Notícias / Nacional

09/10/19 às 19:02

IBGE - IPCA de setembro fica em -0,04%

Agência IBGE

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
IBGE - IPCA de setembro fica em -0,04%

Foto: Divulgação

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de setembro variou -0,04%, enquanto a taxa registrada em agosto foi de 0,11%. Este é o menor resultado para um mês de setembro desde 1998, quando o IPCA ficou em -0,22%. No acumulado do ano, o índice registrou 2,49% e, na ótica dos últimos 12 meses, ficou em 2,89%, abaixo dos 3,43% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores. Em setembro de 2018, a taxa foi de 0,48%.
 
Período TAXA
Setembro de 2019 -0,04%
Agosto de 2019 0,11%
Setembro de 2018 0,48%
No ano 2019 2,49%
Acumulado nos 12 meses 2,89%

Três dos nove grupos pesquisados apresentaram deflação de agosto para setembro, com destaque para Alimentação e bebidas (-0,43%), grupo responsável pela maior contribuição negativa no IPCA de setembro, com -0,11 ponto percentual (p.p.). A maior queda veio de Artigos de residência (-0,76%), que contribuiu com -0,03 p.p. no índice do mês. No lado das altas, o destaque ficou com Saúde e cuidados pessoais, maior variação (0,58%) e maior impacto positivo (0,07 p.p.) no índice do mês. Os demais grupos ficaram entre a queda de 0,01% em Comunicação e a alta de 0,27% em Vestuário.
 
IPCA - Variação e Impacto por grupos - mensal
Grupo Variação (%) Impacto (p.p.)
Agosto Setembro Agosto Setembro
Índice Geral 0,11 -0,04 0,11 -0,04
Alimentação e Bebidas -0,35 -0,43 -0,09 -0,11
Habitação 1,19 0,02 0,19 0,00
Artigos de Residência 0,56 -0,76 0,02 -0,03
Vestuário 0,23 0,27 0,01 0,02
Transportes -0,39 0,00 -0,07 0,00
Saúde e Cuidados Pessoais -0,03 0,58 0,00 0,07
Despesas Pessoais 0,31 0,04 0,04 0,01
Educação 0,16 0,04 0,01 0,00
Comunicação 0,09 -0,01 0,00 0,00
Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Índices de Preços

O grupo Alimentação e bebidas (-0,43%) apresentou queda mais intensa na comparação com o mês anterior (-0,35%), especialmente por conta da alimentação fora de casa, cuja alta passou de 0,53% em agosto para 0,04% em setembro. A refeição registrou queda de preços (-0,06%), e o lanche apresentou alta de 0,17%, frente à variação de 0,47% observada no mês anterior.

Já a alimentação no domicílio (-0,70%) caiu pelo quinto mês consecutivo, embora esta tenha sido menos intensa que a registrada em agosto (-0,84%). Os destaques foram o tomate (-16,17%), maior impacto individual negativo no índice do mês (-0,04 p.p.), a batata-inglesa (-8,42%), a cebola (-9,89%) e as frutas (-1,79%). No lado das altas, o leite longa vida (1,58%) e as carnes (0,25%) apresentaram variações positivas após as deflações verificadas em agosto (de -0,33% e -0,75%, respectivamente).
Em Artigos de residência (-0,76%), as quedas nos preços dos eletrodomésticos e equipamentos (-2,26%) e dos itens de Tv, som e informática (-0,90%) contribuíram para a variação negativa observada no mês.

No grupo Saúde e cuidados pessoais (0,58%), o destaque ficou com os itens de higiene pessoal, com 1,65% de variação e 0,04 p.p. de contribuição, maior impacto positivo no IPCA de setembro. Além disso, a aceleração do subitem plano de saúde (de 0,03% em agosto para 0,57% em setembro) deve-se à apropriação integral da fração mensal do reajuste de 7,35% autorizado, em 23 de julho, pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), a ser aplicado nos planos individuais novos – aqueles com contratos vigentes a partir de 1999.

Após o resultado de 1,19% em agosto, o grupo Habitação teve ligeira alta de 0,02% em setembro. A energia elétrica (0,00%) ficou estável na comparação com o mês anterior, principalmente em virtude da manutenção da bandeira tarifária vermelha patamar 1, que adiciona R$ 4,00 para cada 100 quilowatts-hora consumidos na conta de luz. Em Belém (0,72%), houve reajuste de 1,94% no valor das tarifas, vigente desde 7 de agosto. Nessa mesma data, entrou em vigor a redução de 6,48% nas tarifas residenciais em Vitória (0,10%), onde a variação positiva se deveu ao aumento da alíquota de PIS/COFINS. Em São Luís (-6,97%), houve redução nas tarifas da ordem de 3,94%, a partir do dia 28 de agosto.

Ainda em Habitação, destaca-se o resultado do item gás de botijão (-0,17%), após o reajuste de 3,16% anunciado pela Petrobras no preço do botijão de gás de 13 kg, nas refinarias, a partir de 9 de setembro. Já o resultado da taxa de água e esgoto (0,09%) é consequência dos reajustes de 8,73% e 4,93% em Belo Horizonte (0,56%) e Vitória (0,32%), respectivamente, ambos vigentes desde 1º de agosto.

O grupo dos Transportes (0,00%) ficou estável na passagem de agosto para setembro. Os preços dos combustíveis (0,12%) subiram, puxados pelas altas do etanol (0,46%) e do óleo diesel (2,56%). Já a gasolina (-0,04%) mostrou ligeira queda, menos intensa que a do mês anterior (-0,45%), com as áreas variando entre a deflação de 1,66% em Porto Alegre e a alta de 2,80% em Goiânia. Ainda no lado das quedas, destaca-se a redução nos preços das passagens aéreas (-1,54%), com impacto de -0,01 p.p. no índice do mês.

Quanto aos índices regionais, a maior variação ficou com o município de Goiânia (0,41%), principalmente por conta da alta no preço da gasolina (2,80%). Já o menor índice ocorreu em São Luís (-0,22%), em função da queda de energia elétrica (-6,97%). No dia 28 de agosto, houve redução de 3,94% nas tarifas praticadas na capital maranhense.
 
IPCA - Variação por regiões - mensal e acumulada em 12 meses
Região Peso Regional (%) Variação (%) Variação Acumulada (%)
Agosto Setembro Ano 12 meses
Goiânia 3,59 0,11 0,41 2,13 2,79
Rio Branco 0,42 0,10 0,30 2,61 3,67
Salvador 6,12 0,04 0,14 2,32 3,05
Belém 4,23 -0,20 0,08 2,48 3,54
Curitiba 7,79 0,18 0,06 2,11 2,26
Aracaju 0,79 -0,47 0,05 2,81 3,71
Vitória 1,78 -0,50 -0,02 1,72 2,13
Campo Grande 1,51 -0,21 -0,04 2,30 2,77
Porto Alegre 8,40 -0,04 -0,04 2,43 3,00
São Paulo 30,67 0,33 -0,06 2,76 2,90
Fortaleza 2,91 0,33 -0,08 3,41 4,06
Recife 4,20 0,01 -0,09 2,65 2,94
Rio de Janeiro 12,06 -0,06 -0,13 2,37 2,98
Brasília 2,80 0,08 -0,17 1,80 2,11
Belo Horizonte 10,86 0,13 -0,18 2,49 2,82
São Luís 1,87 -0,31 -0,22 2,06 2,58
Brasil 100,00 0,11 -0,04 2,49 2,89

O IPCA é calculado pelo IBGE desde 1980, se refere às famílias com rendimento monetário de 01 a 40 salários mínimos, qualquer que seja a fonte, e abrange dez regiões metropolitanas, além dos municípios de Goiânia, Campo Grande, Rio Branco, São Luís, Aracaju e de Brasília. Para o cálculo do índice do mês, foram comparados os preços coletados no período de 28 de agosto a 27 de setembro de 2019 (referência) com os preços vigentes no período de 30 de julho a 27 de agosto de 2019 (base).

INPC de setembro fica em -0,05%

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) de setembro variou -0,05%, enquanto, em agosto, havia registrado 0,12%. Este resultado é o menor para um mês de setembro desde 1998, quando o INPC ficou em -0,31%. A variação acumulada no ano ficou em 2,63% e, no acumulado dos últimos 12 meses, o índice desacelerou para 2,92%, abaixo dos 3,28% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores. Em setembro de 2018, a taxa foi de 0,30%.

Os produtos alimentícios caíram 0,42% em setembro, enquanto no mês anterior registraram -0,49%. O agrupamento dos não alimentícios variou 0,11%, enquanto em agosto havia registrado 0,39%.

No que diz respeito aos índices regionais, o município de Goiânia (0,37%) teve a maior variação, em função da alta nos preços da gasolina (2,80%). Já o menor índice foi registrado na região metropolitana de Fortaleza (-0,21%), principalmente por conta da deflação de alguns alimentos como as frutas (-7,52%)
.
 
INPC - Variação por regiões - mensal e acumulada em 12 meses
Região Peso Regional (%) Variação (%) Variação Acumulada (%)
Agosto Setembro Ano 12 meses
Goiânia 4,15 0,19 0,37 2,37 3,18
Rio Branco 0,59 0,25 0,28 2,49 3,40
Curitiba 7,29 0,29 0,08 2,34 2,28
Salvador 8,75 -0,18 0,06 2,27 3,14
Belém 6,44 -0,24 0,04 2,50 3,43
Campo Grande 1,64 -0,07 0,02 2,32 2,60
Aracaju 1,29 -0,45 0,01 2,87 3,97
Porto Alegre 7,38 0,06 0,00 2,63 2,99
Vitória 1,83 -0,52 -0,01 2,25 2,27
São Paulo 24,24 0,38 -0,07 2,85 2,72
Brasília 1,88 0,32 -0,11 2,00 1,84
Recife 5,88 -0,01 -0,15 2,62 2,98
Rio de Janeiro 9,51 0,07 -0,15 2,59 2,61
São Luís 3,11 -0,36 -0,18 1,93 2,57
Belo Horizonte 10,60 0,22 -0,20 2,82 3,09
Fortaleza 5,42 0,21 -0,21 3,31 4,06
Brasil 100,00 0,12 -0,05 2,63 2,92

O INPC é calculado pelo IBGE desde 1979, se refere às famílias com rendimento monetário de 01 a 05 salários mínimos, sendo o chefe assalariado, e abrange dez regiões metropolitanas, além dos municípios de Goiânia, Campo Grande, Rio Branco, São Luís, Aracaju e de Brasília. Para o cálculo do índice do mês, foram comparados os preços coletados no período de 28 de agosto a 27 de setembro de 2019 (referência) com os preços vigentes no período de 30 de julho a 27 de agosto de 2019 (base).
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

José Sarney

São Luís em Dezembro

O sinos do Natal já podem ser ouvidos nos seus sons distantes Quando eu era menino e começava, em São Bento, a descobrir o mundo com suas belezas, a primeira coisa que me encantava era o campo verde, lindo tapete de capins:...

 
 
 
 
Sitevip Internet