Notícias / Justiça

01/06/19 às 14:59 / Atualizada: 01/06/19 às 15:08

Proteção dos Animais - Liminar proíbe provas de Laço na 7ª Semana do Cavalo que acontece em Cuiabá

Clênia Goreth. MP MT

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Proteção dos Animais - Liminar proíbe provas de Laço na 7ª Semana do Cavalo que acontece em Cuiabá

7ª Semana do Cavalo em Cuiabá

Foto: Assessoria

O Ministério Público do Estado de Mato Grosso obteve no início da noite desta sexta-feira (31) liminar que proíbe a realização das provas de laço em dupla e técnico na 7ª Semana do Cavalo que se estenderá até domingo (02), em Cuiabá. Eventual descumprimento da decisão implicará no pagamento de multa diária no valor de R$ 5 mil.  O evento está sendo realizado no Haras Twin Brothers, no bairro Santa Cruz II. A Polícia Ambiental está  acompanhando o caso para garantir que a decisão judicial seja respeitada.

Na ação, o MPMT argumenta que as provas realizadas nas modalidades que utilizam laços causam maus tratos aos animais . A constatação baseia-se em estudos científicos e técnicos realizados em todo o país. Como o próprio nome sugere, as provas em laço envolvem diversas modalidades, onde o objetivo é imobilizar o animal por meio do laço. Embora possam ter pequenas variações de uma região para outra, a proposta é sempre a mesma: laçar os animais que estão em movimento.

Desde 2015, o MPMT vem acompanhado os eventos realizados em todo o Estado e investigando os danos materiais e psíquicos aos animais submetidos às provas (rodeio, provas de laço, vaquejada e similares). Os promotores de Justiça que atuam na área ambiental, na Capital, ressaltam que o Estado de Mato Grosso não promove o controle e a fiscalização das atividades que tenham  por foco a proteção dos animais.

Consta na ação, que em 2017 a Assembleia Legislativa aprovou projeto de lei instituindo normas e critérios sobre a prática esportiva equestre, mas a medida foi vetada em sua integralidade pelo então governador do Estado.  Os promotores de Justiça Marcelo Caetano Vacchiano e Joelson de Campos Maciel destacam que, em junho do ano passado, o MPMT promoveu seminário e audiência pública para debater o assunto.

Na ocasião, segundo eles, foram ouvidas pessoas favoráveis e contrárias à prática. Foram levantados também diversos estudos técnicos e científicos a respeito do tema. “Após ouvir os possíveis interessados, seus pontos favoráveis e desfavoráveis e, com o objetivo de desmistificar a realidade por trás desses eventos, o Ministério Público do Estado de Mato Grosso conclui que as práticas esportivas envolvendo animais não podem ser consideradas como manifestações culturais ou integrantes do patrimônio imaterial, tratando-se de atividades verdadeiramente ensejadoras de maus tratos e perturbação animais”, afirmaram.

A ação foi proposta pelos promotores de Justiça Marcelo Caetano Vacchiano e Joelson de Campos Maciel, ambos atuam, respectivamente, na 15ª e 16ª Promotorias de Justiça Cível de Defesa do Meio Ambiente Natural.
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Paiva Netto

Hiroshima

Em 6 de agosto de 2019, precisamente às 8h15, completam-se 74 anos do lançamento da bomba atômica sobre Hiroshima, depois foi a vez de Nagasaki, também no Japão. Data que jamais será varrida das...

 
 
 
 
Sitevip Internet