Notícias / Policial

26/04/19 às 13:56

Prefeito gaúcho surpreende e matricula filhos em escola da rede pública

Raridade do ato evidencia desvinculação do político brasileiro com a realidade

Central Press

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Prefeito gaúcho surpreende e matricula filhos em escola da rede pública

Helton Barreto, prefeito de General Câmara (RS)

Foto: Divulgação / Central Press

Bastam algumas tentativas de buscas na internet para ficar clara a inexistência de notícias de políticos utilizando equipamentos públicos, como hospitais, transporte e escolas. Dessa forma, a decisão de Helton Barreto, prefeito da cidade de General Câmara (RS) deixa muitos boquiabertos. Podendo escolher entre a escola pública ou a privada para seus dois filhos, de 5 e 8 anos, ele optou pela primeira.

Prefeito desde 2017 do município com cerca de 8 mil habitantes, Barreto acredita que sua atitude contribui para que os munícipes confiem mais nos serviços da cidade. “Vejo que a educação é o caminho, não só aqui, mas em todo o Brasil. Eu e minha esposa somos egressos da escola pública. As escolas de General Câmara sempre foram boas e na nossa gestão qualificamos ainda mais com o sistema Aprende Brasil que, entre outras coisas, aprimora o raciocínio lógico. Acredito que manter os meus filhos na escola pública é uma forma de estarmos integrados à população e mostrarmos que temos confiança no serviço público”, diz ele.

Para o advogado e mestre em Ciência Política Francis Augusto Góes Ricken, professor da da Escola de Direito e Ciências Sociais da Universidade Positivo, a raridade do ato do prefeito de General Câmara evidencia a desvinculação do político brasileiro com a realidade da qual ele vive, visto que, em muitos países ao redor do mundo, sobretudo na Europa, é comum e até esperado que políticos e seus familiares se utilizem do sistema público de saúde, transporte e educacional. “No Brasil temos uma desvinculação muito clara do político quanto à realidade da qual ele vive. Ou seja, o político vive dentro de uma perspectiva totalmente diferente da realidade da população (...). Aqui, se usa pouco orçamento no serviço público, destinando-o apenas ao povo, aos mais pobres, enquanto os políticos, que são privilegiados, sobretudo na questão salarial, não fazem uso destes serviços”, explica Ricken.
 
Caminhos

Na opinião do cientista político, o fato do Brasil ter uma democracia recente, em comparação aos países europeus, pode explicar a precária prestação de serviços no território nacional. segundo ele, no velho continente foi possível estabelecer parâmetros de administração de Estado muito mais longevos e concretos do que aqui, além da clara relação de serviços públicos de qualidade com questões de desenvolvimento econômico e social.

O professor aponta que a saída para o Brasil é o país investir em uma onda de proteção para bens básicos, como saúde e educação, por meio, dentre outras alternativas, de parcerias público-privado, fazendo com que o Estado utilize melhor o orçamento para fazer o que é necessário. “O correto seria fazermos com que o homem público visse nos serviços públicos uma boa solução para os seus problemas”, finaliza.
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Nilton Moreira

Coronavírus. Fé. Deus é Justo!

Deixamos de direcionar nossas metas de evolução e crescimento no âmbito da moral, e pior ainda, nos preocupamos com coisas materiais que não nos levam a nada, a não ser nos dar prazer e encantamentos, exaltando...

 
 
 
 
Sitevip Internet