Notícias / Educação

26/06/19 às 08:02

Audiência com governo não avança em propostas para encerrar a greve

Assessoria

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Audiência com governo não avança em propostas para encerrar a greve

Foto: Assessoria

O Sindicato dos Trabalhadores na Ensino Público de Mato Grosso (Sintep-MT) encerra reunião com o governo, nesta terça-feira (25.06) sem proposta para apresentar para categoria, que avance nas reivindicações elementares. O relato apresentado pelo governo insiste em protelar o cumprimento da Lei 510/2013, o que leva ao desmonte de direitos. E joga para a decisão judicial, o pagamento dos salários cortados durante o período de luta dos profissionais por cumprimento das Leis. 

“O que termina greve é proposta”, reafirma o presidente do Sintep/MT, Valdeir Pereira, após as duas horas de reunião, das quais o que foi apresentado, não atende as expectativas da categoria. As pautas fundamentais para manter a conquista da Lei 510/2013, fruto da greve de 67, de 2013, continua fora das projeções do governo. “Tivemos nessa reunião a presença do vice-governador, Otaviano Pivetta, que junto com a secretária de estado de Educação, Marioneide Kliemaschewsk, registraram as cobranças, ficando de apresentar uma documento com as respostas aos questionamentos, até sexta-feira”, informou o presidente.

No início da reunião os secretários da Casa Civil, Mauro Carvalho, e o do Planejamento e Gestão, Basílio Bezerra Guimarães, insistiram em considerar avanço a efetivação de direitos já conquistados, que no entanto não estavam sendo executados pelos governos. “Por mais que sejam pontos favoráveis não atendem o fundamental para a categoria”, esclarece Pereira.
 
Apresentaram a convocação de cerca de 680 aprovados no concurso de 2017, diante de um universo estimado em 6 mil vagas existentes; pagamento de direitos trabalhista, como 1/3 de férias aos contratados; liberação de qualificação, além de infraestrutura, já citadas anteriormente, conforme cobrança do Ministério Público Estadual, atendendo a cerca de 43 unidades escolares de Cuiabá e Várzea Grande, apenas.

A mobilização dos profissionais da educação da rede estadual continua dentro da agenda aprovada na Assembleia Geral, até a próxima semana, quando nova assembleia será realizada para a reavaliação do movimento ou de proposta encaminhada.
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Dr. Rosário Casalenuovo Júnior

Queimada e tempo seco não são os agentes principais das doenças respiratórias

As clínicas de otorrinolaringologista e pneumologia ficam cheias nesta época do ano. Crianças e idosos sofrem para dormir, principalmente devido à baixa resistência do organismo, fato que provoca com facilidade...

 
 
 
 
Sitevip Internet