Notícias / Agricultura

05/02/19 às 21:26 / Atualizada: 08/03/19 às 07:45

Indígenas dos povos Suruí, Aruá e Tupari recebem proposta da maior indústria de café do Brasil

Kézia Abiorana, Funai

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Indígenas dos povos Suruí, Aruá e Tupari recebem proposta da maior indústria de café do Brasil

Foto: Renata Silva

As especificidades do café produzido pelos Suruí, Aruá e Tuapari têm conquistado espaço no cenário nacional e mundial. Considerado o segundo melhor café orgânico num concurso na Suiça, em 2017, e alcançando posições de destaque no Concurso de Qualidade e Sustentabilidade do Café de Rondônia, em 2018, o robusta amazônico cultivado indígenas rondonienses poderá, em breve, ser distribuído a todo Brasil.
 
A proposta é do Grupo 3 Corações, maior indústria de café do Brasil, que tem intenção de comprar toda a produção indígena por um preço mais elevado que o da venda comum numa parceria que envolve não só a comercialização, mas uma série de ações continuadas como apoio para plantio, capacitação na pós colheita e a certificação do café como orgânico.
 
visita 3 coracoesArildo Suruí, secretário-geral da Metareilá, uma das cooperativas indígenas envolvidas, torce pela concretização do projeto: "Eu fico bastante feliz por essa conquista, ainda mais por se tratar do povo Suruí e da nossa produção. Estou confiante nessa parceria que iniciamos."
 
Na última semana (23 e 24), com apoio logístico da Funai, diretores da empresa se reuniram aos representantes da Cooperativa de Produção e Desenvolvimento do Povo Indígena Paiter Suruí (Coopaiter) e da Associação Metareilá, em Rondônia, para iniciarem as tratativas. Além da Coordenação Regional (CR) de Cacoal, Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Câmara Setorial do Café do Estado de Rondônia e Prefeitura de Cacoal também participaram da reunião. Na ocasião, a comitiva pôde conhecer de perto as lavouras Suruí nas aldeias Joaquim, Gamir e La petanha, onde, só nessa última, estima-se que a plantação conte com 74 mil pés de café.


Para Pedro Lima, presidente do Grupo 3 Corações, a iniciativa sustentável tem grande sinergia com a personalidade da empresa, que procura valorizar a diversidade cultural que existe no Brasil. "Hoje, estamos tendo uma oportunidade única de unir em um Projeto três grandes riquezas do país: a cultura dos povos indígenas, o café e a maior floresta tropical do mundo, a Floresta Amazônica", comemora Lima.

 
CAFEZAISRicardo Prado, coordenador regional em Cacoal, explica que os Suruí cultivam café há mais de 30 anos quando, após a desintrusão de colonos devido o reconhecimento do território como de posse permanente indígena, deram continuidade às lavouras abandonadas. Já os Tupari e Aruá, da Terra Indígena Rio Branco, cultivam o café há apenas quatro anos, com apoio da Embrapa e da Prefeitura de Alta Floresta. " Ao todo, calculamos mais de 300 mil pés de café plantados em 27 aldeias", mensura o coordenador.


Para Juan Scalia, Coordenador-Geral de Promoção ao Etnodesenvolvimento, o sucesso dessa produção cafeeira está relacionado a uma lógica de planejamento territorial e ambiental peculiar das terras indígenas, que concedem propriedades específicas para o café. "A Funai tem atuado junto aos povos indígenas para valorizar essas singularidades e promover seus modos de produção em parceria com diversas instituições."

Localmente, a Funai provê o apoio em vários estágios do processo desde à preparação da terra, o transporte de mudas e produtos, o fornecimento de materiais, às articulações com outros órgãos para manutenção de instrumentos, capacitação de produtores e outros tipos de parceria.
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Paiva Netto

Hiroshima

Em 6 de agosto de 2019, precisamente às 8h15, completam-se 74 anos do lançamento da bomba atômica sobre Hiroshima, depois foi a vez de Nagasaki, também no Japão. Data que jamais será varrida das...

 
 
 
 
Sitevip Internet