Notícias / Negócios

18/10/15 às 08:57

Bordadeiras ganham profissão e renda com cooperativa, em Goiás

Mulheres dividem as tarefas domésticas com os bordados encomendados. Geógrafa fundou grupo após morte da filha por leucemia: 'ideias perpetuadas'.

Murilo Velasco

G1/Goiás

Imprimir Enviar para um amigo
A geógrafa Celma Grace idealizou, há 6 anos, uma cooperativa que hoje envolve cerca de 30 mulheres, em sua maioria, donas de casa que, graças à iniciativa, ganharam profissão e renda. A Cooperativa Bordana reúne, em Goiânia, bordadeiras e costureiras que imprimem com a agulha, traços e cores de plantas do Cerrado em almofadas e outros artigos.

O trabalho do grupo de mulheres começou depois que Celma perdeu a filha, Ana Carolina Grace, em 2007, vítima de leucemia. Na época, a menina tinha apenas dez anos. “A perda de um filho é algo insuperável, e eu tive que encontrar uma forma de fazer com que essa perda se convertesse num trabalho positivo e que as ideias da Ana fossem perpetuadas”, conta Celma, que preside da cooperativa.
 
Celma participava da Associação de Moradores do Conjunto Caiçara, e, segundo ela, a filha sempre gostou dos trabalhos sociais da entidade.

“Diante da perda dela, foi na associação que encontrei forças para continuar a luta”, diz.  Segundo ela, Ana Carolina gostava de arte, desenhos e cores. A partir disso ela teve a ideia de fundar uma cooperativa de bordados.

O grupo começou com dez mulheres, mas  nenhuma delas era bordadeira profissional. Algumas, inclusive, nunca tinham bordado. De acordo com a presidente, tudo começou quando quatro das integrantes participaram de uma oficina da Prefeitura de Goiânia, onde aprenderam algumas técnicas e replicaram para as demais.
 
Rosemélia é uma das primeiras bordadeiras do grupo (Foto: Murillo Velasco/G1)Rosemélia Theiss é uma das primeiras
bordadeiras do grupo (Foto: Murillo Velasco/G1)
A bordadeira Rosemélia Theiss, de 60 anos, participa da cooperativa desde a fundação do grupo, em 2008. Hoje, além de ser cooperada e bordar para o coletivo, é uma das professoras da entidade. “Eu adoro ensinar, tenho um prazer enorme em poder passar a técnica para novas pessoas”, conta Rosemélia.

A dona de casa Ana Maria Batista de Souza , de 61 anos, começou a fazer parte do projeto depois de comprar um  bordado e conhecer, através da etiqueta da peça, a ideia da cooperativa. Ela procurou o grupo e entrou na cooperativa participando de oficinas para aprender a bordar.

Enquanto participava das aulas, Ana Maria ficou sabendo da história que motivou a geógrafa Celma a fundar a cooperativa.  “Quando conheci a história dela, me encantei ainda mais pelo trabalho e tive a certeza de que estava no lugar certo”, contou.

A idosa compara a atividade de bordadeira com uma fonte terapêutica. “Antes de ser uma cooperada, se eu quisesse, tinha que pagar pra fazer terapia. Agora faço terapia e recebo por isso como”, disse.

Gerações
O estudante Victor Emannuel de Souza, de 20 anos, é neto de uma das cooperadas. Victor é o designer da cooperativa. É ele quem esboça todos os tecidos antes de serem repassados às profissionais. “Eu faço isso por dom mesmo”, conta o estudante que pretende cursar arquitetura e continuar ajudando o projeto.
 
Ana Maria, 61 anos, faz parte da cooperativa há 2 anos (Foto: Murillo Velasco/G1)Ana Maria, 61 anos, faz parte da cooperativa
há 2 anos (Foto: Murillo Velasco/G1)
A avó dele, Djanira Beltrão, de 68 anos, se orgulha em poder estar ao lado do neto no trabalho. Ela é uma das costureiras da Bordana. “Me sinto jovem, forte, cheia de vida, e feliz por ver ele engajado em um projeto como esse ao meu lado,” comemora.

Nova coleção
A Bordana lançou em setembro deste ano uma coleção de peças de cama e mesa, além das tradicionais almofadas que são bordadas desde a fundação. A coleção, batizada de "Arranjo produtivo, um sonho bordado à mão" foi resultado de um trabalho que contou com a ajuda do renomado designer Renato Imbroisi, de São Paulo.

A consultoria com o designer veio atráves do custeio da Organização das Coperativas do Brasil (OCB) e com a colaboração do Sebrae-GO. Durante um ano, Imbroisi visitou Goiânia e, junto com as bordadeiras e com o designer da Bordana, Victor Emannuel, conduziu o processo de elaboração do desenho dos bordados.

O tema das estampas é o Cerrado e suas flores. As peças são produzidas em tecido de algodão egípcio de alta qualidade. Entre as linhas de produção da coleção estão: bordados de vasos de flores, flores com cabos longos - chamadas de Flor Girafa -, o cerradão, com concentrados de flores e florada, com flores representadas soltas no tecido.

As vendas são realizadas na sede da cooperativa, que funciona na Associação de Moradores do Conjunto Caiçara, em Goiânia, e através da rede social da Bordana.
 
Celma Grace idealizou cooperativa depois da morte da filha, em 2007 (Foto: Murillo Velasco/G1)Celma Grace idealizou cooperativa depois da morte da filha, em 2007 (Foto: Murillo Velasco/G1)
 
Bordadeiras se reúnem todos os sábados para dividirem tarefas (Foto: Murillo Velasco/G1)Bordadeiras se reúnem todos os sábados para dividirem tarefas (Foto: Murillo Velasco/G1)
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Nilton Moreira

Coronavírus. Fé. Deus é Justo!

Deixamos de direcionar nossas metas de evolução e crescimento no âmbito da moral, e pior ainda, nos preocupamos com coisas materiais que não nos levam a nada, a não ser nos dar prazer e encantamentos, exaltando...

 
 
 
 
Sitevip Internet