Notícias / Água Boa

30/10/15 às 10:34

Skate por Amor

Alan Apio

ÁGUA BOA NEWS

Imprimir Enviar para um amigo
Skate por Amor

Foto: Alan Apio / Água Boa News

Daniel Oliveira, 20 anos, caminha todos os dias depois do serviço até a Praça da Cultura em Água Boa, Mato Grosso. Na cabeça usa um boné de aba reta enquanto embaixo dos braços carrega um skate. Algumas pessoas o cumprimentam na rua à medida que ele passa. Outras lhe viram a cara, mas Daniel caminha decidido e sonhador ao seu destino, onde dedicará as próximas horas a grande paixão de sua vida, que é andar de skate.

Ao curto prazo Daniel (na foto) tem como principal objetivo aprimorar suas habilidades para o 2º Festival de Cultura Urbana que ocorrerá em Água Boa no dia 8 de novembro próximo. Na ocasião estarão competindo diante dos olhos de jurados renomados competidores de todo o Mato Grosso e ele não quer fazer feio. Pretende representar bem o município onde vive. A longo prazo Daniel pretende aprimorar ainda mais suas habilidades, tornando-se um competidor profissional. Motivo de orgulho para qualquer pai ou compatriota, não? Mas não para muitos. Os olhares carregados de desconfiança ainda apontam incisivamente em sua direção, revelando uma realidade difícil para todo skatista em Água Boa  : Há uma fama que os precede a onde quer que eles vão. E mesmo Daniel reconhece que ela é em uma pequena parte justificável.

A prática do skate virou sensação no mundo todo. Milhões de praticantes desafiam a gravidade em praças, escadarias e rampas todos os dias. Com Água Boa não foi diferente. Uma legião de amantes da prática se juntam aos fins de tarde em volta dos obstáculos construídos pela prefeitura juntamente com o dono da Kiloko, popularmente conhecido como “Mano”. Sempre um incentivador das práticas positivas da cultura urbana, Mano foi testemunha principal da evolução do skate em Água Boa. Nas pistas que ajudou a construir os jovens se esforçam para ver quem faz a melhor manobra, quem é mais preciso, quem é mais corajoso. Mas infelizmente, nem tudo nesse mundo é livre de pecados. Um lado negro e mais discreto da sociedade tenta se aproveitar da inocência e da pouca idade de vários dos skatistas para tentar traze-los para as drogas e para o crime. A situação piora em bairros mais expostos ao tráfico e onde a ordem não se faz tão presente. Isso tudo é um problema real. O problema está em generalizar a prática a quem anda de skate ao invés de reconhecer que os mal-intencionados existem em qualquer ambiente. Por exemplo, Daniel é evangélico, não usa drogas e é um skatista. E ele não é uma exceção, mas sim o retrato da maioria esmagadora e um exemplo claro de que as suas roupas não definem seu caráter.

Uma mudança de perspectiva é necessária. A fim de afastar as más influências devemos procurar legitimar e fortalecer as boas. Apoiando, incentivando e divulgando as ações de pessoas como Daniel desencadeia-se um processo de mudança de paradigmas e expectativas, da sociedade para com os skatistas, dos skatistas para com a sociedade e deles consigo mesmo. Ao criarmos um vínculo de confiança abriremos um leque de oportunidades para esses jovens. Um exemplo recente em Água Boa é o movimento do hip hop. Marginalizado por anos, os dançarinos de breaking carregavam o estigma de malandros e criminosos. Porém, com os esforços contínuos dos professores voluntários e depois com a realização do primeiro festival de cultura urbana (maio de 2014) começou-se a criar uma nova identidade para o hip hop no município. Breaking deixou de ser “arte de malandro” para se tornar apenas arte e os antes chamados por “malandros” são agora simplesmente dançarinos. Hoje existe até mesmo uma oficina de dança breaking, mantida pela prefeitura, que tem como objetivo ensinar aos água-boenses interessados. É uma vitória do bem.

 A construção dessa nova identidade exigiu e exige dedicação e paciência fundamentando-se largamente no reconhecimento mutuo e no respeito. Espera-se conseguir o mesmo com o skate. Sonha-se com mais situações como a de Daniel e que em sua página do facebook resumiu perfeitamente toda sua experiência. Ele escreveu: Apenas um skatista. Skate por amor
Imprimir Enviar para um amigo

comentar1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • por José Américo, em 31/10/15 às 17:11

    Muito bom ler esse texto, relembrar o quanto o Mano foi fundamental na aproximação dos jovens ao SKATE, lembro muito bem de quando nos reuniamos na casa da mão do mano para construir as primeiras rampinhas que tinhamos, e carregar no caminhão verde que ele tinha. da tentativa de construir na casa do Sival, o half que não deu muito certo, rsrsr mas com muita garra do Mano e de todos os mlks da época foi cosntruido a primeira pista em Agua Boa, na praça do lazer, pois antes nos utilizavamos a praça da cultura no espaço das apresentações, só que ficou pequeno, e tivemos que ir pro espaço cultural proximo ao sicred. Mano você foi excencial para a construção dessas vidas, das vidas desses jovens,lembro muito bem, que ele falava, "galera, não fumem e não bebam, muito menos aqui na pista, nós não podemos fica marginalizados , nos somos SKATE, e não somos marginais".( algo assim) Saudades de vocês ai de Agua boa. OBS: Ah, eu já ganhei premio nas competições que o mano realizava na praça kkk abraços a todos.

 
 

veja maisArtigos

Telma Cenira Couto da Silva

As mulheres da minha vida

Thomires era o nome da minha avó paterna.  Descendente de franceses, tinha a pele muito alva e os olhos azuis claros, que lembravam o mar. O louro esbranquiçado do seu cabelo remetia-me aos das minhas bonecas. Adorava admirar o...

 
 
 
 
Sitevip Internet