Notícias / Policial

31/12/18 às 09:49

Ameaça a Bolsonaro: policiais apreendem manual de fazer bombas no DF

Material estava em um dos dois endereços alvos da operação. Grupo colocou artefato em igreja e fez ameaça terrorista à posse de Bolsonaro

Mirelle Pinheiro, Metrópole

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Ameaça a Bolsonaro: policiais apreendem manual de fazer bombas no DF

Foto: Rafaela Felicciano/Metrópoles

Após cumprir mandados de busca e apreensão, as Polícias Federal e Civil do Distrito Federal encontraram um manual de como fazer bombas. O material foi localizado em um dos dois endereços alvos da operação no DF. Os investigadores miram o grupo intitulado Sociedade Secreta Silvestre, que assumiu ter confeccionado e colocado um artefato explosivo a uma igreja de Brazlândia no Natal (24) e fez ameaças terroristas à posse do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL).

A operação deflagrada pela PF e PCDF cumpre sete mandados de busca e apreensão no Distrito Federal, em Goiás e São Paulo nesta segunda-feira (31/12). Um dos alvos não foi encontrado no outro endereço de Brasília.

A suposta organização mantém um site chamado Maldição Ancestral, no qual diz estar “em tocaia terrorística contra o progresso humano”. Na página da internet, são disseminadas diversas mensagens de ódio e pregados “o caos e o terror no seio da civilização”.

Chamou a atenção da Polícia Civil, que abriu investigação logo depois do Natal, o fato de o grupo ter assumido a autoria do atentado em Brazlândia, inclusive por postar fotos do artefato explosivo antes mesmo de colocar o dispositivo ao lado da igreja.


Ameaça a Bolsonaro: policiais apreendem...











Ver vídeo relacionado

As ameaças se estendem ao presidente eleito e a outros alvos, como a futura ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, e o presidente da Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), o cardeal Dom Sérgio da Rocha.

Em trechos de um texto publicado na internet, a suposta organização criminosa diz o seguinte: “Se a facada não foi suficiente para matar Bolsonaro, talvez ele venha a ter mais surpresas em algum outro momento, já que não somos os únicos a querer a sua cabeça”.

 
O Primeiro Comando da Capital e o Comando Vermelho igualmente o querem morto [Bolsonaro] e podem também recorrer a métodos terroristas para isso. Se não for ele, servirá qualquer um de sua equipe, filiados, ou mesmo apoiantes e simpatizantes. Dia 1° de janeiro de 2019 haverá, aqui em Brasília, a posse presidencial. Estamos em Brasília e temos armas e mais explosivos estocados"
Trecho de texto do suposto grupo terrorista
 
Intermediário

Após revelar a existência da suposta ameaça terrorista, a reportagem foi procurada na sexta-feira (28) por um intermediário do grupo – ele explicou em que consiste a organização e respondeu a 10 perguntas. O homem, que se identificou como “Pedro”, encaminhou o texto via e-mail por um navegador impossível de ser rastreado, geralmente utilizado para trafegar na chamada deep web, a parte sombria da internet composta por várias redes separadas que não conversam entre si.

Para garantir a veracidade das informações e confirmar que faz parte do suposto grupo terrorista, o representante da organização mandou um arquivo de vídeo mostrando detalhes da bomba deixada no Santuário Menino Jesus.

Pedro afirmou que a Sociedade Secreta Silvestre é responsável, desde 2016, por pelo menos seis ataques em território nacional. Entre eles, a explosão de uma panela de pressão carregada com pólvora e pregos ocorrida em frente ao shopping Conjunto Nacional, em 1º de agosto, na véspera das Olimpíadas do Rio de Janeiro.

No documento enviado, o homem ainda fez pouco caso das forças policiais: “Soubemos depois que tentaram nos buscar, mas a competência foi baixa e seguimos impunes e conspirando”.

Nesse domingo (30), o ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Sérgio Etchegoyen, confirmou que as ameaças de atentado contra o presidente eleito são reais. Durante o último ensaio geral da cerimônia de posse, o militar ressaltou ainda que a preocupação das autoridades é com Bolsonaro e todas as pessoas que vão acompanhar a solenidade nesta terça (2/1).

De acordo com a Polícia Federal, as investigações sobre o suposto grupo terrorista prosseguem em segredo de Justiça. São apurados os crimes de associação criminosa, além de outros ilícitos que possam a vir a ser identificados no decorrer das diligências.

Ataque em Brazlândia

Na madrugada de terça (25), uma pessoa que passava em frente ao Santuário Menino Jesus, em Brazlândia, estranhou a presença de uma mochila deixada ao lado da igreja e acionou a Polícia Militar. Após a PM verificar que se tratava de um artefato explosivo, o Grupo Antibomba do Batalhão de Operações Especiais (Bope) foi mobilizado. Depois de isolar as ruas próximas ao templo religioso, o material foi detonado, por volta das 4h.

Segundo o Bope, tratava-se de um artefato com considerável poder de destruição. O dispositivo era formado por um cilindro de extintor de incêndio composto por pólvora e pregos, além de um detonador movimentado por um relógio. O suposto grupo extremista reivindicou a autoria do atentado.

“Nós reivindicamos o abandono de um explosivo de 5 kg recheado de pregos e pólvora negra no Santuário Menino Jesus, desta vez em Brazlândia, por volta das 21h20. O santuário é o segundo maior templo católico do país. No local, que estava lotado de cristãos miseráveis, era celebrada uma missa de véspera de Natal, e esperávamos provocar um grande massacre durante a saída dos fiéis da igreja. Desgraçadamente, uma grande operação do Bope desativou o nosso explosivo após uma pessoa suspeitar da mochila abandonada e acionar a polícia”, narra texto publicado na internet.

De acordo com o funcionário da igreja Jaime Francisco, 58 anos, uma missa foi realizada no templo no dia em que o artefato seria explodido. Conforme estimativa do colaborador do santuário, cerca de 1 mil pessoas participavam da cerimônia religiosa. No entanto, a ameaça aconteceu horas mais tarde. “Já não tinha mais ninguém aqui. Foi após a missa e o local estava fechado. Alguém viu a mala na rua e acionou a polícia. Agora estão investigando”, disse.


Ver vídeo abaixo...
Imprimir Enviar para um amigo

Vídeo Relacionado

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Welyda Cristina de Carvalho

Ampliação da produção já depende de ferrovias

Todo ano, empresários do setor, produtores e governos têm dificuldade de criar condições para transportar grãos Uma nova safra recorde de milho e algodão começou a ser colhida e deve avançar...

 
 
 
 
Sitevip Internet