Notícias / Água Boa

01/10/19 às 07:33

Da Boa Terra pra Água Boa

Eduardo Gomes – Boamidia

Imprimir Enviar para um amigo
Da Boa Terra pra Água Boa

Foto: Divulgação/Ilustração

Brasília, 1977. Da janela do ônibus da Auto Viação Brandão, Maurício Cardoso Tonhá avista a Capital da Esperança idealizada por Juscelino Kubitschek. Cada vez mais a cidade mostra a leveza arquitetônica de Lúcio Costa e a poesia do cimento de Niemeyer. A viagem iniciada em Santana, na Boa Terra, termina. Com uma bolsa numa mão e o tíquete da bagagem na outra, desembarca. Da plataforma vê o tio materno José Honório Alves Cardoso.

Antes do primeiro passo o sobrinho ganha um forte abraço de José Honório. “Com sua bênção, tio Zé Rabinho” diz. “Deus te abençoe, menino”, responde o parente apertando ainda mais os braços. Zé Rabinho é o apelido de José Honório.

Em Brasília o tio e sua mulher, dona Jandira receberam o sobrinho em casa. O casal lhe dá teto e afeto. A meta de Maurício Tonhá era cursar o segundo grau, se formar engenheiro civil ou ser aprovado em concurso do Banco do Brasil e se transferir pra Santana, sua terra.
 
A permanência em Brasília foi curta: menos de cinco anos. Nesse período, com os braços no trabalho e a mente nos livros, se formou técnico contábil.

No dia a dia Maurício Tonhá trabalhava com o tio, que era vendedor de sacolas plásticas e outros produtos para embalagens. Zé Rabinho não era dono do negócio. Ele revendia embalagens. Certo dia, o sobrinho lhe sugere que passe a comprar os produtos e a vendê-los. “Não tenho carro!”, observa. “Então adquira uma Kombi financiada e deixa comigo que a gente vai ganhar dinheiro”, retruca.

Uma reluzente Kombi azul passou a ocupar a garagem da casa de Zé Rabinho e dona Jandira. Todos os dias, bem cedo, a perua saía pelas ruas rumo às feiras. No banco dianteiro do passageiro o lugar cativo era de Maurício Tonhá, que por ser menor não dirigia.

Com os produtos nas costas e o bloco de pedidos no bolso da calça jeans surrada, Maurício Tonhá percorria as barracas. “Tempos duros aqueles, mas de muito aprendizado com meu tio e com a vida”, avalia.

Dois caminhos se abriam à frente de Maurício Tonhá: apostar no negócio das embalagens com o tio ou se preparar ao vestibular pra engenharia civil, porque não havia indício de que haveria concurso ao BB.

Em 1982 a Caixa Econômica Federal e o BB abriram inscrição para o Norte e Centro-Oeste. Maurício Tonhá voltou ao sonho de ser bancário. Enquanto imaginava como se inscreveria, reencontrou-se em Brasília com o primo e engenheiro civil Altair Antônio Alves, o Abobrinha, diretor do agora extinto Departamento de Estradas e Rodagem de Mato Grosso (Dermat) e morador em Barra do Garças.

Abobrinha o estimulou a ir a Barra se inscrever aos concursos. Pouco tempo depois Maurício Tonhá embarcou num ônibus pra tentar a sorte e se surpreendeu com Mato Grosso, a terra, onde seu tio materno Antônio Joaquim Alves, o Antônio Abóbora, ganhou destaque enquanto presidente da Câmara e prefeito constitucional de Rondonópolis, onde também presidiu o Sindicato Rural.

Na Barra, Maurício Tonhá se inscreveu nos concursos da Caixa e do BB. Foi aprovado em ambos. A espera pelos chamados foi curta. Em julho de 1982 a Caixa o lotou na agência daquela cidade.

Mauricio Tonhá permaneceu quatro meses na Barra morando na casa de Abobrinha e seu colega José Ângelo Carloto – o Dr. Carloto. Em novembro de 1982 ele deixa a Caixa para ser lotado na agência do BB de Água Boa, inaugurada em agosto daquele ano e que tinha seu quadro formado por adidos cedidos por outras agências.

Quinta-feira, 25 de novembro de 1982. Chove forte na região do Araguaia e Maurício Tonhá chega a Água Boa. “Dizem que mudança com chuva dá sorte; tomara!”, pensa com seus botões.

No princípio, em Água Boa, Maurício Tonhá mora numa república na casa de Silvino Guerreiro do Amaral, com os colegas Olívio Pereira – agora seu compadre -, Getúlio Siqueira, Gilvan Rosa e Édson Ribeiro.

Antes de começar o primeiro dia de trabalho, percorre algumas ruas pra conhecer um pouco sua nova cidade. Numa praça ao ar livre vê feirantes com suas barracas e a população comprando. Presta atenção e imagina como seria bem mais humano se aqueles trabalhadores e seus clientes tivessem um espaço coberto, com iluminação, sanitários e bancas organizadas. O pensamento vaga por seu antigo trabalho em Brasília, ganha asas e ele imagina: “se um dia for prefeito de Água Boa, construirei uma feira”.

Em 14 de novembro de 2009 o prefeito de Água Boa, Maurício Tonhá, recebe o governador Blairo Maggi, o vice-governador Silval Barbosa e o secretário de Desenvolvimento Rural e Agricultura Familiar, Neldo Egon Weirich, para inaugurar a Feira Livre do Pequeno Produtor.

Os participantes notam o semblante emocionado de Maurício Tonhá, mas ninguém entende o porquê. Ele, no entanto, sabia muito bem o motivo. Naquele instante não era somente o prefeito que ali estava, mas também o jovem vendedor de embalagens nas feiras em Brasília e que um dia, recém-chegado à cidade, sonhou realizar aquela obra.
 
PS – Capítulo do livro Dois dedos de prosa em silêncio – pra rir, refletir e arguir, publicado em 2015 pelo jornalista Eduardo Gomes de Andrade com ilustração de Generino e sem apoio das leis de incentivos culturais
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Evandro Carlos

Mauro Mendes, seu plano era “iludir”? Que pena, o meu era te fazer feliz!!!

A música Milu, do cantor mineiro Gustavo Lima, é um dos grandes hits da musica nacional da atualidade, nela o interprete conta a historia de alguém que vive iludido, lembrando que quem cai uma vez, cai três, mas que ele...

 
 
 
 
Sitevip Internet