Notícias / Agricultura

16/01/19 às 17:18

MT fecha ano com receita histórica e faz jus ao titulo de maior produtor do país

Produção agropecuária do Estado em 2018 somou mais de R$ 85,68 bilhões, cifras que colocaram o agro nacional em destaque não apenas de produção como de faturamento. Algodão e soja proporcionaram recorde

Marianna Peres, Diário de Cuiabá

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
MT fecha ano com receita histórica e faz jus ao titulo de maior produtor do país

Produção agropecuária do Estado em 2018 somou mais de R$ 85,68 bilhões

Foto: Divulgação

A produção agropecuária de Mato Grosso atingiu em 2018 o maior faturamento da história: R$ 85,68 bilhões. As cifras do indicador Valor Bruto da Produção (VBP) ilustram o bom desempenho de atividades como a cotonicultura e a sojicultura, as grandes responsáveis pelo saldo positivo.

Com receita histórica, Mato Grosso deixa de ser conhecido apenas como o maior produtor nacional de grãos e fibras e assume também o ranking do maior faturamento do agro do Brasil, até então pertencente ao estado de São Paulo.

Os dados referentes ao ano passado foram divulgados ontem pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). A receita revela ainda o ganho anual do saldo estadual, que passou de R$ 75,10 bilhões, aumentou 14%. Entre os grandes produtores brasileiros, Mato Grosso foi o único a ampliar a receita. São Paulo que ficou na segunda colocação viu o faturamento sair de R$ 77,68 bilhões para atuais R$ 71,76 bilhões. No Paraná, terceiro em Valor Bruto da Produção (VBP), houve recuo, de R$ 70,46 bilhões em 2017 para R$ 69,64 bilhões em 2018. O VBP mensura o faturamento do setor gerado da porteira para dentro, ou seja, considera o volume produzido e o preço médio de mercado obtido para cada tonelada/unidade/arroba comercializada e reflete a movimentação de lavouras e da pecuária.

O resultado de 2018 obtido por Mato Grosso está na contramão do recuo apontado no saldo nacional que passou de R$ 582,34 bilhões em 2017 para R$ 569,84 bilhões no ano passado (-2,23%).

Na safra encerrada no ano passado, a 2017/2018, Mato Grosso colheu volume recorde de mais 61 milhões de toneladas e contabilizou dados históricos na produção de soja e algodão. Dos mais de R$ 85,68 bilhões em receita, R$ 69,73 bilhões foram gerados apenas pelas lavouras . Esse saldo foi o maior do país no ano passado e ficou acima dos R$ 59,23 bilhões contabilizados em 2017.

As atividades da pecuária geraram outros R$ 15,94 bilhões ao VBP estadual, com destaque para a bovinocultura. As cifras da atividade também ficaram acima do registrado em 2017, quando o saldo foi de R$ 15,86 bilhões.

Fazem diferença no VBP estadual as lavouras de algodão, milho, soja e cana de açúcar, e a cadeia pecuária (bovinos, suínos, aves, ovos e leite).

RENDA NO CAMPO – O maior incremento no faturamento de Mato Grosso, no ano passado, foi obtido com algodão, cujo saldo avançou em mais de 41,17%, passando de R$ 15,18 bilhões para R$ 21,43 bilhões, recorde absoluto da cultura na série histórica da cultura. O desempenho tem sustentação na safra recorde de pluma e na variação positiva de preços.

A soja, que segue exibindo o maior VBP do Estado, somou R$ 36,09 bilhões, sendo 17% maior que a receita de 2017, em R$ 30,86 bilhões. O contexto da oleaginosa mato-grossense se assemelhou com o da pluma, que encontrou no mercado sustentação de preços em boa parte da comercialização e volume recorde (32,52 bilhões de toneladas).

O milho e a cana registram perdas de receita. O cereal passou de R$ 9,43 bilhões para R$ 9,14 bilhões e a cana de R$ 2,04 bilhões para R$ 1,85 bilhão, ambos na comparação entre os saldos realizados em 2018 ante 2017.

Na pecuária, a bovinocultura também registrou receita recorde na série histórica do Mapa para o Estado. Em 2018 o faturamento somou R$ 12,08 bilhões, incremento anual de 3,07% sobre o contabilizado em 2017, R$ 11,72 bilhões. A atividade teve no ano passado o terceiro crescimento anual consecutivo.

Aves foi outro segmento do setor que fechou o ano com saldo positivo. Longe de ser recorde, o faturamento se consolidou em R$ 1,96 bilhão ante R$ 1,92 bilhão de 2017. Suínos teve o pior saldo desde 2010, acumulando cifras de R$ 787,94 milhões ante 976,04 milhões de 2017.

Na outra ponta da tabela, estão os segmentos de leite e de ovos com as maiores perdas da pecuária estadual no ano passado. O faturamento do leite passou de R$ 618,91 milhões para R$ 538,81 milhões, o menor desde 2009. Na produção de ovos a receita passou de R$ 635,87 milhões para R$ 572,13 milhões.
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Paiva Netto

Os servidores de Deus e a hora presente

Atravessamos um momento de transformação no mundo, radical e turbulento sob muitos aspectos, o que exige de nós capacidade superior no enfrentamento de obstáculos de todos os matizes. Não me refiro a uma correria...

 
 
 
 
Sitevip Internet