Notícias / Policial

28/02/19 às 19:23 / Atualizada: 28/02/19 às 19:41

Delegado chefe da Polícia Civil cita falta de concurso e confirma fechamento de delegacias em MT

Nos próximos 2 anos, Polícia Civil deve perder 200 policiais com aposentadorias

Larissa Malheiros, Folha Max

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Delegado chefe da Polícia Civil cita falta de concurso e confirma fechamento de delegacias em MT

Foto: Divulgação

O delegado geral da Polícia Civil, Mário Demerval , revelou que fechamento de algumas delegacias no interior do Estado é um “caminho sem volta”. Ele afirma que está sendo realizado um estudo técnico que já aponta a falta de efetivo e aumento da defasagem do quadro de policiais com futuras aposentadorias. Isso dificultará as atividades em praticamente todas as unidades, inviabilizando a permanência de algumas. 

O delegado também explica que levantamento mostra que essas unidades tem um alto custo financeiro e os policiais não tem como desenvolver o trabalho de maneira digna. Por isso, revela que atuação desses policiais nessas delegacias está se resumindo a tomar conta do prédio e fazer boletim de ocorrência.
 
“São cidades muito pequenas, com a perspectiva que nós temos de aposentadoria e a não existência de um concurso público sequer em andamento. No que tange os investigadores e delegados se chegou um número de 200 policiais para e aposentar nos próximos dois anos e 200 policiais é praticamente o efetivo da regional de Rondonópolis inteira”, explicou o delegado geral em entrevista ao programa Cadeia Neles.

O chefe da Polícia Civil destacou que o objetivo é manter em pleno funcionamento as delegacias que seguirem abertas. “Com essas aposentadorias, se eu mantiver unidades nessas cidades minúsculas funcionando, vou ter que fechar grandes delegacias para suprir essas unidades, e a perspectiva de aposentadorias não me deixa pensar diferente”.

Segundo Demerval, o número de delegado por habitantes atualmente é muito menor do que o exigido. Os dados mostram que em 2003 era um delegado para 14 mil habitantes. Neste ano, é um delegado para 16 mil habitantes. 

“Humanamente impossível de administrar essas unidades. Porém, este estudo iniciou com um número grande de unidades e conforme as informações técnicas, nós estamos agindo tecnicamente, para fazer as averiguações, as constatações, o estudo da análise de dados e chegamos a unidades que funcionam com dois, três mil habitantes”, explanou. 

O delegado geral colocou que já existe uma ideia de planejamento para as mudanças a serem propostas, remanejando policiais para outras delegacias e o reforço de uma parceria com a Polícia Militar. “Então, nós estamos nos antevendo ao problema, estamos desenvolvendo estudos, fechando unidades em cidades pequenas, onde sinceramente nem deveriam ter sido abertas, e vamos realocar esses policiais em cidades vizinhas e continuar dando atenção a essas cidades que ficarão com a Polícia Militar lavrando as ocorrências e encaminhando diretamente para a Polícia Civil”.  

Ver entrevista completa no Programa Cadeia Neles no vídeo abaixo >>>
Imprimir Enviar para um amigo

Vídeo Relacionado

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

José Luiz Tejon Megido

China: consumidores globais, vontades iguais

Todos temos uma ideia aproximada da expansão da China, que cresce, em média, 9,7% ao ano desde 2000. A China tem quase 100 firmas dentre as 500 maiores do mundo, e tem o 2° maior Produto Interno Bruto (PIB) do planeta, em busca...

 
 
 
 
Sitevip Internet