Notícias / Justiça

11/09/19 às 21:41

Família de aluno que se afogou no Rio Araguaia em horário escolar será indenizada pelo Estado de Goiás

Carlos Daniel, de 14 anos, foi impedido de entrar no colégio pois as salas estavam sendo limpas quando ele chegou à escola; adolescente chamou outros três amigos e foi nadar no rio

Thaynara Cunha, Do Mais Goiás

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Família de aluno que se afogou no Rio Araguaia em horário escolar será indenizada pelo Estado de Goiás

Rio Araguaia, em Aruanã

Foto: Divulgação / TJGO

A Justiça condenou o Estado de Goiás a pagar R$ 70 mil por danos morais aos pais de um adolescente que morreu afogado no Rio Araguaia, em Aruanã, região Noroeste de Goiás.  A sentença foi dada pelo juiz da comarca do município, Yvan Santana Ferreira. O acidente foi em fevereiro de 2015.

Os servidores do colégio não deixarem a vítima, Carlos Daniel Pereira Alves, 14, entrar no colégio porque estavam limpando as salas de aula. O adolescente, então, foi nadar no Rio com outros três amigos. Foi quando ele se afogou e morreu. Segundo Ferreira, o Estado deve zelar pela segurança dos estudantes “assumindo o compromisso de zelar pela preservação da integridade física e moral destes, sob pena de incidir em responsabilidade civil pelos eventos lesivos ocasionados ao aluno”.

Para o magistrado, ficou evidente que o Estado falhou ao prestar este serviço, pois os alunos deveriam ter aguardado nas dependências do colégio. Além disso, é responsabilidade da unidade de ensino cuidar dos estudantes após chegarem para o início das aulas. “A partir do instante que os alunos eram deixados na entrada do colégio até o término das aulas, a responsabilidade pela guarda e segurança deles passava a ser do Estado, pois é este quem presta o serviço educacional”, destaca.
 
“Diante disso, conclui-se que a morte do aluno decorreu unicamente de falha na prestação do serviço estatal, consubstanciada na negligência do agente (Estado de Goiás), enquadrando-se como comportamento omissivo da Administração Pública, a ponto de gerar a responsabilidade ou obrigação de indenizar”, argumentou Ferreira.

 
Durante o processo, o juiz também acionou o município de Aruanã, responsável pelo transporte escolar. Porém, como o serviço da prefeitura era oferecer o transporte escolar, o magistrado considerou que não houve falha, já que o estudante foi deixado no portão da escola, como de costume.

*Thaynara Cunha é integrante do programa de estágio do convênio entre Ciee e Mais Goiás, sob orientação de Hugo Oliveira
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Dr. Rosário Casalenuovo Júnior

Queimada e tempo seco não são os agentes principais das doenças respiratórias

As clínicas de otorrinolaringologista e pneumologia ficam cheias nesta época do ano. Crianças e idosos sofrem para dormir, principalmente devido à baixa resistência do organismo, fato que provoca com facilidade...

 
 
 
 
Sitevip Internet