Notícias / Justiça

19/04/19 às 09:12 / Atualizada: 21/04/19 às 14:03

Pirâmide Financeira - Justiça manda Telexfree pagar R$ 39 mil a ex-investidora de Várzea Grande

R.E. investiu R$ 17 mil no negócio e tomou prejuízo após Justiça do Acre determinar sua suspensão no Brasil

Rodivaldo Ribeiro, Folha Max

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Pirâmide Financeira - Justiça manda Telexfree pagar R$ 39 mil a ex-investidora de Várzea Grande

Foto: Divulgação

Uma mulher, identificada apenas pelas iniciais. R.E., conseguiu recuperar R$ 39.689,51 aportados por ela na empresa Ympactus Comercial S/A, razão social da Telexfree no Brasil. Ela entrou com a ação após ter investido um total de R$ 16.900 em um dos contratos de adesão da pirâmide.

R.E. é moradora de Várzea Grande e é da Primeira Vara Cível de lá que partiu a decisão, proferida pela juíza Ester Belém Nunes na segunda-feira (15). Os quase R$ 40 mil são os valores atualizados por juros e correção monetária, conforme determina a legislação.

A magistrada atendeu a um pedido de liquidação de sentença contra a Telexfre impetrado pelos advogados da ex-investidora. Nos autos, ele sustentou que a cliente não sabia tratar-se de uma pirâmide ao colocar no negócio suas economias até um valor próximo dos R$ 17 mil.

No país, a empresa sofreu intervenção da Justiça e foi fechada no dia 13 de junho de 2013, deixando milhares de pessoas sem ver a cor dos valores investidos. Ações partiram do país inteiro, mas foi uma decisão judicial vinda da Comarca de Rio Branco, no Estado do Acre, quem deu fim à máquina de prejuízos.

Os patronos de E.R. lembraram que após essa decisão, a Telexfree ficou proibida de receber novas adesões nem efetuar o pagamento dos divulgadores cadastrados anteriormente, como é o caso de sua cliente. Isso inviabilizou que ela recebesse não só os lucros, mas até mesmo as próprias economias investidas inicialmente, sendo obrigada a passar por dificuldades mesmo tendo esse montante travado na Ympactus Comercial.

Para a magistrada várzea-grandense, E.R. comprovou adequadamente a liquidez dos seus créditos ao apresentar todos boletos e comprovantes de pagamento. Evidenciou-se, assim, relação jurídica entre a então investidora e a Telexfree e sua consequente perda financeira.

“Diante do exposto, julgo procedente o pedido inicial para o fim de declarar como quantum debeatur a importância atualizada de R$ 39.689,51 (trinta e nove mil seiscentos e oitante e nove reais e cinquenta e um centavos), a ser corrigida na forma estabelecida na sentença prolatada nos autos de ação civil pública em trâmite no juízo da Segunda Vara Cível da Comarca de Rio Branco-AC, qual seja, deverá ser corrigida monetariamente pelo INPC a partir do efetivo pagamento do Fundo de Caução Retornável e dos Kis AdCentral ou AdCentral Famile
, conforme o caso, e acrescido de juros legais de 1% ao mês desde a citação em 29/07/2013”, escreveu Ester Belém Nunes.
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Virginia Mendes

O amor de mãe

Antes mesmo que eu recebesse a benção de ser mãe de três filhos eu ouvia outras mães e até mesmo a minha mãe me falando que o amor de mãe é algo sem medidas. Hoje posso afirmar e garantir...

 
 
 
 
Sitevip Internet