Notícias / Agricultura

20/11/18 às 11:15

MT possui 73 comunidades quilombolas em processo de regularização fundiária

Ana Sampaio, Gazeta Digital

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
MT possui 73 comunidades quilombolas em processo de regularização fundiária

Foto: Reprodução Gazeta Digital

Regularização fundiária ainda é o principal anseio das 73 comunidades quilombolas em Mato Grosso, todas com processos abertos. Destas, a comunidade de Mata Cavalo, em Nossa Senhora do Livramento, é a que mais avançou, estando na fase de ajuizamento de ações para desapropriação. Segundo o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), a titulação definitiva virá apenas quando todos os imóveis que compõem estes territórios forem desapropriados.
 
Na Mata Cavalo, a agricultura familiar ainda é a principal economia. A normatização irá garantir participação dos assentados em programas de incentivos oferecidos pelos governos Estadual e Federal. Atualmente a comunidade abriga 418 famílias que anseiam por mais motivos para comemorar o Dia da Consciência Negra, celebrado hoje, 20 de novembro.
 
A comunidade é uma das mais tradicionais de Mato Grosso devido ao engajamento dos moradores para manter em evidência a cultura negra, por meio de festas tradicionais e artesanatos. Era liderada pelo senhor Antônio Benedito da Conceição, conhecido como Antônio Mulato, que morreu em setembro deste ano, aos 113 anos.
 
Moradora de Mata Cavalo, a professora e neta de Mulato, Gonçalina Eva Almeida de Santana, 41, explica que a regulamentação total da área da comunidade é essencial para o desenvolvimento da produção e qualidade de vida dos moradores. “Basicamente vivemos de agricultura familiar, artesanato e projetos sociais. Meu avô era o morador mais antigo da comunidade e lutava junto por nosso maior gargalo que é a regularização fundiária, já que sem a documentação dos terrenos ficamos impedidos de receber políticas públicas. Atualmente o processo que está Incra garante só a regularização de 50% da área total, mas corre de forma lenta”.
 
Gonçalina também é membro da Associação Cultual Quilombola de Mata Cavalo e lembra que diversas melhorias já foram alcançadas pela comunidade como escola desde a educação básica até ensino médio, regulamentação de algumas terras e equipamentos agrícolas para melhoria da produção, porém insuficiente. “A associação contribui na busca pela qualidade de vida das 418 famílias que residem aqui e para manter viva a cultura negra. É uma forma de resistência. Nossa luta em busca da valorização da nossa história continua e buscamos ter mais motivos para comemorar no dia 20 de novembro do próximo ano”, enfatiza.
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

José Luiz Tejon Megido

China: consumidores globais, vontades iguais

Todos temos uma ideia aproximada da expansão da China, que cresce, em média, 9,7% ao ano desde 2000. A China tem quase 100 firmas dentre as 500 maiores do mundo, e tem o 2° maior Produto Interno Bruto (PIB) do planeta, em busca...

 
 
 
 
Sitevip Internet