Notícias / Cultura

14/08/19 às 22:44 / Atualizada: 14/08/19 às 22:54

Povo Karajá da Ilha do Bananal dá primeiros passos para manejo participativo de Pirarucu

Ellen Amaral e equipe de trabalho

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Os Karajá das aldeias Fontoura e Santa Isabel do Morro deram o primeiro passo para a implantação do manejo participativo de pirarucus na Ilha do Bananal (TO). Entre os dias 1º e 7 de agosto, foram realizados cursos voltados ao tema, ministrados pela consultora Ellen Amaral, bióloga com mais de 15 anos de experiência na área. A iniciativa solicitada pelos indígenas à Funai, tem sido administrada pela Coordenação-Geral de Promoção ao Etnodesenvolvimento (CGETNO), Coordenação Regional Araguaia Tocantins e Coordenação Técnica Local (CTL) em São Félix do Araguaia, com o apoio da CTL em Gurupi.
 
O povo Karajá, autodenominado Inỹ, vive às margens do Rio Araguaia. Sua cosmologia está profundamente relacionada ao rio, de forma que até a vida humana teria emergido dele. Os peixes são fundamentais na alimentação dos Karajá e a pesca é uma das principais fontes de renda das comunidades. Eles são conhecidos pelas habilidades nessa atividade e pelo conhecimento sobre a fauna aquática.
Karaja manejo pirarucu 4
Além dos cursos, a iniciativa contará com oficinas e com a elaboração participativa de um projeto de implementação do manejo. Foto: Arquivo Funai

 
Durante os cursos, os indígenas conheceram todas as etapas necessárias ao manejo, visualizaram experiências bem-sucedidas no Amazonas e Tocantins e discutiram conceitos importantes para o início do trabalho. De acordo com a consultora, a participação ativa das comunidades e as ideias que elaboraram para desenvolvimento da atividade nas aldeias mostram-se ótimo sinal, tendo em vista que o interesse é fundamental para o sucesso da ação.


Foto: Arquivo Funai

"Esse curso vem trazer à tona coisas que a gente fazia antes e deixou de fazer", comentou Curerrete Wartirre, ao lembrar de quando os Karajá pescavam coletivamente. Mawysi e Manaije Karajá explicaram que a pesca era coordenada por um líder experiente e que os peixes eram distribuídos igualmente entre todos. Os indígenas sempre manifestaram o cuidado em não capturar todos os peixes para que pudessem se reproduzir, garantindo a pesca sustentável nos anos posteriores.

O manejo participativo de pirarucus tem sido uma alternativa econômica importante para populações tradicionais. Diferente do cultivo, o manejo se dá em ambiente natural e não requer tecnologias sofisticadas ou insumos caros. O controle é feito a partir da delimitação dos lagos a serem utilizados e o estabelecimento de regras criadas conjuntamente, onde se define zonas de proteção e de pesca, período para reprodução do peixe, tamanho mínimo permitido, dentre outras. A partir da contagem dos estoques se estabelece uma cota sustentável de pesca, garantindo o peixe para hoje e para o futuro.
 
Karaja manejo pirarucu 3
A participação ativa da comunidade indígena é fundamental para o sucesso na implantação do projeto. Foto: Arquivo Funai
 
Além dos cursos, a iniciativa contará com oficinas e com a elaboração participativa de um projeto de implementação do manejo. Lilian Brandt Calçavara, indigenista na CTL em São Félix do Araguaia, destacou a importância do diálogo entre os saberes científicos e tradicionais. "Não se trata de um retorno compulsório às tradições, mas do reconhecimento de um saber ancestral. Os Karajá são especialistas em pesca, mas as circunstâncias ambientais e sociais de hoje são diferentes das de antigamente. A pesca será reelaborada a partir de sua experiência atual, respeitando os saberes de seus antepassados e incorporando conhecimentos científicos", declara a servidora.
 
Na próxima etapa, serão ministradas as oficinas de manejo participativo de pirarucus, nas quais as aldeias irão trabalhar no diagnóstico do grupo e na elaboração do projeto de manejo, que deverá considerar as especificidades culturais do povo Inỹ. A atividade está prevista para o final de outubro deste ano.

Texto de Ellen Amaral, Fernanda Tibana (Cgetno), Lígia Rodrigues de Almeida ( CR Araguaia Tocantins) e Lílian Brandt Calçavara (CTL em São Félix do Araguaia)
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Fernando Rizzolo

New Deal no Brasil

Bairro simples da periferia. O cheiro de café ainda estava pela cozinha e transpunha a sala com móveis simples, um sofá velho e uma antiga televisão que tinha em cima dela algumas xícaras, daquelas que têm o...

 

Enquete

Se a eleição para presidente tivesse Jair Bolsonaro e Sérgio Moro como candidatos, em quem você votaria?

 
 
 
Sitevip Internet