Notícias / Justiça

26/03/19 às 08:32

Santo Antônio de Leverger/MT - MPF se reúne com indígenas Boe (Bororo) pra tratar da revisão de limites da Terra Indígena

A reunião ocorreu na Aldeia Córrego Grande, na Terra Indígena Tereza Cristina, em Mato Grosso, na última quinta-feira (21)

Assessoria MPF

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Santo Antônio de Leverger/MT - MPF se reúne com indígenas Boe (Bororo) pra tratar da revisão de limites da Terra Indígena

Foto: Assessoria MPF

O Ministério Público Federal em Mato Grosso, por meio do procurador da República Ricardo Pael Ardenghi, titular do Ofício de Populações Indígenas e Comunidades Tradicionais, esteve na Terra Indígena (TI) Tereza Cristina, da etnia Boe (Bororo), na quinta e sexta-feira (21 e 22) para se reunir com os indígenas. O objetivo foi tratar da revisão de limites da TI, bem como da construção da Pequena Central Hidrelétrica (PCH) Mantovilis na região, e seus impactos, entre outros temas.

Cerca de 50 indígenas da aldeia Córrego Grande participaram da reunião e expuseram os principais problemas da população Boe no local, especialmente com relação à educação escolar, ao atendimento à saúde e às condições da estrada de acesso às aldeias. Ao final, tratou-se da revisão de limites da demarcação da TI Tereza Cristina e da construção da PCH Mantovilis.

O procurador Ricardo Pael visitou as dependências das escolas estadual e municipal e também o posto de saúde, que ficam na aldeia. Registrou as informações para levar ao conhecimento das autoridades locais a fim de que sejam realizadas as melhorias necessárias. Pael informou que já existem procedimentos instaurados no âmbito do MPF sobre as questões abordadas.

Os indígenas também foram informados sobre a decisão favorável na Ação Civil Pública 1002351-95.2018.4.01.3600, em que se determinou a retomada do processo de revisão de limites da Terra Indígena Tereza Cristina, demarcada anteriormente com limites menores do que realmente deveria ser. O procurador da República destacou que o prazo dado para que a Funai concluísse os trabalhos de identificação e delimitação da área, fazendo publicar o respectivo Relatório Circunstanciado de Identificação e Delimitação era de 60 dias, sob pena de multa. Os indígenas foram, então, questionados se a Funai havia estado no local para dar prosseguimento ao processo. Como a resposta foi negativa, o procurador afirmou que iria levar tal informação para os autos da ação civil pública e pedir o aumento do valor da multa, para compelir a Funai a cumprir a decisão.

Por fim, tratou-se da construção da PCH Mantovilis e da conciliação na ACP 1006195-53.2018.4.01.3600, explicando-se que, pelo acordo firmado, a empresa responsável pelo empreendimento hidrelétrico deverá realizar uma consulta prévia, livre e informada, nos termos da Convenção 169 da OIT, junto aos indígenas Boe (Bororo) para, só então, dar continuidade às obras. O procurador enfatizou, ainda, que toda a comunidade indígena deve ser ouvida sobre como será feito o protocolo de consulta a ser seguido pelo empreendedor. “Isso é de suma importância e deverá prevalecer a voz da comunidade indígena”, enfatizou.

Participaram da reunião: o cacique da Aldeia Córrego Grande, Bruno Tavie; o diretor da escola estadual, professor Fernando Kudoro Bororo, além de outras autoridades da aldeia e parte da população indígena do local.

TI Tereza Cristina – A antiga Colônia Indígena Tereza Cristina foi demarcada em 1896 pelo engenheiro militar Marechal Cândido Rondon. A superfície total era de 65.923 hectares, parcela reduzida do habitat dos Bororo do vale do São Lourenço. Dos quase 166 mil hectares destinados aos Bororo pelo Governo Provincial e demarcados por Rondon, 30 mil foram usurpados dos índios ao longo do tempo em razão da política fundiária, por atos arbitrários, contrários aos interesses da União, que comprometeram sobremaneira o direito do povo Bororo à terra.

A demarcação atual, realizada em 1976 sob a supervisão da Funai, veio concretizar o processo de expropriação territorial dos Bororo, estimulado pelos governantes do estado de Mato Grosso a partir da década de 50 e a superfície atual é inferior à metade do território original: apenas 25.694 hectares.

Sob a proteção de decretos e leis – estaduais, federais, inconstitucionais –, consolidaram-se as invasões nas terras destinadas aos Bororo em fins do século passado. A área de terras demarcada por Rondon, no entanto, jamais deixou de ser referência dos índios e objeto permanente de suas reivindicações.
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Paiva Netto

Os servidores de Deus e a hora presente

Atravessamos um momento de transformação no mundo, radical e turbulento sob muitos aspectos, o que exige de nós capacidade superior no enfrentamento de obstáculos de todos os matizes. Não me refiro a uma correria...

 
 
 
 
Sitevip Internet