Notícias / Agricultura

18/08/19 às 18:47

Gaúcha do Norte - Agricultor com dívidas acumuladas: ‘Entreguei colhedeira, caminhão e caminhonete e ainda estou endividado’

Agricultores de Gaúcha do Norte (MT) enfrentam um cenário desfavorável de custos desde a safra 2015/16; nos últimos cinco anos, 30 produtores do município já abandonaram o campo

Pedro Silvestre, de Gaúcha do Norte (MT), Canal Rural

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Gaúcha do Norte - Agricultor com dívidas acumuladas: ‘Entreguei colhedeira, caminhão e caminhonete e ainda estou endividado’

Foto: Pedro Silvestre/Canal Rural

Mais de 30 produtores de Gaúcha do Norte (MT) abandonaram a atividade nos últimos cinco anos, segundo o sindicato rural do município. Mesmo aqueles que continuam no campo, como é o caso do agricultor Ari Baltazar Langer, estão endividados. “Já perdi duas áreas de terra. Entreguei colhedeira, caminhão, caminhonete e ainda estou muito endividado”, conta.
 
Langer estima que a dívida, principalmente dos arrendatários, corresponde à metade da renda de uma safra. “Daria uns seis anos para quitar. Se contar os juros absurdos que os bancos cobram, vai mais de seis anos”, diz.

A vice-presidente do sindicato rural, Neuza Wessner, afirma que boas áreas agricultáveis não faltam. Ela diz que a renda — apesar de menor em relação a outras cidades próximas — também não era ruim. Porém, os custos e os impostos vêm aumentando.

Neuza conta que a situação começou a sair do controle na safra 2015/2016, quando a região viveu uma forte estiagem. Ela diz que os financiamentos dos produtores foram prorrogados, mas a juros altos. “No ano seguinte, o problema só aumentou, porque tínhamos os custos daquela mais os da anterior. [O agricultor] Começou a não conseguir honrar com os seus compromissos, muitos perderam o CPF. Virou uma bola de neve”, relembra.
 
Os casos se multiplicam

Quatro anos atrás, Norberto Zeidler trocou a vida de agricultor pelo comércio. A decisão foi motivada pelas dificuldades e frustrações com a atividade. “A gente gosta de produzir, mas infelizmente ficamos de mãos amarradas. Isso dói bastante, porque tem toda uma história por trás, a do meu pai e do meu irmão”, conta, emocionado.

A dívida acumulada pelo produtor Romeu Volkweis nos últimos quatro anos o deixou sem acesso a crédito rural. Sem dinheiro para custear a próxima safra, ele ainda não sabe como cultivará a área de 3.100 hectares destinados ao grão na temporada 2019/2020. “Faz dois meses que estamos correndo atrás e não sabemos se vamos conseguir. Vamos depender das tradings, porque o banco zerou”, diz.

Nos últimos dois anos, a lavoura não pagou os custos de Alcides Zemolin, que precisou recorrer à pecuária. “A agricultura não está dando conta mais, não”, lamenta.

Problemas na pista

Norberto Zeidler conta que faltam estradas no município mato-grossense de Gaúcha do Norte e que o alto custo do combustível faz todos os insumos aumentarem também. As rodovias MT-129, MT-427 e BR-242, principais acessos, ainda são de chão. A promessa de pavimentação se arrasta há duas décadas.
 
A vice-presidente do sindicato local diz que a cobrança do Fundo Estadual de Transporte e Habitação (Fethab) foi dobrada nos dois últimos mandatos. Os recursos desse imposto deveriam ser destinados à logística do estado. “Contribuímos e não tivemos o prazer ainda de escoar a nossa produção em uma rodovia pavimentada. E o impacto não é só esse: anos atrás, quando começou o movimento da BR-242, várias empresas compraram terrenos para se instalar. Como as obras não foram concluídas, elas acabaram se instalando em outros pontos da região”, diz.

A reportagem do Canal Rural percorreu toda a extensão da MT-129. O caminho é estreito e cheio de buracos, pontes de madeira e reclamação de motoristas. “Quando falam em pegar frete para esses lados, a gente pensa bem. Tem vezes em que o chefe não manda porque desgasta muito o caminhão. Já cheguei ficar parado uma noite inteira com o caminhão quebrado”, afirma o caminhoneiro José Ferreira Mathias.

Para o agricultor Rafael Locatelli, se os produtores pegassem todo o dinheiro destinado até agora ao Fethab e investido na logística, o problema já teria sido resolvido.
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Dr. Rosário Casalenuovo Júnior

A arte é única e o artesanato é repetição

Deus seria um artista ou um artesão? Qual composição musical pode ser chamada de artesanato ou arte? Qual trabalho em geral deve ser denominada arte e qual artesanato?   Como está a arte no Brasil? Num país...

 

Enquete

Se a eleição para presidente tivesse Jair Bolsonaro e Sérgio Moro como candidatos, em quem você votaria?

 
 
 
Sitevip Internet