Notícias / Justiça

08/08/19 às 19:41

Após prisão, Eike Batista terá R$ 1,6 bilhão em bens bloqueados

De Brasília repórter Cintia Moreira

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Após prisão, Eike Batista terá R$ 1,6 bilhão em bens bloqueados

Foto: Divulgação/Ilustração

O empresário Eike Batista foi preso novamente nesta quinta-feira (8), em sua casa no Jardim Botânico, na zona sul do Rio de Janeiro. Ele estava em regime de prisão domiciliar e, agora, ele terá R$ 1,6 bilhão em bens bloqueados – R$ 800 milhões por danos morais e R$ 800 milhões por danos materiais. O pedido foi feito pelo Ministério Público Federal (MPF), que deflagrou a operação em conjunto com a Polícia Federal.

A investigação verifica se ocorreu crimes de manipulação de mercado e utilização de informação privilegiada, o que poderia justificar os diversos negócios bem sucedidos do empresário.

Além da prisão temporária de Batista, também foi determinada a prisão preventiva de Luiz Arthur Andrade Correia, conhecido como Zartha, que era o tesoureiro de Batista.

Segundo o MPF, o esquema utilizava a empresa The Adviser Investiments (TAI), com sede no Panamá, criada por Eduardo Plass e seus sócios, proprietários do TAG Bank. No curso das investigações, apurou-se que Eike e Luiz Arthur usaram a TAI para atuar ilicitamente nos mercados de capitais nacional e estrangeiro, com o intuito de manipular ou usar informação privilegiada de ativos que estariam impedidos ou não queriam que o mercado soubesse que operavam.

Porém, a desconfiança dos procuradores da Lava Jato no Rio de Janeiro é de que a TAI funcionou como um “banco paralelo” que atuava como uma “instituição financeira que geria recursos de terceiros”, sem ter autorização legal para isso. Sendo assim, passava a falsa aparência para o mercado de que eram investidos recursos próprios, já que o real operador dos ativos era omitido.

O MPF informa que Eduardo Plass firmou acordo de colaboração premiada e vai pagar R$ 300 milhões em multa, além de devolver US$ 9,2 milhões de Eike que estão sob sua custódia no exterior.

Por meio de nota, o advogado de Eike Batista, Fernando Martins, informou que a prisão temporária do empresário foi decretada para que ele “fosse ouvido em sede policial sobre fatos supostamente ocorridos em 2013”, e que, segundo o advogado, se trata de uma prisão “sem embasamento legal”.
 
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Fernando Rizzolo

A Exclusão e o Pancadão

Uns anos atrás, escrevi um artigo sobre a repressão praticada pelos seguranças dentro dos shoppings centers em São Paulo, uma vez que não permitiam que grupos de jovens da periferia, que marcavam encontros chamados...

 
 
 
 
Sitevip Internet