Notícias / Agricultura

12/09/19 às 10:40 / Atualizada: 12/09/19 às 10:52

Produtores de algodão enfrentam cenário desafiador com preços baixos e custo de produção elevado

Julianne Caju da assessoria

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Produtores de algodão enfrentam cenário desafiador com preços baixos e custo de produção elevado

Foto: Assessoria

Os agricultores que plantam algodão estão com a margem apertadíssima entre o custo de produção e o preço da pluma. A alta do dólar, o alto preço dos defensivos agrícolas, das sementes e dos fertilizantes, o preço baixo, as reduzidas comercializações do produto, podem puxar uma queda da área de plantação em Mato Grosso. A guerra comercial entre os Estados Unidos e a China pode ser a luz no fim do túnel. Enquanto isso não é definido, cabe ao cotonicultor retomar as estratégias da atividade agrícola e fazer com excelência o trabalho de casa.

“Esse é mais um momento de desafios para toda a cadeia produtiva do algodão. É um cenário em que especialmente o produtor terá de mostrar conhecimento, ser eficaz nas boas práticas agrícolas e usar a tecnologia. A agronomia permite tomadas de decisões e tecnologia não significa mais consumo, e sim informação, a junção do conhecimento científico aplicada à uma atividade”, afirma Leandro Zancanaro, diretor técnico da Fundação de Apoio à Pesquisa Agropecuária de Mato Grosso, Fundação MT.

A seleção das melhores áreas com alto potencial produtivo, o uso da poupança do solo, o plantio de variedades mais precoces, o manejo cultural são algumas das alternativas apontadas por Zancanaro para o cotonicultor conseguir reduzir os custos de produção e aumentar a produtividade. “Tudo isso é muito possível. É um grande desafio para a classe produtora enfrentar esse cenário não muito favorável, mas precisamos olhar para as opções”, destacou o diretor técnico durante o XI Encontro Técnico de Algodão que acontece em Cuiabá.

Para Daniel Latorraca, superintendente do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), mudanças, mesmo que pequenas, podem ocorrer se houver reação do mercado consumidor, como por exemplo do mercado asiático. “Se a guerra entre Estado Unidos e a China prolongar talvez possamos fazer frente ao mercado. Mas isso vai depender da área que os cotonicultores irão plantar.”

Segundo Latorraca, a preocupação maior é com os produtores que não comercializaram seu produto. Na safra anterior cerca de 60% da produção já estava comercializada com bons preços nessa época do ano. Da safra atual, apenas 44% foram até agora negociada. “Quem não vendeu seu algodão está numa situação complicadíssima. Não há previsão de melhorias dos preços e o custo de produção manteve em patamar elevado. É momento do produtor realmente lançar mão de todo conhecimento que ele tem sobre plantar e colher bem.”

O produtor Sergio De Marco e ex-presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa) e da Associação Mato-grossense dos Produtores de Algodão (Ampa) também concorda que o cenário da safra 19/20 vai exigir muito de toda classe produtora. “Teremos de tirar alternativas da cartola, e elas existem. É mais uma oportunidade de criarmos soluções em meio da crise e tomar decisões mais assertivas.” 
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Evandro Carlos

Mauro Mendes, seu plano era “iludir”? Que pena, o meu era te fazer feliz!!!

A música Milu, do cantor mineiro Gustavo Lima, é um dos grandes hits da musica nacional da atualidade, nela o interprete conta a historia de alguém que vive iludido, lembrando que quem cai uma vez, cai três, mas que ele...

 
 
 
 
Sitevip Internet