Notícias / Justiça

26/10/15 às 09:52 / Atualizada: 26/10/15 às 10:07

SUPERFATURAMENTO EM REMÉDIOS: Após 12 anos, ex-secretária de Maggi e mais 4 devolverão R$ 2 milhões

Saúde comprou medicamentos sem licitação e superfaturados

Rafael Costa

Folha Max

Imprimir Enviar para um amigo
SUPERFATURAMENTO EM REMÉDIOS: Após 12 anos, ex-secretária de Maggi e mais 4 devolverão R$ 2 milhões

Foto: Reprodução

O TCE (Tribunal de Contas do Estado) aplicou, por unanimidade, multa de R$ 806 mil em diversos ex-servidores públicos da Secretaria de Estado de Saúde pelo suposto superfaturamento na compra de medicamentos no primeiro mandato do ex-governador Blairo Maggi (PR), atualmente senador da República. Ainda foi determinada a restituição de R$ 849 mil, o que totaliza o montante de R$ 1,929 milhão.

A ex-secretária de Estado de Saúde, Luzia das Graças Prado Leão, vai ter que devolver o total de R$ 565,354 mil. Deste montante, R$ 449,924 mil é referente a irregularidade de sobrepreço e também a multa de R$ 115,430 mil pela autorização no recebimento de medicamentos sem identificação da marca cotada para a compra. 

A empresa Milênio Distribuidora de Produtos Farmacêuticos e Hospitalares Ltda também foi condenada a pagar R$ 175,013 mil. O membro da comissão de licitação à época, Fernando Augusto Leite de Oliveira, deverá ressarcir os cofres públicos em R$ 274.911 mil, bem como Jackson Fernando de Oliveira, secretário adjunto de gestão administrativa e financeira.

O pleno ainda acompanhou voto da relatora, conselheira interina Jaqueline Jacobsen, e declarou a inidoneidade das empresas Milênio Distribuidora de Produtos Farmacêuticos e Hospitalares Ltda e Medcomerce Comercial de Medicamentos e Produtos Hospitalares Ltda. para contratar com o poder público pelo prazo de 5 anos. Todas as multas e as restituições deverão ser recolhidas com recursos próprios, no prazo de 60 dias.

Os autos ainda serão encaminhados ao  MPE (Ministério Público Estadual) e a Vara Especializada de Ação Civil Pública e Ação Popular de Cuiabá, onde já tramita uma Ação de Improbidade Administrativa. As condenações são devido produtos hospitalares comprados por dispensa de licitação e ainda superfaturados no ano de 2003.
 
ÍNTEGRA DA DECISÃO
ACORDAM os Senhores Conselheiros do Tribunal de Contas, nos termos dos artigos 1º, XV, e 45, da Lei Complementar nº 269/2007 (Lei Orgânica do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso), c/c o artigo 227, § 5º, da Resolução nº 14/2007 (Regimento Interno do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso), por unanimidade, acompanhando o voto da Relatora e de acordo, em parte, com o Parecer nº 244/2014 do Ministério Público de Contas, em preliminarmente, conhecer, e, no mérito, julgar PARCIALMENTE PROCEDENTE a Denúncia formulada em desfavor da Secretaria de Estado de Saúde de Mato Grosso, gestão, à época, da Sra. Luzia das Graças Prado Leão, inscrita no CPF sob o nº 057.306.601-97, neste ato representada pelos procuradores José Carlos de Souza Pires – OAB/MT nº 1.938-A, Cláudia Maciel Santos – OAB/MT nº 10.005 e José Pedro R. Gonçalves Filho – OAB/MT nº 6.594 - assessor jurídico da SES/MT, sendo os Srs. Afrânio Motta, inscrito no CPF sob o nº 021.759.081- 00 – superintendente adjunto da SAAGUP/SES à época, neste ato representado pela procuradora Ruth Sousa Dourado – OAB/MT nº 7.141, Jackson Fernando de Oliveira, inscrito no CPF sob o nº 022.721.159-69 – secretário adjunto de Gestão Administrativa e Financeira à época e Fernando Augusto Leite de Oliveira, inscrito no CPF sob o nº 474.903.491-68 – membro da Comissão Permanente de Licitação à época, e as empresas Milênio Distribuidora de Produtos Farmacêuticos e Hospitalares Ltda., inscrita no CNPJ sob o nº 03.553.585/0001-65, neste ato representada pelos procuradores Fabricio David de Souza Golveia – OAB/GO nº 22.784 e Ellen Núria Guimarães Silva - OAB/GO nº 23.397 e Medcomerce Comercial de Medicamentos e Produtos Hospitalares Ltda., inscrita no CNPJ sob o nº 37.396.017/0001-10, neste ato representada pelos procuradores Anderson Braga Valadares – OAB/MG nº 104.404 e Juliano Franco da Silva, acerca de irregularidades na aquisição de medicamentos, objeto das Dispensas de Licitação nºs 10/2003 e 13/2003; determinando, com fulcro no artigo 70, II, da Lei Complementar nº 269/2007, c/c o artigo 285, II, da Resolução nº 14/2007, as seguintes restituições de valores aos cofres públicos estaduais:
a) R$ 175.013,20 à Sra. Luzia das Graças Prado Leão, ao Sr. Afrânio Motta e à empresa Milênio Distribuidora de Produtos Farmacêuticos e Hospitalares Ltda., solidariamente, devidamente corrigidos monetariamente desde a data do pagamento (21-8-2003), diante da ocorrência de irregularidade de sobrepreço de medicamentos na Dispensa de Licitação nº 10/2003;
b) R$ 274.911,00 à Sra. Luzia das Graças Prado Leão, aos Srs. Fernando Augusto Leite de Oliveira e Jackson Fernando de Oliveira e à empresa Medcomerce Comercial de Medicamentos e Produtos Hospitalares Ltda., solidariamente, devidamente corrigidos monetariamente desde a data do pagamento (6-11-2003), diante da ocorrência de irregularidade de sobrepreço de medicamentos na Dispensa de Licitação nº 13/2003; e,
c) R$ 399.133,92 à Sra. Luzia das Graças Prado Leão, aos Srs. Fernando Augusto Leite de Oliveira e Jackson Fernando de Oliveira e à empresa Milênio Distribuidora de Produtos Farmacêuticos e Hospitalares Ltda., solidariamente, devidamente corrigidos monetariamente desde a data do pagamento (4-11-2003), diante da ocorrência de irregularidade de sobrepreço de medicamentos na Dispensa de Licitação nº 13/2003; e, ainda, nos termos do artigo 75, III, da Lei Complementar 269/2007, c/c os artigos 287 e 289, II, da Resolução nº 14/2007, e 6º, II, “a”, da Resolução Normativa nº 17/2010, aplicar multas a todos os responsáveis elencados, individualmente, no montante de 10% do valor do dano, conforme discriminados adiante: a) à Sra. Luzia das Graças Prado Leão, 10% de R$ 849.058,12, no valor de R$ 84.905,81, correspondente a 1.337,30 UPFs/MT; b) ao Sr. Afrânio Mota, 10% de R$ 175.013,20, no valor de R$ 17.501,32, correspondente a 275,65 UPFs/MT; c) ao Sr. Fernando Augusto Leite de Oliveira, 10% de R$ 674.044,92, no valor de R$ 67.404,49, correspondente a 1.061,65 UPFs/MT; d) ao Sr. Jackson Fernando de Oliveira, 10% de R$ 674.044,92, no valor de R$ 67.404,49, correspondente a 1.061,65 UPFs/MT;
e) à empresa Milênio Produtos Hospitalares Ltda., 10% sobre R$ 574.147,12, no valor de R$ 57.414,71, correspondente a 904,31 UPFs/MT; e, f) à empresa MEDCOMMERCE – Comercial de Medicamentos e Produtos Hospitalares Ltda., 10% sobre R$ 274.911,00, o valor de R$ 27.491,10, correspondente a 432,99 UPFs/MT; e ainda, aplicar as seguintes multas: 
1) à Sra. Luzia das Graças Prado Leão a multa de 15 UPFs/MT, em razão de irregularidade no recebimento de medicamentos, sem identificação da marca que havia sido cotada (item 2.2), que somada à multa proporcional ao dano, totaliza o montante de 1.352,30 UPFs/MT, ficando reduzido o total para 1.000 UPFs/MT, tendo em vista o disposto no artigo 287 da Resolução nº 14/2007; 2) ao Sr. Afrânio Motta a multa de 15 UPFs/MT em razão de irregularidade no recebimento de medicamentos, sem identificação da marca que havia sido cotada (item 2.2), que somada à multa proporcional ao dano, totaliza o montante de 290,65 UPFs/MT; 3) ao Sr. Fernando Augusto Leite de Oliveira 15 UPFs/MT, em razão de irregularidade no recebimento de medicamentos, sem identificação da marca que havia sido cotada (item 2.2), que somada à multa proporcional ao dano, totaliza o montante de 1.076,65 UPFs/MT, ficando reduzido o total para 1.000 UPFs/MT, tendo em vista o disposto no artigo 287 da Resolução nº 14/2007; 4) ao Sr. Jackson Fernando de Oliveira, 15 UPFs/MT, em razão de irregularidade no recebimento de medicamentos, sem identificação da marca que havia sido cotada (item 2.2), que somada à multa proporcional ao dano, totaliza o montante de 1.076,65 UPFs/MT, ficando reduzido o total para 1.000 UPFs/MT, tendo em vista o disposto no artigo 287 da Resolução nº 14/2007; 5) à empresa Milênio Distribuidora de Produtos Farmacêuticos e Hospitalares Ltda., a multa de 15 UPFs/MT, em razão de irregularidade na entrega de medicamentos, sem identificação da marca que havia sido cotada (item 2.2), que somada à multa proporcional ao dano, totaliza o montante de 919,31 UPFs/MT; e, 6) à empresa aplicar à empresa Medcomerce Comercial de Medicamentos e Produtos Hospitalares Ltda., a multa de 15 UPFs/MT, em razão de irregularidade na entrega de medicamentos, sem identificação da marca que havia sido cotada (item 2.2), que somada à multa proporcional ao dano, totaliza o montante de 447,99 UPFs/MT; e, por fim, DECLARAR a inidoneidade das empresas Milênio Distribuidora de Produtos Farmacêuticos e Hospitalares Ltda. e Medcomerce Comercial de Medicamentos e Produtos Hospitalares Ltda. para contratar com o Poder Público, pelo prazo de 5 anos, conforme estabelece o artigo 41 da Lei Complementar nº 269/2007. As multas e as restituições deverão ser recolhidas com recursos próprios, no prazo de 60 dias.
Encaminhe-se cópia digitalizada dos autos ao Ministério Público Estadual e ao Juízo da Vara Especializada de Ação Civil Pública e Ação Popular de Cuiabá, local em que tramita a Ação de Improbidade Administrativa, formalizada pelo Ministério Público Estadual, sob o número 384/2008, código 304186, para conhecimento e providências cabíveis. Os boletos bancários para recolhimento das multas estão disponíveis no endereço eletrônico deste Tribunal de Contas – http://www.tce.mt.gov.br/fundecontas. Relatou a presente decisão a Conselheira Interina JAQUELINE JACOBSEN, conforme a Portaria nº 001/2015.
Participaram do julgamento os Conselheiros VALTER ALBANO, DOMINGOS NETO e SÉRGIO RICARDO, e os Conselheiros Substitutos ISAIAS LOPES DA CUNHA, que estava substituindo o Conselheiro ANTONIO JOAQUIM, e LUIZ HENRIQUE LIMA, que estava substituindo o Conselheiro JOSÉ CARLOS NOVELLI. Presente, representando o Ministério Público de Contas, o Procurador Geral Substituto WILLIAM DE ALMEIDA BRITO JÚNIOR. Publique-se. Sala das Sessões, 6 de outubro de 2015. (assinaturas digitais disponíveis no endereço eletrônico: www.tce.mt.gov.br)
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Nilton Moreira

Estrada Iluminada - Pessoas que estavam lá!

Alguns têm certeza. Outros não acreditam. A maioria suspeita de que possa existir, e outros tantos preferem não se questionar. Estou falando de vidas...

 
 
 
 
Sitevip Internet