Notícias / Agricultura

19/06/19 às 15:13

Soja: produtor gaúcho registra produtividade de quase 124 sacas por hectare

Vale ressaltar que o estado foi um dos poucos no país a registrar forte aumento da produção na última safra. Média do sojicultor representa mais do que o dobro nacional

Daniel Popov, de São Paulo / Canal Rural

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Soja: produtor gaúcho registra produtividade de quase 124 sacas por hectare

Mauricio De Bortoli

Foto: Facebook

O Rio Grande do Sul foi o estado que mais cresceu na produção de soja na última safra, 2018/2019, mesmo tendo enfrentado problemas com o clima adverso. Segundo dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), os gaúchos colheram 12% a mais, ultrapassando o Paraná, se tornando o segundo maior produtor nacional do grão. Se o estado teve tão bom desempenho assim, teve produtor que conquistou um resultado ainda melhor.
 
O município de Cruz Alta é o quarto maior produtor de soja do estado, segundo dados do IBGE, mas o agricultor Maurício de Bortoli elevou o status da região. Isso porque ele conseguiu a façanha de colher 123,88 sacas de soja por hectare na média, bem acima das 59 sacas de média do município , ou as 53,4 sacas do país.

Com este resultado Bortoli se sagrou campeão da 11ª edição do Desafio de Máxima Produtividade de Soja, organizado pelo Comitê Estratégico Soja Brasil (Cesb). Esta também foi a primeira vez que o vencedor é de áreas irrigadas.

Para conseguir alta produtividade, Bortoli revela que investiu no manejo agronômico, com a escolha de uma cultivar com características genéticas e fisiológicas compatíveis com o solo e com o clima do local onde fez o plantio. ?Como sou produtor de sementes, tive um cuidado e atenção no controle de pragas e doenças que pudessem impactar em redução da produtividade e da qualidade do produto final?, afirma o campeão.
 
O produtor gaúcho relata que enfrentou dificuldades com o clima, com chuvas fortes entre outubro e novembro de 2018, o que causou prejuízos ao solo e atraso na semeadura. Logo após veio a falta de chuvas em dezembro e em fevereiro, com a estiagem chegando até a 23 dias.


Foto: Mauricio De Bortoli (Facebook) – à esq.

Todos os campeões

O atual campeão é o 4º maior da história do concurso e o segundo gaúcho seguido a conquistar o título. Até a safra 2016/2017 nenhum produtor do Rio Grande do Sul havia se sagrado vencedor nacional. Os maiores vencedores ainda são os paranaenses, com cinco conquistas. São Paulo (1) e Bahia (2) são os outros estados com ganhadores.


Campeões regionais

O segundo lugar e o título de maior produtor em uma área não irrigada foram também para o Rio Grande do Sul. A propriedade da Família Tolotti, da cidade de Erval Seco, conseguiu colher 123,50 sc/ha, se consagrando ainda como a campeã da categoria sequeiro na região Sul.
 
Rafael Tolotti, da família vice-campeã, explica que seguiu todos os fatores que levam ao sucesso da produção, como uma cobertura do solo, semente de qualidade, semeadura na hora certa, boa plantabilidade, manejo de doenças e pragas. “Quando apenas um dos fatores não sai como o planejado, há perdas significativas”, alerta.

Já o campeão da categoria sequeira na Região Sudeste foi Matheus Grossi Terceiro, da cidade de Patrocínio (MG). Ele colheu 110,45 sc/ha. Para chegar a esse patamar de produtividade, o produtor também teve de enfrentar desafios como a instabilidade do clima, que foi o grande vilão da safra 2018/2019 da soja.

“No começo do ciclo houve períodos com grandes volumes de água e vários dias nublados, com baixa luminosidade, prejudicando o crescimento vegetativo da planta. No período da colheita ocorreram chuvas, que prejudicaram a qualidade (peso e sanidade) dos grãos”, afirma.

Na região Centro-Oeste, categoria sequeiro, o grupo Fazenda Reunidas, de Rio Verde (GO), se consagrou campeão, com a produção de 108,74 sc/ha. Alexandre Baungart, CEO do grupo, revela que o preparo do solo fez a diferença para conquistar esse alto índice de produtividade.
 
“Para reestruturar o solo e realizar o aporte de matéria orgânica foi plantado [capim] panicum nas últimas três safras e milho safrinha em 2018. Esse capim possibilitou a entrada de boi na sequência, aumentando a performance do uso da terra”, conta.

O Estado da Bahia trouxe o campeão da categoria sequeiro na região Norte-Nordeste. Com 96,86 sc/ha, João Gorgen se destacou naquela parte do País. O produtor costuma fazer as alternâncias de safras utilizando o milho Santa Fé a cada quatro safras e o milheto no período pós soja. “Temos o algodão no sistema também, que favorece o aumento de fertilidade dos nossos solos”, diz.

O presidente do Cesb Sologuren, Leonardo destaca o fato de a soja estar sendo plantada em todas as regiões do País, demonstrando a adaptabilidade do grão aos solos brasileiros. Isso ficou evidente nas inscrições do Desafio 2018/2019, em que o Comitê atingiu 11,5% das áreas plantadas de soja do Brasil – o que representa 4,14 milhões de hectares. O Brasil conta com cerca de 36 milhões de hectares cultivados com a oleaginosa.

“Assim auxiliamos para que a produtividade de soja cresça no País, sempre oferecendo aos sojicultores informações de como fazer com que suas áreas sejam mais produtivas e mais rentáveis”, afirma.
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Fernando Rizzolo

A Exclusão e o Pancadão

Uns anos atrás, escrevi um artigo sobre a repressão praticada pelos seguranças dentro dos shoppings centers em São Paulo, uma vez que não permitiam que grupos de jovens da periferia, que marcavam encontros chamados...

 
 
 
 
Sitevip Internet