Notícias / Agricultura

05/04/19 às 17:15

Para inspirar nova geração, povo Wai Wai publica cartilha sobre manejo da castanha

Maior fonte de renda das comunidades em Roraima, safras de centenas de toneladas têm qualidade reconhecida por empresas e conquistam bons preços

Roberto Almeida ISA

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Para inspirar nova geração, povo Wai Wai publica cartilha sobre manejo da castanha

Wai Wai lavam castanha antes do embarque nas canoas no rio Anauá

Foto: Rogério Assis-ISA

Com 20 páginas, publicada em papel impermeável e texto na língua Wai Wai, a Cartilha de Boas Práticas e Manejo da Castanha (clique para fazer o download) chegou às mãos do professor Renato Wai Wai, da aldeia Jatapuzinho, Terra Indígena Trombetas/Mapuera (RR).

Na Escola Estadual Indígena Wai Wai, onde trabalha, Renato pretende mostrar a cartilha aos alunos, que vivem intensamente a safra da castanha. Eles recebem uma licença de 15 dias das escolas, observam o trabalho nos castanhais, muitos deles localizados a horas de barco distante das aldeias, e aprendem tudo sobre o manejo.

"A gente já explicava como é o trabalho com a castanha para as crianças sem a cartilha. Com a publicação, elas aprendem mais fácil. Os pais sempre levam os filhos para os castanhais. Eles conversam, escutam. Por isso, é muito importante para a gente ensinar sobre a castanha também", disse.

O professor lembra que, quando as famílias retornam dos castanhais, as crianças contam na escola o quanto aprenderam com os pais sobre o território – plantas, animais que viram e que comeram, o trabalho de coletar e lavar as castanhas.

O povo Wai Wai das Terras Indígenas Wai Wai e Trombetas/Mapuera, em Roraima, negociou em 2018 uma safra de 100 toneladas de castanha com a empresa de pães Wickbold. O preço da lata de 10 quilos chegou a R$ 44 –76% acima dos R$ 25 praticados por atravessadores na região à época.

O volume e o preço alcançado são resultado da consolidação das boas práticas no manejo da castanha, praticadas há uma década pelos Wai Wai.

“Já aprendemos boas práticas para vender uma castanha de qualidade. Temos de ensinar nossos filhos a continuar a vender uma castanha limpa”, afirmou Fernandinho Oliveira Wai Wai, presidente da Associação dos Povos Indígenas Wai Wai (APIW), em visita do ISA à comunidade no ano passado.

“Hoje, nós chamamos os castanhais de nossa poupança", disse Tarcizio Yakima Wai Wai, da aldeia Anauá. "Eles nos garantem dinheiro como a poupança para os brancos. Porque a castanha é a nossa fonte de renda.”

Quem são os Wai Wai?

Os Wai Wai são um povo indígena de língua karib composto por mais de 2,5 mil pessoas. A castanha sempre foi a estrela da cultura alimentar dos Wai Wai. Com a estruturação da cadeia produtiva, ela vem se tornando o motor da transformação de vidas e reforço para a vigilância de um território acossado por invasores.

Jaime Pereira Wai Wai realiza a secagem das castanhas na aldeia Jatapuzinho

Imagens de satélite mostram o avanço do desmatamento nos limites da Terra Indígena Wai Wai, próxima às cidades roraimenses São Luiz do Anauá, São João da Baliza e Caroebe. Elas formam um corredor na BR-210 e são a espinha dorsal do desenvolvimento predatório, com a abertura de estradas vicinais.

Contudo, o reforço das boas práticas no manejo da castanha, e a parceria para comercialização justa e transparente com empresas, favorece o planejamento da safra e, com isso, mantém o monitoramento das terras Wai Wai contra invasores.

A cartilha de boas práticas ganhou também uma versão em vídeo, compartilhada entre as comunidades. Assista abaixo:
  • Para inspirar nova geração, povo Wai Wai publica cartilha sobre manejo da castanha
  • Para inspirar nova geração, povo Wai Wai publica cartilha sobre manejo da castanha
  • Para inspirar nova geração, povo Wai Wai publica cartilha sobre manejo da castanha
Imprimir Enviar para um amigo

Vídeo Relacionado

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Virginia Mendes

O amor de mãe

Antes mesmo que eu recebesse a benção de ser mãe de três filhos eu ouvia outras mães e até mesmo a minha mãe me falando que o amor de mãe é algo sem medidas. Hoje posso afirmar e garantir...

 
 
 
 
Sitevip Internet