Notícias / Agricultura

18/06/19 às 15:12 / Atualizada: 18/06/19 às 15:25

Subvenção do seguro rural cobriu apenas 10% da demanda na safra 2018/2019

Os cálculos são da Confederação Nacional da Agricultura (CNA), que estimou a demanda total em R$ 4,1 bilhões

Bruno Cirillo

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Subvenção do seguro rural cobriu apenas 10% da demanda na safra 2018/2019

Considerada uma prioridade na atual política agrícola, a subvenção ao seguro rural terá R$ 1 bilhão na safra 2019/2020, quase três vezes mais do que a média dos últimos anos, segundo o Ministério da Agricultura

Foto: Marcos Camargo

O ex-presidente da Associação dos Produtores de Soja e Milho do Mato Grosso (Aprosoja-MT) Endrigo Dalcin decidiu contratar o seguro rural no período de 2015/2016, após perder uma safra em função da seca. Desde então, o produtor de Nova Xavantina (MT) gasta cerca de 10% do seu custo de produção para garantir o resultado das lavouras de soja, que ocupam 4,9 mil hectares neste ano. “Metade da produção está segurada. Ainda que a gente encare o seguro como um aumento de custo, temos evitado perdas com veranicos nas áreas de maior risco”, ele conta.

Considerada uma prioridade na atual política agrícola, a subvenção ao seguro rural terá R$ 1 bilhão na safra 2019/2020, quase três vezes mais do que a média dos últimos anos, segundo o Ministério da Agricultura. O orçamento prevê a cobertura de 15,6 milhões de hectares e R$ 42 bilhões em valor da produção agrícola, triplicando o alcance do Programa de Seguro Rural (PSG). “Queremos suprir uma demanda reprimida, de produtores que não buscam seguro ou seguradoras que param de vender apólices porque não têm acesso à subvenção”, afirma o diretor de Gestão de Risco do Mapa, Pedro Loyola.

A demanda total pelas subvenções — diferença paga pelo governo na contratação do seguro — chega a R$ 4,1 bilhões, de acordo com um estudo recente da Confederação Nacional da Agricultura (CNA). “O cobertor da política agrícola é curto, mas o seguro precisa ser priorizado”, diz o vice-presidente da entidade, José Mário Schreiner. “A preocupação maior é sempre com restrições no orçamento”, diz ele. Além de R$ 440 milhões previstos para subvenções do crédito rural na safra 2018/209 cobrirem apenas 10% da demanda estimada pela CNA, as liberações efetivas somaram R$ 370 milhões.

Com o aumento dos riscos climáticos, a procura por seguro tem crescido de maneira exponencial. No Sicred, por exemplo, cooperativa financeira de produtores com mais de 4 milhões de associados, a demanda aumentou 70% no primeiro trimestre de 2019, em relação ao mesmo período do ano anterior. “Dez anos atrás, o clima era mais estável”, explica o diretor de Crédito do grupo, Gustavo Freitas. “O que tem acontecido é uma maior conscientização para a importância do seguro.”
 
seguro rural (Foto: Divulgação)Seguro rural (Foto: Divulgação)
 
Sócio do Sicred, o produtor Vitor Ardom contratou o seguro subvencionado para uma nova plantação de 110 hectares de trigo neste ano. Sua família, que tem 1,1 mil hectares de soja e milho na região de Ponta Grossa (PR), protege dessa forma o resultado das lavouras em todas as safras. “Ano passado tivemos problema com seca e tivemos que acionar o seguro pra soja e pra milho. Ficou um mês sem chover na região. Com o seguro, conseguimos pagar o custeio e uma parte do arredamento”, conta Ardom.

Roubo de gado

Uma das novidades da política agrícola nesta safra é a inclusão da pecuária no rol das subvenções. Produtores de carne, hoje em dia, não têm acesso ao seguro subsidiado pelo governo. No Sicoob, cooperativa com 400 mil associados e que movimenta R$ 4 bilhões por ano no financiamento à pecuária, a demanda por seguro é significativa. “Como o seguro-pecuária é muito ruim no país, boa parte do nosso negócio não está protegido”, conta o gerente de Agronegócios do grupo, Raphael Silva Santana. “O principal problema nas fazendas é o roubo de animais, e as apólices disponíveis no mercado não cobrem isso”, observa.

Os especialistas observam que as subvenções públicas ditam o ritmo de contratação de seguro no Brasil. A expectativa é de que os estímulos atraiam mais investimentos privados para esse mercado. “É um segmento de alto risco. Os prêmios são muito altos por causa do custo operacional. A subvenção é essencial para tornar possível a contratação”, afirma Loyola, do Mapa. “Com o seguro rural avançando, a partir do aumento das subvenções, o mercado fica mais atraente para investidores privados, por causa da mitigação de riscos do setor”, acrescenta Schreiner, da CNA.

Atualmente, as subvenções cobrem 35% do crédito oferecido ao produtor, enquanto 65% são financiados por instituições privadas, de acordo com os estudos da entidade. Esse índice de subvenções já chegou a ser de 60% no Brasil. A percepção do setor é de que o seguro deve ser priorizado como política de crédito, a longo prazo, para alcançar mais produtores com prêmios menores.

Responsável pela emissão de praticamente metade do volume total de apólices de seguro rural no País, o Banco do Brasil preferiu não se manifestar até o lançamento do Plano Safra nesta terça-feira (18).
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Dr. Rosário Casalenuovo Júnior

Queimada e tempo seco não são os agentes principais das doenças respiratórias

As clínicas de otorrinolaringologista e pneumologia ficam cheias nesta época do ano. Crianças e idosos sofrem para dormir, principalmente devido à baixa resistência do organismo, fato que provoca com facilidade...

 
 
 
 
Sitevip Internet