Notícias / Agricultura

10/05/19 às 13:52

Milho: Primeiro produtor de Querência a colher 2ª safra espera 150 sacas por hectare

Após produtividade baixa no ano passado, agricultor investiu em adubação e aproveitou a janela ideal de cultivo para extrair o máximo da lavoura

Pedro Silvestre, de Querência / Canal Rural

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Milho: Primeiro produtor de Querência a colher 2ª safra espera 150 sacas por hectare

Foto: Pedro Silvestre/Canal Rural

A propriedade da família de Valmir José Schneider será a primeira de Mato Grosso a colher milho nesta segunda safra. A lavoura, cultivada no início de janeiro, deve render em média 150 sacas por hectare. “O clima foi espetacular para o desenvolvimento dos grãos; não faltou chuva e não teve períodos de altas invernadas”, conta o produtor. Comparada à temporada anterior, é uma mudança da água para o vinho. O plantio em 2018 foi tardio, o que afetou a produtividade, rendendo apenas 87 sacas por hectare.
 
Schneider quer aproveitar os preços iniciais da temporada, que, segundo ele, estão acima dos R$ 26 por saca. “Vale a pena colher, mesmo que esteja um pouco mais úmido, porque fizemos contratos futuros a R$ 19. Ganhando R$ 5 ou R$ 6 é um bom negócio”, diz.
O milho vem ganhando cada vez mais espaço na fazenda. Neste ano, ocupa 1.880 hectares. Segundo o engenheiro agrônomo Diogo Trajano da Silva, o otimismo com o potencial produtivo se refletiu em investimentos, principalmente em adubação. “Ele quer produzir materiais mais precoces, obedecendo a janela de tempo. O resultado é sucesso e desmistifica toda a questão de que regiões baixas e com noites quentes não produzem milho”, declara.


Segundo o produtor Olimar Luciano Schneider, o investimento em adubação foi 10% maior neste ano. “Acreditamos que a safra seja entre 20% e 30% maior que a média dos últimos anos”, estima.
Até o patriarca da família, Egídio Selfredo Schneider, ficou surpreso com o resultado desse ano. Três décadas atrás, quando ele comprou a fazenda, a cultura sequer fazia parte dos planos. “Nos primeiros anos era só soja, não tinha nada de milho, muito menos segunda safra. Agora, fico sem palavras para descrever o sentimento”, declara.
 
Produtores observando a colheita da segunda safra de milho
Foto: Pedro Silvestre/Canal Rural
 
Grãos de milho na mão de produtor rural, em Querência, Mato Grosso
Foto: Pedro Silvestre/Canal Rural
 
Mas a colheita adiantada da segunda safra acendeu um alerta em quem vai demorar mais tempo para entrar com as máquinas em campo. O presidente do Sindicato Rural de Canarana (MT), Alex Wish, acredita que a concorrência vai desvalorizar o grão colhido mais tarde. “Vamos supor negócios na faixa de R$ 30 até R$ 33 reais; a gente pode cair para R$ 22 no momento que começar a entrar os milhos safrinha”, afirma.

Neste ano, agricultores mato-grossenses plantaram mais de 4,7 milhões de hectares de milho. A produção prevista pelo Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (Imea) é de 29,3 milhões de toneladas.
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

José Sarney

São Luís em Dezembro

O sinos do Natal já podem ser ouvidos nos seus sons distantes Quando eu era menino e começava, em São Bento, a descobrir o mundo com suas belezas, a primeira coisa que me encantava era o campo verde, lindo tapete de capins:...

 
 
 
 
Sitevip Internet