Notícias / Logística

07/08/19 às 23:28 / Atualizada: 08/08/19 às 23:34

Sinfra fará licitação emergencial para reparar balsa do Rio Xingu que foi interditada pela Marinha (ver vídeo)

Para garantir condições de segurança do modal, a Sinfra realizará licitação emergencial para o reparo da estrutura, que é gerida dos índios por se localizar em área de reserva

Assessoria

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Sinfra fará licitação emergencial para reparar balsa do Rio Xingu que foi interditada pela Marinha (ver vídeo)

Foto: Assessoria

A balsa “Estradeiro I” e o rebocador “Estradeiro II”, utilizados no transporte sobre o rio Xingu, no município de São José do Xingu, foram retirados de operação por tempo indeterminado por não apresentarem condições seguras de trafegabilidade. A suspensão do funcionamento deve-se à falta de manutenção regular da estrutura por parte da comunidade da etnia Kayapó, que opera o modal.

Para dar uma solução à situação e regularizar a travesseia de carros, carretas e caminhões no prolongamento da MT-322, sobre o rio Xingu, a Secretaria de Estado de Infraestrutura e Logística (Sinfra), por meio da Adjunta de Concessões e Logística (Saloc), deu início a um levantamento das condições do modal para realização de uma licitação emergencial visando o reparo da balsa.

A decisão de interdição acontece dois meses após a realização de reunião, na sede da Sinfra, com cerca de 20 lideranças indígenas da etnia Kayapó, que se comprometeram a manter a operação do equipamento com horários regulares, preços fixos e em condições de segurança.

O encontrou contou com a presença de representantes da Fundação Nacional do Índio (Funai) e atendeu a uma solicitação do Ministério Público Federal (MPF) e da Marinha.

Porém, em inspeção no início de agosto, a Marinha do Brasil, por meio da Agência Fluvial de São Félix do Araguaia, detectou que a balsa e o rebocador continuavam sem “condições seguras para navegação e a salvaguarda da vida humana”, o que acarretou a decisão de parar o transporte.

A embarcação operada pelos kayapó, apesar de ser do Governo do Estado, está localizada a 42 quilômetros do município São José do Xingú na reserva indígena “Capot Jarina”, dentro do Parque Nacional do Xingu, no prolongamento da MT-322, que é responsabilidade do governo estadual. “O que queremos é que a balsa opere dentro das normas de segurança, que haja boias, coletes salva-vidas para os usuários, como determina a Marinha, com preços e horários fixados”, destacou o secretário adjunto de Concessões e Logística da Sinfra, Huggo Waterson.

Segundo o adjunto, desde a sua aquisição a balsa é administrada pelas aldeias indígenas locais, porque apesar de ser patrimônio e jurisdição do Estado de Mato Grosso, a travessia acontece dentro de área de reserva. “Há menos de três anos a Sinfra realizou, por meio de contratação da empresa Centro-Oeste Navegações LTDA, a reforma completa da estrutura de navegação, porém atualmente equipamento já está repleto de avarias e corre risco de afundar pela ausência de manutenção por parte dos indígenas. Chamamos as lideranças, conversamos e eles se comprometeram a resolver a questão, mas ainda não tomaram as providências, então o Estado vai intervir para atender satisfatoriamente a necessidade da população e as normas da Marinha”, disse.
Imprimir Enviar para um amigo

Vídeo Relacionado

comentar1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • por Kleber Peters, em 09/08/19 às 12:13

    Deixa eu ver se entendi. Vão gastar o nosso dinheiro para reparar a balsa que, quando operando, dará todo o recurso para os índios, que novamente vão se lixar para a manutenção, para daqui 3 anos gastarem nosso dinheiro para reformar a balsa novamente, para dar recurso para os índios, que vão se lixar para a manutenção... Achei que este era um site de notícias, não de humor, pois isto só pode ser piada.

 
 

veja maisArtigos

Paiva Netto

Hiroshima

Em 6 de agosto de 2019, precisamente às 8h15, completam-se 74 anos do lançamento da bomba atômica sobre Hiroshima, depois foi a vez de Nagasaki, também no Japão. Data que jamais será varrida das...

 
 
 
 
Sitevip Internet