Notícias / Meio Ambiente

22/12/18 às 10:32

Parceria entre ISA, ARSX e proprietários rurais promove restauração de 156 ha em 2018 na região do Xingu

Expectativa é de que mais de meio milhão de árvores nasçam com o trabalho realizado

Tatiane Ribeiro, ISA

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Parceria entre ISA, ARSX e proprietários rurais promove restauração de 156 ha em 2018 na região do Xingu

Foto: Tatiane Ribeiro, ISA

Assim como as práticas agrícolas, plantar floresta exige a combinação de elementos fundamentais como as condições climáticas e o efetivo humano. Com a antecipação das chuvas na região do Xingu o plantio em 2018 das áreas a serem restauradas sofreu alterações na agenda em relação aos anos anteriores. ¨Esse ano começou a chover no mês de outubro e tivemos algumas dificuldades por conta do volume maior de água, o que estendeu mais a nossa agenda¨, explica Guilherme Pompiano, técnico em restauração florestal do Instituto Socioambiental (ISA).


Ao todo, o ISA utilizou 108 espécies para a composição das muvucas em 2018. Foto: Tatiane Ribeiro

Só com a produção da Associação Rede de Sementes do Xingu (ARSX), o ISA plantou 156 hectares de áreas com muvuca nos municípios  de Canarana, Água Boa, Querência, Bom Jesus do Araguaia e São Félix do Araguaia (MT). Ao todo foram cerca de 14 toneladas de sementes de 108 espécies diferentes implantadas nas fazendas e assentamentos rurais da região.

As ações fazem parte do projeto Amazônia Live, do Rock in Rio, que entre 2016 e 2017 plantou mais de um milhão de árvores no bioma Amazônia. Em 2018 o projeto continua em vigor via parceria com o Fundo Brasileiro para Diversidade (Funbio) e a organização Conservação Internacional (CI) e deve gerar como resultado mais de meio milhão de novas árvores.

Parcerias que funcionam



O ISA fornece as sementes e o acompanhamento técnico para as fazendas interessadas em restaurar as áreas. Em contrapartida o proprietário precisa disponibilizar o maquinário e pessoal disponível para ajudar no trabalho de misturar as sementes e plantar. ¨Tudo começa no início do ano quando fazemos o diagnóstico e medimos o tamanho das Áreas de Proteção Permanente (APPs) que serão restauradas. Em seguida em cada fazenda é preciso que façam o preparo da terra para controlar o capim e também descompactar o solo onde será plantado a muvuca¨, explica Guilherme.

A muvuca não é igual para todos os plantios. Lara Aranha da Costa, técnica em restauração do ISA, explica que para cada área é feita uma lista de sementes diferentes conforme o diagnóstico e essa composição é o que determina o valor da muvuca por hectare. ¨Cada semente tem valor variado e por isso o preço final muda. Esse ano o valor médio do custo da muvuca por hectare foi de R$ 2.259,42¨, conta.


José de Arimatéria trabalha na fazenda e apoia a implantação da muvuca para ter mais árvores entre as lavouras. Foto: Tatiane Ribeiro


Paulo Bezerra Sobrinho, gerente da fazenda Rio Fontoura, do Grupo Rocheto, localizada em São Félix do Araguaia, considera importante a continuação de parcerias como essa para a restauração das APPs das fazendas. ¨Há três anos plantamos muvuca aqui e percebemos que realmente é eficiente para formação das florestas. No começo os funcionários não entendiam muito bem mas hoje todos vêem os benefícios¨, comenta.
 

Entre os maquinários para o plantio da muvuca está o lancer duplo de arrasto. Foto: Tatiane Ribeiro

 
Em dezembro a fazenda implantou mais 13 hectares, totalizando 34 hectares já plantados durante toda a parceria.  ¨Foram quatro áreas entre os plantios de soja dentro da fazenda. Esse foi o nosso último trabalho do ano. Tivemos que esperar passar os dias mais chuvosos para finalizar o trabalho e assim finalizar as atividades¨,  diz Júnior Micolino, técnico em restauração do ISA.

José de Arimateia, um dos operadores de máquinas que trabalha há 9 anos na fazenda, acompanha a implantação das áreas desde 2016 e comenta que considera o trabalho como muito importante. ¨Eu apoio totalmente porque recupera a natureza e a gente que mora aqui sente falta disso, o espaço da lavoura é muito grande¨, diz.

Produção e demanda de sementes

As sementes que servem de insumo para esses plantios vem do trabalho dos 568 coletores da ARSX que desde de janeiro começam a se organizar para entregar os pedidos ao longo do ano. ¨Há árvores que produzem sementes no primeiro semestre e por isso no início do ano já é preciso coletar se não se perdem¨, explica Claudia Araújo, diretora da ARSX.


Após lançar as sementes é realizada a incorporação com o solo por meio da grade intermediária usando a regulagem de pneu. Foto: Junior Micolino

Em 2018 a rede comercializou 20 toneladas de sementes repassando para os coletores um total de R$ 482 mil. Além do ISA, a ARSX conta com clientes como a Brasil PCH, World Wide Fund for Nature (WWF), Natura, Instituto Federal do Mato Grosso (IFMT-campus Confresa) e Comissão Pastoral da Terra (CPT), Associação de Educação e Assistência Social Nossa Senhora da Assunção (ANSA) entre outros. Só esse ano as sementes vendidas foram direcionadas para restaurar mais de 400 hectares.

¨Todos os anos temos a expectativa de que melhore a demanda, como no ano passado em que batemos o recorde em venda de sementes nesses dez anos de existência da rede. Mas isso depende muito da conjuntura política ambiental¨, diz Claudia.



A produção das sementes é realizada pelos 568 coletores da ARSX. Foto: Tatiane Ribeiro
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 
 
Sitevip Internet