Notícias / Agricultura

09/03/19 às 18:13

China reduz compras mundiais de soja, mas importa o dobro do Brasil

Só em fevereiro o país asiático comprou do Brasil mais de 5 milhões de toneladas, segundo dados do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC)

Canal Rural

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
China reduz compras mundiais de soja, mas importa o dobro do Brasil

Foto: Pìxabay/arte Canal Rural

O embate comercial entre China e Estados Unidos, por enquanto, tem trazido vantagens para as exportações de soja do Brasil. Só em fevereiro o país asiático importou do Brasil mais de 5 milhões de toneladas, ou seja, mais que o dobro (134%) do comprado no mesmo período do ano passado (2,1 milhões de toneladas). O curioso é que a Administração Geral de Alfândegas e Portos da China divulgou que em fevereiro o país importou 18% menos soja do mundo.
 
Se somar os montantes vendidos em janeiro e fevereiro deste ano, o Brasil embarcou quase 7 milhões de toneladas para os chineses, bem acima dos 3,4 milhões de 2018. Isso rendeu ao país mais de US$ 2,5 bilhões só com a soja, 92% mais ante os US$ 1,3 bilhão obtidos nos dois primeiros meses do ano passado.

Segundo informações divulgadas pela consultoria Safras & Mercado, as importações de soja em grão da China totalizaram 4,46 milhões de toneladas em fevereiro, retração de 18% sobre igual mês de 2018. Os dados foram repassados pela Administração Geral de Alfândegas e Portos da China. No acumulado do ano, as importações somam 11,83 milhões de toneladas, decréscimo de 15% em relação a igual período do ano passado.

Analista aposta em falta de produto

O analista de mercado Carlos Cogo acredita que este aumento nas vendas no primeiro semestre pode gerar uma falta de produto no segundo semestre do ano. “Se o Brasil exportar nos próximos meses a mesma quantidade que fez no ano passado, somado o que fez no primeiro bimestre do ano, em agosto já terá vendido 68,5 milhões de toneladas. Ou seja, o limite. Já que a demanda interna brasileira é de 40 milhões de toneladas”, diz.



Segundo Cogo, boa parte dos produtores que ele conversou estão dispostas a esperar e não vender a soja agora, mas ele não recomenda isso. “Não assim, o ideal é dividir o que se colheu em lotes e vender uma parte agora e o restante mais pra frente, com preços melhores”, afirma.

Em resumo, o analista acredita que os exportadores não irão parar nos 70 milhões de toneladas e isso deverá gerar uma disputa no mercado interno brasileiro. “O mercado interno terá que disputar essa soja e pagar mais por ela”, finaliza.
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

José Luiz Tejon Megido

China: consumidores globais, vontades iguais

Todos temos uma ideia aproximada da expansão da China, que cresce, em média, 9,7% ao ano desde 2000. A China tem quase 100 firmas dentre as 500 maiores do mundo, e tem o 2° maior Produto Interno Bruto (PIB) do planeta, em busca...

 
 
 
 
Sitevip Internet