Notícias / Educação

13/07/19 às 08:02

Assembleia do Sintep nesta sexta (12) é unânime na continuidade da greve

Assessoria Sintep

Imprimir Enviar para um amigo
Com corte de salários e privados do direito a valorização profissional (Lei 510/2013), os trabalhadores da educação da rede estadual de Mato Grosso deliberaram pela continuidade da greve por unanimidade, na Assembleia da categoria, sexta-feira (12.07). O movimento paredista, conduzido pelo Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep-MT), registra 46 dias de paralisação. O objetivo é assegurar o cumprimento do direito, negado pelo governo Mauro Mendes.

O decisão foi baseada nas deliberações trazidas por delegados e delegadas das 15 regionais sindicais no estado. A resistência dos/das profissionais se mantém forte com mais de 65% dos educadores em greve. Rejeitaram o documento de conciliação/mediação do Tribunal de Justiça, apontando como insatisfatória a proposição de condicionar o salário cortado integralmente, restituído em duas parcelas, e ainda, sem nada de concreto para o cumprimento da Lei 510/2013. 

O corte dos salários e a justificativa do governo de parcelar o pagamento por falta de recursos em caixa será questionado na justiça. A assembleia deliberou por denunciar o governo por ato de improbidade. “Os recursos da educação não podem ser utilizados para outra finalidade conforme determina a Lei de Diretrizes e Base”, esclareceu o presidente do Sintep/MT, Valdeir Pereira. 

A plenária aprovou também uma agenda de mobilização para a próxima semana. Nela estão a continuidade do acampamento na Assembleia Legislativa, para reafirmar a necessidade dos parlamentares cobrarem respeito do governo, àquela Casa de Leis, já que a proposta de mediação construída pelos deputados foi ignorada. “A proposta constatou o aumento da arrecadação do estado e desmonta as manobras feitas pelo governo para alegar inviabilidade no cumprimento da Lei 510/2013. Propuseram ainda, que com o aumento de caixa, fosse fracionado o percentual da Lei até a próxima data base, em maio de 2020”, ressaltou Valdeir.

Para além do legislativo, a assembleia dos educadores aprovou o registro de Boletim de Ocorrência nas delegacias com pedido de indenização por danos morais e materiais. 

Para a próxima semana, já está agendado um Ato Público no Centro Político Administrativo, com participação de educadores de todo o estado.

Passeata


A Assembleia Geral finalizou com uma passeata pelas ruas do centro de Cuiabá. Os manifestantes esclareceram à população, trabalhadores e lojistas sobre o prejuízo promovido pelo governo, com o corte dos salários e também deixar milhares de estudantes fora da escola. “Educação Pública nunca foi prioridade do governo Mauro Mendes”, reafirmaram.    
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Evandro Carlos

Mauro Mendes, seu plano era “iludir”? Que pena, o meu era te fazer feliz!!!

A música Milu, do cantor mineiro Gustavo Lima, é um dos grandes hits da musica nacional da atualidade, nela o interprete conta a historia de alguém que vive iludido, lembrando que quem cai uma vez, cai três, mas que ele...

 
 
 
 
Sitevip Internet