Notícias / Educação

02/10/15 às 07:54

Há 124 dias parados, professores da UFMT decidem permanecer em greve

Durante a votação, 46 professores foram contrários ao fim da greve. Paralisação dos professores completa 124 dias nesta quinta-feira (1º).

G1 MT

Imprimir Enviar para um amigo
Há 124 dias parados, professores da UFMT decidem permanecer em greve

Atual greve de docentes já é recordista em tempo de duração.

Foto: Reprodução/TVCA

Os professores da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) decidiram em assembleia realizada nesta quinta-feira (1º) manter a greve da categoria, que completou 124 dias, por tempo indeterminado. Dos professores presentes, 46 foram contrários ao fim do movimento e 28 foram favoráveis ao fim da greve. Entre as reivindicações do movimento estão o reajuste de 27% no salário e a reestruturação de carreira.

A assessoria de imprensa da UFMT informou que a reitora, Maria Lúcia Cavalli Neder, mantém aberta-se ao diálogo. A universidade, de acordo com a assessoria, respeita os direitos dos trabalhadores.

Ainda durante a reunião desta quinta-feira, os professores decidiram aguardar o resultado da primeira assembleia de negociação da categoria com o governo, marcada para a próxima segunda-feira (5). O encontro deverá ser conduzido pelo novo Ministro da Educação, Aloizio Mercadante.

De acordo com o presidente da Associação dos Docentes da UFMT (Adufmt), Reginaldo Araújo, a falta de negociação por parte do governo federal representa também falta de respeito com a categoria. “Durante todo o período de movimento essa será a primeira vez que seremos recebidos pelo governo para negociações. Essa postura é pouco respeitosa conosco”, reclamou.

Com a greve, cerca de 20 mil alunos e 1.740 docentes estão sem atividades nos campi da UFMT em  Sinop, Barra do Garças, Cuiabá e Rondonópolis. O governo federal chegou a oferecer 21% de aumento divididos em quatro anos, mas a proposta foi rejeitada pela categoria.

Iniciada no dia 28 de maio, a greve já é recordista em tempo de duração na instituição. A segunda mais longa aconteceu no ano de 2005, quando os alunos ficaram 112 dias sem aulas.
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Dr. Rosário Casalenuovo Júnior

Queimada e tempo seco não são os agentes principais das doenças respiratórias

As clínicas de otorrinolaringologista e pneumologia ficam cheias nesta época do ano. Crianças e idosos sofrem para dormir, principalmente devido à baixa resistência do organismo, fato que provoca com facilidade...

 
 
 
 
Sitevip Internet