Notícias / Educação

26/05/19 às 10:40

Sob ameaça de corte do ponto, trabalhadores da Educação param a partir de 2ª

A rede estadual de ensino conta com 40,3 mil profissionais e aproximadamente 390 mil alunos

Joanice de Deus, Diário de Cuiabá

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Sob ameaça de corte do ponto, trabalhadores da Educação param a partir de 2ª

Foto: Sintep

O Governo do Estado deve cortar o ponto dos trabalhadores da Educação, que deflagraram greve geral por tempo indeterminado a partir desta segunda-feira (27). A medida do Executivo se baseará em uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), datada de 2016, que estabeleceu o corte dos dias parados assim que os servidores se ausentarem do seu expediente em razão de paralisação.

A confirmação foi feita pela assessoria de Comunicação do governo. Ontem pela manhã, a diretoria do Sindicato dos Trabalhadores do Ensino Público (Sintep-MT), que esteve reunida com os secretários da Casa Civil, Mauro Carvalho, e de Planejamento, Basílio Bezerra. A rede estadual de ensino conta com 40,3 mil profissionais e aproximadamente 390 mil alunos, distribuídos em 765 unidades escolares.

Em 2016, o então governador Pedro Taques enfrentou um mês de paralisação geral. Naquele ano, o Plenário do STF concluiu o julgamento de Recurso Extraordinário (RE) 693456, com repercussão geral reconhecida, que discute a constitucionalidade do desconto dos dias paradas em razão de greve de servidor.

Por 6 votos a 4, o Plenário do STF decidiu que a administração pública deve fazer o corte do ponto dos grevistas, mas admitiu a possibilidade de compensação dos dias parados mediante acordo. Também foi decidido que o desconto não poderá ser feito caso o movimento grevista tenha sido motivado por conduta ilícita do próprio poder público.

A norma não impede o direito à greve dos trabalhadores de diversas categorias, mas equipara a situação às normas vigentes no setor privado, em que, com a parada na prestação dos serviços, o empregador cessa a remuneração até a realização de acordo. Por ser uma decisão de repercussão geral, somente é revogada se houver outro julgamento de mesmo porte.

Porém, a categoria entende que se houve corte do pagamento não tem a obrigação de repor as aulas da rede. Neste caso, conforme o presidente do Sintep, Valdeir Pereira, o governo estará “dizendo para os pais que não terá cumprimento dos 200 dias letivos”. “Nós tivemos hoje (ontem) uma audiência com o governo e não foi apresentado nenhuma proposta”, informou. “Nós, estamos no aguardo de uma negociação por parte do governo e havendo chamaremos a categoria que irá avaliar e se houver avanços poderá suspender a greve”, completou. A Secretaria de Estado de Educação (Seduc) afirmou, no entanto, que os trabalhadores devem cumprir os 200 dias letivos. Ou seja, o corte é feito agora e eles receberiam após a reposição das aulas.

Anteontem, a secretária de Estado de Educação, Marioneide Kliemaschewsk, pediu um voto de confiança na gestão do governador Mauro Mendes (DEM) para que ele regularize a situação financeira do Executivo e, então, conceda os benefícios aos profissionais. “Este é o mesmo momento que estamos vivendo: 150 dias de gestão e não obstante haja um desejo do Governo de valorizar seus profissionais, não temos, hoje, as condições necessárias para se pagar um aumento salarial”, afirmou. “São 150 dias de gestão e precisamos de um voto de confiança para que possamos colocar Mato Grosso em uma situação de liquidez econômica e de capacidade de reconhecer o que precisa ser reconhecido: que é a valorização dos profissionais da educação”, acrescentou.

A secretária afirmou ainda que Mendes não tem como atender aos pedidos neste primeiro ano de gestão, mas que é desejo do democrata conceder benefícios à categoria. E lembrou que ele, inclusive, já abriu algumas exceções, como o pagamento das licenças-prêmios – atualmente congeladas para os servidores.

A greve foi aprovada em assembleia geral realizada na última segunda-feira (20). A categoria pede que o Governo faça um calendário para melhorar a infraestrutura das escolas, pague a lei da dobra do poder de compra, além de exigir a RGA, conforme lei, aprovada em 2013 na gestão do ex-governador Silval Barbosa, que dá direito a 7,69% a mais anualmente na remuneração dos professores, além da RGA, durante 10 anos. Cobram ainda o chamamento dos aprovados no último concurso público e o não escalonamento da folha salarial.

 
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Paiva Netto

Hiroshima

Em 6 de agosto de 2019, precisamente às 8h15, completam-se 74 anos do lançamento da bomba atômica sobre Hiroshima, depois foi a vez de Nagasaki, também no Japão. Data que jamais será varrida das...

 
 
 
 
Sitevip Internet