Notícias / Justiça

05/06/19 às 09:09 / Atualizada: 05/06/19 às 09:27

Juíza manda igreja devolver área ao Estado avaliada em R$ 7,3 milhões

Terreno em frente ao shopping Pantanal foi doado na gestão de Silval Barbosa

Rodivaldo Ribeiro, Folha Max

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
A juíza Célia Regina Vidotti, da Vara Especializada Ação Civil Pública e Ação Popular, determinou cumprimento de sentença obrigando a Igreja Assembleia de Deus Nova Aliança (ADNA) à devolução de uma área total de 11.350 m², localizada em frente ao Shopping Pantanal e avaliada em mais de R$ 7,3 milhões, ao governo do Estado. O primeiro passo é a realização de uma nova avaliação.

A decisão é do fim de maio e foi publicada nesta segunda-feira (03). O terreno fora doado em alguns dos últimos atos assinados pelo ex-governador Silval Barbosa e teve intermediação do então conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE), Humberto Bosaipo, então pastor da associação.

 
O termo de permissão de uso foi publicado na última edição do Diário Oficial de 2014. Desde o início daquele ano, entretanto, o Ministério Público Estadual (MPE) e a Controladoria Geral do Estado (CGE) já emitiam pareceres e recomendações contra a procedência legal do ato.

Em agosto, a mesma Vidotti declarara como absolutamente nula o direito da ADNA construir seu complexo pentecostal ali. Ao longo de cinco anos, sempre com intercessão de Bosaipo, Silval doou 21 terrenos a congregações dessa vertente, mas a maioria à Nova Aliança, da qual também era membro.

Apesar da decisão judicial, dos laudos dos órgãos de controle, a ADNA nunca sinalizou com devolução. Pelo contrário, os advogados conseguiram nada menos que 13 suspensões do processo. A última, no dia 15 de março deste ano, por 60 dias.

“Este processo estava suspenso, a pedido do Estado de Mato Grosso, para que fosse elaborada nova minuta de acordo, no intuito de regularizar a ocupação do imóvel pela requerida Igreja Evangélica Assembleia de Deus Nova Aliança. O prazo da suspensão já decorreu e ainda não foi apresentada a nova proposta. Neste sentido, considerando o que já foi consignado nas decisões anteriores, notadamente no intuito de resguardar o interesse primário quanto à destinação dos bens públicos e o patrimônio do Estado de Mato Grosso, entendo pertinente a realização de avaliação judicial do imóvel localizado na Avenida Juliano Costa Marques, quadra 03, lote 02, setor B, Centro Político Administrativo, com área total de 11.350,00 m². Para tanto, nomeio perito o sr. Willian Tadeu Pereira, CRECI 4143, endereço eletrônico willrepresentacoesmt@hotmail.com. Intime-se o sr. perito a apresentar, no prazo de cinco (05) dias, seu currículo, comprovando sua especialização, bem como proposta de honorários”, escreveu a magistrada na decisão mais recente.

IGREJAS X ESTADO

Na mira do MP e CGE desde 2012, as doações incessantes de áreas públicas ao usufruto de igrejas pentecostais sempre tiveram suas investigações caminhando a passos lentos. Exemplo é uma investigação cujo cerne eram possíveis irregularidades na negociação de convênios entre a Secretaria de Estado de Cidades (Secid) e as evangélicas iniciada em 2012 envolvendo R$ 1,150 milhão.

Parou por quatro anos e só foi retomada em maio de 2016, por meio de uma portaria de instauração de inquérito emitida pela 13ª Promotoria de Defesa do Patrimônio Público e da Probidade Administrativa e assinada pelo promotor de Justiça Roberto Turin.

A doação da área citada no início do texto foi regulamentada por meio da lei número 10.246, de 31 de dezembro de 2014. O texto previa a construção de prédios para ministério de cursos variados, de bacharelado em teologia à homeopatia, locução e fotografia, até teatro, dança e coral.

Na época, a avaliação foi realizada pela extinta Secretaria de Estado de Administração. Nela, foi estabelecido o valor de R$ 7.361.837,00, de acordo com o laudo número 230/2014/SAOP, constante do Processo número 199705/2014/SAD relativo a terreno localizado na Avenida Juliano Costa Marques, Quadra nº 03, Lote 02, Setor B, Centro Político Administrativo.

O MPE informara, em 2016, a existência de 56 Termos de Permissões de Uso de Bem Imóvel Público firmados pelo ex-governador Silval Barbosa. O prazo variava entre os 20 e os 60 anos, sempre com direito à renovação.
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Welyda Cristina de Carvalho

Ampliação da produção já depende de ferrovias

Todo ano, empresários do setor, produtores e governos têm dificuldade de criar condições para transportar grãos Uma nova safra recorde de milho e algodão começou a ser colhida e deve avançar...

 
 
 
 
Sitevip Internet