Notícias / Meio Ambiente

29/07/19 às 16:09 / Atualizada: 29/07/19 às 16:25

Associação Terra Indígena do Xingu ganha prêmio da ONU

O trabalho com o mel realizado pela Associação (Atix) foi escolhido entre 800 organizações de 120 países. O Prêmio Equatorial é um importante reconhecimento de iniciativas que trabalham pelo desenvolvimento sustentável ao redor do mundo.

Isabel Harari, ISA

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Associação Terra Indígena do Xingu ganha prêmio da ONU

Apicultores indígenas manejando os enxames na aldeia Ngowere, dos Kisêdjê

Foto: Marcelo Martins, ISA

O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) anunciou ontem (29) os ganhadores do prêmio Equatorial 2017. Foram reconhecidas 15 iniciativas de comunidades indígenas e populações tradicionais da África, Ásia e América Latina que apresentam soluções inovadoras para o desenvolvimento de cadeias produtivas, combate à pobreza e às mudanças climáticas.

Hoje cerca de 100 apicultores de 39 aldeias dos povos Kawaiwete, Yudja, Kisêdjê e Ikpeng participam da produção de mel com certificação orgânica. A cada ano são comercializadas aproximadamente duas toneladas de mel.

 
Transparência da coleta à prateleira

O Mel dos Índios do Xingu tem o Selo Origens Brasil. A iniciativa, elaborada em parceria entre ISA o Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola (Imaflora) faz parte da estratégia de valorizar os produtos da floresta por meio de um dispositivo de rastreabilidade.

 
O trabalho, realizado em parceria com o ISA há quase duas décadas, já se consolidou como uma importante alternativa de geração de renda articulada com o modo de vida dos povos indígenas. A iniciativa tem como objetivo organizar e assegurar a segurança alimentar dos povos e canalizar os excedentes das produções para um mercado formalizado com responsabilidade social e ambiental.
O Mel dos Índios do Xingu é uma das maiores referência quando se fala em alternativa de renda compatível com os povos da floresta e agora passa a ser reconhecido internacionalmente. Na esteira desse processo, novas alternativas estão se fortalecendo, como a pimenta, o óleo de pequi e a meliponicultura.

Autocertificação, uma conquista do Xingu!

A certificação orgânica dos produtos sempre foi um desafio enorme para os povos do Xingu. A única alternativa era recorrer a sistemas de certificação auditados por empresas especializadas privadas. O alto custo e a burocracia que não levava em consideração as particularidades dos povos indígenas, dificultavam muito o processo.

Em 2015, a Atix se tornou a primeira associação indígena certificadora de produção orgânica. A associação foi credenciada pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), que é responsável pela normatização e fiscalização das regras da produção orgânica no Brasil. Assim, foi inaugurando o primeiro Sistema Participativo de Garantia (SPG) exclusivamente indígena do mundo. As normas prevêem a organização de uma estrutura de avaliação e verificação dos produtos pela própria comunidade, a fim certificá-lo conforme as regras da produção orgânica, fortalecendo o controle social e a transparência do processo.

O sistema participativo de garantia é uma importante política pública de acesso dos pequenos produtores à certificação orgânica. Mais do que a certificação do mel do Xingu, essa conquista possibilita que grupos de pequenos produtores de todo Brasil organizem-se para autocertificar seus produtos sem intermediação de certificadoras privadas.
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

José Sarney

São Luís em Dezembro

O sinos do Natal já podem ser ouvidos nos seus sons distantes Quando eu era menino e começava, em São Bento, a descobrir o mundo com suas belezas, a primeira coisa que me encantava era o campo verde, lindo tapete de capins:...

 
 
 
 
Sitevip Internet