Notícias / Justiça

27/02/19 às 17:21

Com auxílio da Defensoria, pescadores ribeirinhos obtêm mais de R$ 4,3 milhões via seguro-defeso

Alexandre Guimarães

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Com auxílio da Defensoria, pescadores ribeirinhos obtêm mais de R$ 4,3 milhões via seguro-defeso

Pescadores ribeirinhos em Santo Antônio do Leverger

Foto: Assessoria

A Defensoria Pública de Mato Grosso auxiliou os pescadores ribeirinhos a garantir o benefício do seguro-defeso no valor de R$ 4.364.000,00 (quatro milhões, trezentos e sessenta e quatro mil reais) durante o Ribeirinho Cidadão – de 4 a 25 de fevereiro. O seguro-defeso é o valor pago aos profissionais que precisam paralisar suas atividades durante a piracema – período de desova dos peixes.

Nesta segunda-feira (25), o projeto Ribeirinho Cidadão encerrou a sua 12ª edição em Porto de Fora, distrito de Santo Antônio do Leverger (34 km de Cuiabá). Além do atendimento jurídico, o projeto Ribeirinho Cidadão realizou atendimentos médicos, sociais e levou cidadania e dignidade à população ribeirinha.

Superando obstáculos - Nos últimos dias, na etapa terrestre do projeto, a Defensoria Pública e toda a equipe do Ribeirinho Cidadão passaram por imprevistos e muito sufoco no trajeto até a aldeia indígena Gomes Carneiro e as comunidades de Lambari, Mimoso, Mocambo e Agrovila das Palmeiras.

Em uma das estradas para a comunidade Lambari, uma árvore caída na estrada impediu a passagem dos veículos. Os integrantes da equipe se uniram e, depois de muito esforço, conseguiram liberar o caminho. Mais adiante, a água da chuva arrombou a cabeceira da primeira ponte, forçando a equipe a buscar uma rota alternativa. Porém, duas árvores fecharam completamente a passagem. Depois de muito esforço, diversos voluntários, usando machado e corda, retiraram as árvores e a comitiva pode seguir em frente.

“A dificuldade foi muito grande. As águas das chuvas do Pantanal resolveram cair de uma vez na semana em que estávamos percorrendo o trecho terrestre e, com isso, tivemos que mudar as rotas várias vezes”, afirmou o defensor Joaquim Abinader.

“Não conseguimos chegar às comunidades de Lambari, Mocamo e Baía São João. Em outras localidades, tivemos que traçar novos trajetos”, contou.

Na aldeia indígena Gomes Carneiro, o cacique recebeu a equipe do Ribeirinho. No dia 23, foram entregues cerca de 200 pares de tênis e sandálias na comunidade Agrovila das Palmeiras.

Os defensores Munir Arfox, Milena Barboza Bortolotto e Joaquim José Abinader Guedes da Silva estão atuando no atendimento à população ribeirinha desde o início do Ribeirinho.

Programação - A etapa terrestre teve início no dia 17 de fevereiro na Comunidade Olho D’Água e passou pelo Córrego D’Ouro (17), Distrito de São Lourenço de Fátima (18), Aldeia Gomes Carneiro (19), Comunidade Lambari (19), Distrito de Mimoso (20 e 21), Comunidade de Mocambo (21), Agrovila das Palmeiras (23) e Comunidade Vale Abençoado (24). Ontem (25), o Riberinho finalizou os trabalhos em Porto de Fora, distrito de Santo Antônio do Leverger.

Ribeirinho Cidadão - A iniciativa da Defensoria Pública e do Poder Judiciário de Mato Grosso está levando serviços e cidadania a 46 localidades. A ação é dividida em duas etapas: fluvial, que começou em Santo Antônio e seguiu até o dia 14 de fevereiro, percorrendo 36 localidades, e a etapa terrestre, que ocorreu de 17 a 25 de fevereiro, passando por 10 comunidades.

O projeto é realizado em parceria com a Assembleia Legislativa, Ministério Público Estadual, Marinha do Brasil- 6º Distrito Naval, Tribunal Regional Eleitoral, Tribunal Regional do Trabalho da 23ª Região, Governo de Mato Grosso, Federal, SICOOB-União, SESC Pantanal, Prefeitura dos municípios de Santo Antônio de Leverger, de Barão de Melgaço, Juscimeira e Poconé, Colônia de Pescadores Z5, INCRA, UFMT, Hospital Júlio Muller, Univag OAB, Delegacia da Polícia Comunitária, Clóvis – Papai Noel, Galvan Cabeleireiro, Polícia Rodoviária Federal, Receita Federal.

Saiba mais: https://ribeirinhocidadao.tjmt.jus.br/
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Telma Cenira Couto da Silva

As mulheres da minha vida

Thomires era o nome da minha avó paterna.  Descendente de franceses, tinha a pele muito alva e os olhos azuis claros, que lembravam o mar. O louro esbranquiçado do seu cabelo remetia-me aos das minhas bonecas. Adorava admirar o...

 
 
 
 
Sitevip Internet