Notícias / Justiça

26/04/19 às 18:57 / Atualizada: 26/04/19 às 19:01

Telexfree é condenada a restituir R$ 6,1 mil para investidora de Cuiabá

Wesley Santiago, Olhar Direto

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Telexfree é condenada a restituir R$ 6,1 mil para investidora de Cuiabá

Foto: Divulgação

A empresa Ympactus Comercial Ltda. (Voip 99 Telexfree) foi condenada pela juíza Sinii Savana Bosse Saboia Ribeiro, da 8ª Vara Cível de Cuiabá a ressarcir uma mulher em R$ 6,1 mil. Ela teria investido US$ 1.375 na compra de produtos da empresa, que teve as atividades suspensas no Brasil pela Justiça. A decisão consta no Diário da Justiça Eletrônico (DJE).
 
Consta dos autos que a mulher teria dois kits (VOIP 99TELEXFREE) na modalidade ADCentral, tendo efetuado o pagamento de uma no valor de U$ 1.375,00 cada, que totalizava R$ 6.113,25. Além disto, ressaltou que a empresa não se trata de empresa de telefonia, uma vez que não possui autorização junto a Anatel para funcionamento e que possui o “mais puro interesse em lesar seus consumidores”.

Em sua decisão, a magistrada pontuou que “mostra-se demonstrado o inadimplemento contratual da ré, ‘porquanto resta incontroverso que a Telexfree deixou de cumprir sua obrigação contratual, tanto é que ela mesma, tentando justificar o descumprimento, agarra-se ao teor da decisão judicial acreana’”.
 
Sendo assim, a juíza entende cabível que a Telexfree proceda a restituição dos valores dispendidos pelo autor, consistente na devolução do valor pago de R$ 6.113,25, tendo em vista que restou comprovado nos autos que a requerente realmente aderiu ao plano proposto pela instituição requerida, no entanto, não recebeu nem os produtos que adquiriu tampouco a renda mensal pretendida.
 
Porém, em relação aos danos morais, a magistrada pontua que a parte autora assumiu o risco do negócio ao contratar com a requerida objetivando lucros fáceis, de modo que deve arcar com o ônus de sua escolha. Ela também não visualizou nos autos qualquer elemento probatório suficiente para demonstrar a ocorrência dos danos morais sofridos.

Com isto, a Telexfree foi condenada a restituir os valores dispendidos pela parte autora, no valor de R$ 6.113,25, com juros de 1% a partir da citação e correção monetária pelo INPC desde o desembolso. A empresa também foi obrigada a pagar as custas processuais e honorários advocatícios, fixados em 15% sobre o valor atribuído à causa.

Telexfree

Em outubro de 2016, James Merril, um dos donos da Telexfree, admitiu à Justiça de Massachusetts, nos Estados Unidos da Américas (EUA), ser culpado por "fraude" e "conspiração". Merril e seu sócio brasileiro, Carlos Wanzeler, são acusados de montar um esquema de pirâmide financeira para venda do serviço de telefonia Voip que atraiu cerca de 1 milhão de pessoas. As informações são do The Wall Street Journal. Em Mato Grosso, diversas ações tramitam na Justiça. Investidores tentam conseguir ressarcimento com o fim do programa.
 
O americano confessou o esquema após um acordo os promotores para redução de pena. Ainda assim, ele poderá pegar até 10 anos de prisão e terá de devolver bens avaliados em US$ 140 milhões. O julgamento está marcado para fevereiro de 2017. Seu sócio brasileiro é considerado foragido nos Estados Unidos. Não foi informado se este valor é referente a colaboradores no Brasil.

No Brasil, a empresa estreou em 2012 A Telexfree oferecia ligações de longa distância mais baratas pela internet e prometia ganhos de mais de 200% ao ano para quem publicasse anúncios e trouxesse novos clientes. As investigações nos EUA apontaram que menos de 1% do que a empresa recebia vinha dos produtos de telefonia e que a empresa é um esquema de pirâmide disfarçada.

Em fevereiro de 2014, a Segunda Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJ-MT) manteve a condenação em primeira instância, que determinou que a empresa Telexfree restitua R$ 101.574,00 que foram investidos pelo advogado de Rondonópolis (210 km de Cuiabá), Samir Badra Dib, na aquisição de kit´s denominados VOIP 99.
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Paiva Netto

Hiroshima

Em 6 de agosto de 2019, precisamente às 8h15, completam-se 74 anos do lançamento da bomba atômica sobre Hiroshima, depois foi a vez de Nagasaki, também no Japão. Data que jamais será varrida das...

 
 
 
 
Sitevip Internet