Notícias / Agricultura

03/06/19 às 22:56 / Atualizada: 03/06/19 às 23:11

Pedido de Socorro - Entre a fome e a miséria, índios xavantes pedem permissão para plantar

Caciques relatam mortes por desnutrição e pedem auxílio do governo federal, temendo que a situação leve à extinção da etnia

Pedro Silvestre, de Poxoréu (MT) / Canal Rural

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Pedido de Socorro -  Entre a fome e a miséria, índios xavantes pedem permissão para plantar

Índios xavantes cozinham no chão da aldeia.

Foto: Pedro Silvestre/Canal Rural

A reserva Sangradouro, no leste de Mato Grosso, tem 130 mil hectares espalhados por quatro municípios. São, aproximadamente, 60 aldeias ocupadas por 2.700 indígenas da etnia Xavante. A maioria vive em situação de extrema pobreza.
 
“Estão comendo farinha com água. Muitos morrem por diabetes, anemia e alcoolismo. Se não tiverem a subsistência própria, vão deixar de existir”, lamenta o coordenador de Assuntos Indígenas Xavante, Aguinaldo Pereira dos Santos. Para ele, a saída está na agricultura. “Plantar três mil hectares não vai acabar com a cultura indígena, não. Eles terão dignidade, escola e alimentação boas”, defende.

Segundo o cacique Bartolomeu Partira Pronhopa, já houve uma tentativa no passado, mas a polêmica em torno do tema pôs fim aos planos. “Tem algumas ONGs que são boas, que nos apoiam na agricultura, cultura, educação e saúde, mas não são todas. Tem umas que querem a gente debaixo das asas deles. Eles continuam a vida bela na cidade e o índio passa fome”, relata.

O choro da pequena Bianca, de apenas um ano e quatro meses, é de fome. “O sentimento é de dor, por não ter o que dar para ela de manhã”, conta o pai da criança, Umirtes Uwajess Ajawe.
 
A cacique Cecília Reuvweio prepara uma anta para ser dividida entre várias famílias. A caça é insuficiente para matar a fome de todos. “Não vai nem durar. A gente vai cortando os pedacinhos, para cada um”, diz. O pai dela foi um dos muitos mortos pela desnutrição. “Foi recente, e o sentimento de perder o pai desta forma é de muita dor. Se a gente tivesse comida ele com certeza não teria morrido”, afirma.

Diante da miséria e da fome que assombram as aldeias, o cacique Alexandre Ctsereptsé faz um apelo ao governo federal: “Tem que mandar 50 máquinas para o Sangradouro, para desmatar, gradear, plantar soja, arroz e todo o alimento. Só isso vai salvar o povo Xavante”, afirma.

Santos afirma que está se reunindo com os caciques para fazer uma ata. Depois, a ideia é realizar um referendo em todo o Sangradouro, para que seja dada entrada no Ministério Público e na Fundação Nacional do Índio (Funai). “Temos um exemplo fácil: há dez anos os índios Paresi estavam nas mesmas condições dos Xavantes. Hoje, eles são exemplo para o Brasil”, conta.

Ver o vídeo da reportagem abaixo>>>

 
  • Pedido de Socorro -  Entre a fome e a miséria, índios xavantes pedem permissão para plantar
  • Pedido de Socorro -  Entre a fome e a miséria, índios xavantes pedem permissão para plantar
  • Pedido de Socorro -  Entre a fome e a miséria, índios xavantes pedem permissão para plantar
  • Pedido de Socorro -  Entre a fome e a miséria, índios xavantes pedem permissão para plantar
Imprimir Enviar para um amigo

Vídeo Relacionado

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

José Sarney

São Luís em Dezembro

O sinos do Natal já podem ser ouvidos nos seus sons distantes Quando eu era menino e começava, em São Bento, a descobrir o mundo com suas belezas, a primeira coisa que me encantava era o campo verde, lindo tapete de capins:...

 
 
 
 
Sitevip Internet