Notícias / Política

16/07/19 às 19:13

UFMT: ministro vai à Justiça contra reitora por má administração; energia é restabelecida nos campi após corte

Wesley Santiago/Olhar Direto

Imprimir Enviar para um amigo
UFMT: ministro vai à Justiça contra reitora por má administração; energia é restabelecida nos campi após corte

Abraham Weintraub.

Foto: Wikipédia/Reprodução

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, anunciou – após tomar conhecimento do desligamento de energia elétrica na Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), por falta de pagamento – que irá tomar as medidas cabíveis tanto administrativas como judiciais para a responsabilização dos envolvidos pela má gestão na unidade. Além disto, anunciou medidas emergenciais para quitar a dívida de R$ 1,8 milhão.

Em nota, o Ministério da Educação (MEC) afirma que tomará medidas emergenciais para a religação imediata de energia elétrica nos quatro campi que compõem a Universidade. Além disto, pontua que Weintraub tomará as medidas cabíveis tanto administrativas como judiciais para a responsabilização dos envolvidos pela má gestão na UFMT.
 
“O ministro tomou conhecimento da situação na última quinta-feira (11) quando chamou a reitora ao Ministério e autorizou o repasse de R$ 4,5 milhões para que a reitoria da UFMT, nomeada há três anos, quitasse a dívida das contas de luz com a concessionária de Mato Grosso”, diz trecho da nota.
 
Ainda conforme o MEC, os valores, herdados no governo anterior, correspondem ao montante de R$ 1,8 milhão. A liberação do limite de empenho foi realizada na sexta-feira da semana passada com o compromisso da reitora para o pagamento imediato da referida dívida.

A reportagem tentou entrar em contato com a reitora, mas as ligações não foram atendidas.
 

Corte de energia
 
A energia elétrica na Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) foi cortada na manhã desta terça-feira (16), por falta de pagamento. No final do mês de junho, a concessionária Energisa havia dado um prazo para a regularização das contas. No último dia 5, a reitora Myrian Serra havia se reunido com o ministro da Educação, Abraham Weintraub para pedir dinheiro e evitar a suspensão, mas sem sucesso.
 
Por meio de nota, a assessoria de imprensa confirmou que houve o corte  de energia e que segue em negociações com a Energisa para o estabelecimento. No total, estão em abertas seis contas, sendo quatro de 2018 e duas de 2019. A UFMT realizará uma reunião no período da tarde e oportunamente se manifestará sobre seus resultados.
 

A unidade sofre com o corte de orçamento desde 2014, quando houve a redução da verba de custeio, relacionada às obras e equipamentos do Câmpus. No entanto, em março deste ano, o Governo Federal anunciou o bloqueio de 30% na educação superior, que representa R$ 34 milhões para a Universidade.
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Paiva Netto

Hiroshima

Em 6 de agosto de 2019, precisamente às 8h15, completam-se 74 anos do lançamento da bomba atômica sobre Hiroshima, depois foi a vez de Nagasaki, também no Japão. Data que jamais será varrida das...

 
 
 
 
Sitevip Internet