Notícias / Água Boa

11/04/19 às 08:04 / Atualizada: 11/04/19 às 08:29

Água Boa - Catadores de recicláveis ganham caminhão como prêmio após intervenção da Defensoria Pública

Márcia Oliveira, da assessoria

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Água Boa - Catadores de recicláveis ganham caminhão como prêmio após intervenção da Defensoria Pública

Foto: Assessoria

A semana começou com a realização de um sonho para os 13 integrantes da Associação de Catadores de Materiais Recicláveis do Araguaia (Acamara) e para a Defensoria Pública de Mato Grosso (DPMT). Seis meses após serem selecionados como ganhadores de um prêmio, em dinheiro, no qual a Defensoria os inscreveu, eles receberam o bem, um caminhão, ferramenta de trabalho essencial para a atividade, no domingo (7/4).

O veículo da marca Iveco, ano 2013, com capacidade para transporte de oito toneladas foi comprado em Curitiba, por R$ 110 mil. Ele foi pago com recursos disponibilizados pelo Comitê Interinstitucional Gestor de Ações Afirmativas da Justiça do Trabalho da 23ª região, Ministério Público do Trabalho e Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

O valor total do prêmio foi de R$ 126 mil, dinheiro que, segundo o projeto, será usado ainda para aquisição de novos equipamentos de proteção individual (EPIs), para a aquisição de uma habilitação a ser feita por um dos integrantes da Associação e para a compra de novos uniformes.

 
Catadores - INTERNA (4)

A defensora pública que atua na comarca de Água Boa, Carolina Weitkiewic, formalizou um projeto, em nome da Acamara, em setembro do ano passado. A ideia era que ela concorresse à verba disponibilizada em edital, cujo objetivo era selecionar projetos sociais para receberem recursos originados de condenações por danos morais coletivos, em ações judiciais.

E em novembro de 2018 o “Reciclando Dignidades” foi selecionado e desde então, os integrantes da Associação, com auxílio da defensora, passaram a buscar por um veículo, em todo o país, que atendesse as necessidades dos catadores e se enquadrasse no valor disponibilizado.

“O foco era encontrar o melhor veículo pelo menor preço. Achamos esse caminhão em Curitiba e fechamos o negócio. Ele já vem com as estruturas de gaiolas para armazenar o material, o que para a Associação é muito adequado. Quase não acredito que isso é verdade. É a realização de um sonho para eles e para nós, pois há mais de um ano, quando os conheci, se me dissessem que isso aconteceria, eu não acreditaria”, festeja a defensora.

 
Catadores lixao interna
Novo Ciclo - Com o caminhão a Associação deixará de pagar frete no valor mensal que varia de R$ 2 mil a R$ 2,5 mil para fazer o transporte do material reciclável (papelão, papel, plástico e latinhas) até o galpão onde fazem a seleção do que será descartado e do que poderá ser comercializado.

“Esse dia é especial em nossas vidas, não tenho palavras para descrever o trabalho da Carolina e como ela marcou positivamente a nossa história. Desde que a conhecemos, tivemos apoio para sair da informalidade, tivemos reconhecimento social, tivemos auxílio para melhorar a nossa apresentação e condições de trabalho. Ela nos garantiu autoestima, dignidade, esperança e, de fato, um futuro melhor”, afirma a presidente da Associação, Vanuza Gonçalves da Silva.

A afirmação da presidente tem relação com o tratamento que eles receberam da Defensoria Pública, desde que foram identificados como cidadãos que viviam à margem da sociedade, alguns sem identidade pessoal, todos, sem identidade profissional, tratados como “os invisíveis”, como frisa a defensora.

“Um deles veio buscar identidade e verifiquei que ele se identificava como catador de material reciclável e fui atrás, para saber se tinha mais gente fazendo a mesma coisa na cidade. Os identifiquei e descobri que estavam tentando formalizar a atividade. Desde então, isso foi em fevereiro de 2018, não os deixei mais”, conta a defensora.

Carolina conta que por meio da Defensoria Pública viabilizou a formalização da Associação e a partir de então, organizou uma verdadeira campanha de apresentação dos trabalhadores para a cidade. Explicando que o trabalho que faziam era digno, autônomo e auxiliava a sociedade como um todo, por meio da retirada de toneladas de materiais do meio ambiente, que sem eles, seria só lixo.

 
Catadores - INTERNA (3)

“Fomos atrás de patrocínio para conseguirmos uniformes, EPIs, negociamos a cessão de uma nova prensa para que eles pudessem aumentar a produção. Eles participaram de feira de negócios, de reuniões com autoridades públicas, de capacitações e hoje, podemos dizer que a população local os enxerga como trabalhadores numa atividade que todos respeitam”.

Projeto - Com o caminhão, o catador Raniere Moreira, 46 anos, afirma que o grupo buscará melhorar a renda individual de cada trabalhador. Ele explica que, por mês, conseguiam vender até quatro caminhões com carregamento de até 46 toneladas de material reciclável e que, por esse produto, conseguem de R$ 12 mil a R$ 20 mil reais brutos. Com o valor, pagam as contas de locação do galpão, água, energia elétrica e pagavam o frete.

“Após tirar todas as despesas fixas rateamos o restante, pagando por dia trabalhado. Quem tira menos por mês tira R$ 600 e quem tira mais, R$ 1,4 mil. Ainda é insuficiente para que tenhamos uma vida razoável, mas é a nossa única fonte de renda. Com esse patrimônio, vamos trabalhar para melhorar nossos ganhos. O que estamos tendo com a Defensoria é apoio para fazer algo, até então, encarado como negativo, sujo, marginal. Mas, até em nós e nos outros, isso mudou, depois que conhecemos a doutora Carolina”, afirma o catador.

A defensora afirma que buscou apoio de outras instituições para que a coleta seletiva seja implantada, conforme determina a legislação brasileira. A prefeitura local se comprometeu a determinar que os órgãos públicos fizessem a seleção do material e que o disponibilizasse, em pontos fixos, uma vez por semana, para auxiliar os catadores, mas o compromisso não virou realidade.

 
Carrinho catadores Agua Boa interna

Os catadores conseguiram essa parceria com algumas empresas privadas e atualmente, uma vez por semana, usam um carrinho acoplado a uma bicicleta – estrutura construída e custeada por meio de doações de várias empresas e pessoas, para recolher esse material na cidade.

“Como o caminhão é uma estrutura custosa, exige manutenção e gastos, vamos auxiliá-los a fazer um planejamento do uso, para que o custo otimize o negócio. E vamos pensar em outras parcerias. O importante é que o trabalho está dando ótimos frutos e em curto período de tempo”, avalia a defensora.

 
Catadores lixão capa1

O primeiro carregamento com o veículo foi feito nesta quarta-feira (10/4) e foi motivo de comemoração para o grupo. “Isso é muito importante. Agora sabemos que podemos sonhar, planejar e que os nossos sonhos podem sim, virar realidade. Agora, vamos buscar que a coleta seletiva, que ainda não existe aqui, seja o nosso futuro”, avalia Raniere, baiano que veio de Natal (RN) depois de ter rodado o país, trabalhando com reciclado.
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Lucas Lautert Dezordi

O problema estrutural por trás do leilão da Norte-Sul

Em maio do ano passado, durante a greve dos caminhoneiros, a dependência da cadeia produtiva nacional em relação ao transporte rodoviário ficou evidente. Essa grande concentração no movimento de cargas em...

 
 
 
 
Sitevip Internet