGPC. Envolve, ainda a Coordenação Geral de Gestão Ambiental – CGGAM, além de ter contado com atuação da Coordenação Geral de Etnodesenvolvimento – CGETNO em sua gênese.
 
Coordenação de Gênero e Assuntos Geracionais (Funai)
Assessoria de Comunicação (Funai)
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Fernando Rizzolo

New Deal no Brasil

Bairro simples da periferia. O cheiro de café ainda estava pela cozinha e transpunha a sala com móveis simples, um sofá velho e uma antiga televisão que tinha em cima dela algumas xícaras, daquelas que têm o...

 

Enquete

Se a eleição para presidente tivesse Jair Bolsonaro e Sérgio Moro como candidatos, em quem você votaria?

 
 
 
Sitevip Internet