Notícias / Água Boa

18/06/19 às 09:43

Sicredi libera R$ 40,6 milhões em crédito para projetos de energia solar

Carteira de crédito dos financiamentos para esta finalidade cresceu 2.329% no período de um ano na região Centro Norte

Ícone Assessoria

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Sicredi libera R$ 40,6 milhões em crédito  para projetos de energia solar

Foto: Assessoria

Produção de energia sustentável é tendência em todo o mundo e os investimentos nos projetos de mini e microgeração energética tornam-se cada vez mais numerosos. Em busca de economia, pessoas físicas, empresas e produtores rurais investem na geração energética por fonte solar e têm retorno garantido. Prova desse crescente movimento, o Sicredi registra aumento de 2.329% no saldo da carteira de crédito destinada ao financiamento de projetos de energia solar na região Centro Norte, que abrange os estados de Mato Grosso, Rondônia, Pará e Acre, no período de um ano. Em março deste ano, a carteira totalizou R$ 40,602 milhões, contra R$ 1,671 milhão no mesmo mês de 2018.
 
Dentro desses R$ 40,602 milhões, as empresas contrataram R$ 27,526 milhões (67,8%), as pessoas físicas urbanas contrataram R$ 7,274 milhões (18%) e os produtores rurais R$ 5,802 milhões (14,2%). O saldo registrado em carteira corresponde a 567 operações, contratadas por associados que viram a oportunidade de investir em um projeto energético que trará economia ao longo de pelo menos 20 anos.
 
Para o gerente de Ciclo de Crédito da Central Sicredi Centro Norte, Fábio Antunes, o expressivo crescimento registrado na carteira de crédito para o financiamento de projetos de energia solar é explicado pelo interesse em economizar, seja por parte das empresas, domicílios ou fazendas. “A energia solar é uma tendência e daqui pra frente a perspectiva é só aumentar e o Sicredi está à disposição dos associados para financiar esses projetos com taxas justas”, diz ele ao acrescentar que a instituição financeira cooperativa também firmou parcerias com entidades representativas de setores empresariais para fomentar a divulgação da linha de crédito. Uma das parcerias é com a Federação das Indústrias de Mato Grosso, no Programa de Energia Sustentável da Indústria (Pesi).
 
Antunes acrescenta que as cooperativas também realizam campanhas para divulgação da linha de crédito e oferecem condições especiais na contratação. Ele ressalta que o valor emprestado depende do projeto de energia solar que ele vai instalar. Nessas operações, a taxa de juros média é de 1,16% ao mês com prazo de pagamento de até 120 meses.
 
A possibilidade de uma redução significativa nos custos com energia foi o que motivou o produtor rural Francisco Rizzon, 54, de Tangará da Serra, a investir em um projeto foltovoltaico para geração de energia.  Há 10 anos ele cria cerca de 100 mil frangos na propriedade, que fornece as aves à Seara alimentos (do Grupo JBS). Investiu R$ 300 mil no projeto para instalação de placas sobre o barracão, que já estão gerando energia para os aviários, a residência dele e a do funcionário que mora na fazenda. Antes do projeto de energia solar o produtor tinha um gasto mensal de energia entre R$ 5 mil e R$ 6 mil. Agora zerou e o valor que antes usava para pagar a conta de luz ele custeia o financiamento. “Quando deixar de pagar a financiamento, pensa no dinheiro que vou economizar! Vai servir como uma aposentadoria”.
 
A redução na conta mensal também foi o principal incentivador do empresário do setor hoteleiro Everaldo Almeida, 59, também de Tangará da Serra. Há 15 anos na atividade, ele destaca o fato de Mato Grosso “ter um sol abençoado” e a possibilidade de reduzir o custo de energia do empreendimento foram os principais atrativos, porque segundo ele, já não tem mais como aumentar o valor das diárias para compensar o aumento das despesas.
 
Para ele, energia solar significa redução de custo e sustentabilidade. São 140 placas de energia com dois reversores e um transformador para uma produção de 5.900 kva mês frente a um consumo de 5.100 kva. “Diante dessa sobra, pretendo comprar alguns equipamentos para o hotel. O investimento foi financiado 100% pelo Sicredi no valor de R$ 225 mil, que será pago em 50 meses”. Ele terá retorno do investimento em 42 meses. Pagava de R$ 6 mil a R$ 7 mil de energia e agora paga R$ 5,4 mil de financiamento. “Não adquiri despesa, só troquei o investimento”.
 
Energia solar é, sem dúvida, um negócio promissor no Brasil e também em Mato Grosso, onde faz sol praticamente o ano todo. Visando esse nicho de mercado, o empresário Alexandre Sperafico, que desde 2014 atua no setor e no ano passado fundou uma empresa (Enerzee) de instalação de projetos de geração de energia solar para residências, empresas e propriedades rurais. “As pessoas e empresas estão preocupadas com o planeta e a energia solar é uma fonte praticamente inesgotável. Daqui a poucos anos teremos muita geração por essa fonte, com produção de energia sustentável. Nossa missão é oferecer soluções aos clientes com tecnologia e eficiência”, diz ao informar que o investimento é acessível e o valor depende do projeto, mas que o retorno vem em menos de cinco anos, e o sistema tem mais 25 anos de vida útil.
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Telma Cenira Couto da Silva

As mulheres da minha vida

Thomires era o nome da minha avó paterna.  Descendente de franceses, tinha a pele muito alva e os olhos azuis claros, que lembravam o mar. O louro esbranquiçado do seu cabelo remetia-me aos das minhas bonecas. Adorava admirar o...

 
 
 
 
Sitevip Internet