Notícias / Agricultura

13/06/19 às 10:45 / Atualizada: 13/06/19 às 11:05

Milho e algodão garantem novo recorde a MT

Marianna Peres, Diário de Cuiabá

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Milho e algodão garantem novo recorde a MT

Foto: Divulgação

Mato Grosso deverá colher na safra atual – 2018/19 – seu novo recorde de produção agrícola, graças aos volumes projetados para o milho safrinha e o algodão. Conforme mais um levantamento de safra realizado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) – o 9º dessa temporada – a projeção de 66,36 milhões de toneladas (t) vai se consolidando e deve impor um crescimento de 7,5% sobre o recorde anterior de 61,71 milhões t. Com mais esse resultado, o Estado se consolida como o maior produtor nacional de grãos e fibras, agora, pela oitava vez consecutiva.

Além de manter o gigantismo, Mato Grosso amplia sua participação na produção nacional, respondendo sozinho por quase 28% de tudo que será colhido nessa safra, que segundo a Companhia deve somar 238,90 milhões t ao País, sendo esse, volume também recorde. Ainda sob a ótica da pujança estadual, além de ser o maior produtor do Brasil, Mato Grosso exibe o maior percentual de expansão anual entre os grandes produtores brasileiros (+7,5%). Na segunda e terceira posição do ranking, estão o Paraná com previsão de 36,31 milhões t e crescimento anual de 3,8%, e, o Rio Grande do Sul com previsão de 35,17 milhões t, crescimento de 5,7% sobre o ciclo anterior. No Brasil, por exemplo, a variação anual é positiva em 4,9%.

Apesar do peso que a soja tem na oferta mato-grossense, volume que corresponde a cerca de 50% de tudo que será produzido, o milho e o algodão têm participação decisiva na conquista de mais um recorde de produção. A pluma vai consolidando dados históricos no Estado com a maior área plantada da série, bem como da maior oferta. A área plantada foi ampliada em 38,3%, saindo de 777,8 mil hectares para 1,07 milhão de hectares (ha). A produção – em pleno desenvolvimento no campo e já às vésperas da colheita – deve somar mais 1,76 milhão t de pluma, maior volume já visto. Se confirmado será 36,8% maior que a colheita de 1,29 milhão t da temporada passada. No caso especifico da fibra, é a segunda safra de crescimento histórico no Estado.

Conforme avaliação dos técnicos e analistas da Conab, “diante do bom desempenho das cotações da pluma, os produtores nacionais investiram no cultivo de algodão nesta safra, ocorrendo incrementos recordes na área plantada. Além do aumento de área em regiões onde tradicionalmente se cultivava algodão, ocorreu forte incorporação de áreas ao processo produtivo”. “Fatores como clima favorável, taxa de câmbio, redução dos níveis de estoques internacionais, evolução dos preços nas principais praças produtoras e o bom ritmo das exportações, contribuirão para que esse quadro se consolide”, completam.

Quase todos os estados produtores de algodão no país apresentaram incremento em área plantada nesta safra, comparada à temporada anterior. Nesse crescimento se destacam o Mato Grosso e a Bahia que, juntos, dispõem de mais de 88% da área estimada para a cotonicultura em 2018/19.

Enquanto a expansão do algodão chama à atenção na agricultura estadual, o ganho em volume garantido pelo milho safrinha. A oferta recorde, estimada em mais de 30 milhões t, resulta do ganho em produtividade, já que a área plantada aumentou 8% e a produção quase duas vezes mais: 14,9%.

Conforme dados atualizado pelo nono levantamento da Conab, o milho safrinha passa de 26,20 milhões t para 30,09 milhões t. A área plantada passou de 4.47 milhões ha para 4,82 milhões, superfície também inédita. O ‘pulo do gato’ do milho mato-grossense está calcado no incremento da produtividade – que aliada ao clima favorável e aos investimentos em tecnologia – em 6,3%, já que na safra passada a média por hectare colhido foi de 5,8 mil quilos e para a o milho em plena colheita é de 6,2 mil quilos.

Os técnicos da Companhia destacam que a área de milho segunda safra foi bastante estimulada pela antecipação da colheita da soja e pela possibilidade do aproveitamento integral da janela climática, criando a expectativa de bons rendimentos na lavoura. Essa realidade de fato pesou positivamente sobre a tomada de decisão do produtor mato-grossense que conseguiu finalizar a área semeada dentro da janela, ou seja, antes do final de fevereiro.

“O forte aumento na área plantada e a expectativa positiva na produção deverão estabelecer novos recordes nacionais, contribuindo para que a produção, englobando a primeira e segunda safras, se transforme na segunda maior safra do cereal produzida no país. A produção total de milho deverá atingir 97 milhões t, representando um aumento de 20,2% em relação à temporada passada, comprometida por problemas climáticos na segunda safra”.

Sem perder sua importância, a soja segue sendo o carro-chefe da produção estadual. Das mais de 66 milhões t esperadas para o atual ciclo, 32,45 milhões t serão apenas do grão. O avanço anual na produção é de 0,5%, apesar de pequeno, foi o suficiente para garantir novo recorde na oferta da oleaginosa. A produção saiu de 32,30 milhões t para 32,45 milhões t. A área coberta cresceu 1,9%, saindo de 9,51 milhões ha para 9,69 milhões. A oferta se soja só não foi melhor porque a produtividade recuou 1,9%.

“A soja é um produto com forte liquidez, que tem proporcionado um quadro de suporte dos preços no âmbito interno, reforçando a aposta anual dos produtores no incremento de área para esse produto. O produtor tem incrementado o uso de tecnologia a fim de aumentar a produtividade e, dessa forma, melhorar sua rentabilidade. Assim, a produtividade nacional da soja saltou de 2.823 kg/ha na safra 2006/07, para 3.206 kg/ ha na safra 2018/19, um salto de 13,6%. Nesta safra, a estimativa é de redução na produtividade, ocasionada por adversidades climáticas em importantes estados produtores, como Mato Grosso do Sul, Goiás, São Paulo e Paraná, quando comparada à excelente produtividade da safra passada. Ainda assim, as lavouras com espécies de ciclo médio e tardio foram menos impactadas por essas intempéries climáticas e isso suavizou a previsão de diminuição do rendimento médio”, explicam os analistas.

Neste levantamento, a estimativa é que a produção nacional atinja 114,8 milhões de toneladas. Quando comparada à safra passada, que foi recorde, é inferior em 3,7%, ainda sendo a segunda maior safra de soja da série histórica da Conab.
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Telma Cenira Couto da Silva

Considerações sobre o eclipse solar parcial de 2 de julho

Só por curiosidade, estou enviando a figura que fornece/forneceu  a informação COMPLETA sobre o eclipse solar de 2 de julho último. Acima, à esquerda há um marcador com o sinal + que aumenta o mapa...

 

Enquete

Você é a favor ou contra a greve dos professores de MT

 
 
 
Sitevip Internet