Notícias / Eleições

11/11/18 às 19:12

Gastos de campanha dos candidatos ao Senado por MT ultrapassa R$ 14 milhões

Em quinto lugar na disputa, Nilson Leitão foi o campeão de gastos e Gilberto Lopes Filho, que recebeu apenas 6 mil votos, o que menos contraiu despesas

Gabriela Galvão, O Livre

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Gastos de campanha dos candidatos ao Senado por MT ultrapassa R$ 14 milhões

Foto: Divulgação

Os 11 candidatos ao Senado por Mato Grosso gastaram juntos R$ 14,3 milhões com a campanha rumo às urnas nas eleições deste ano. Em quinto lugar na disputa, ao receber 330,4 mil votos, Nilson Leitão (PSDB) foi o campeão de gastos, com despesas que totalizaram R$ 2,9 milhões. Do outro lado do ranking, Gilberto Lopes Filho (Psol), que recebeu apenas 6 mil votos, gastou somente R$ 3 mil.

O tucano gastou tudo que recebeu, sendo que a maior parte das doações para sua campanha, o equivalente a 73%, partiu do próprio partido. Recursos de pessoas físicas somaram 26,4% e o maior doador foi o empresário Odilio Balbinotti Filho, que investiu R$ 250 mil em Leitão.

Logo em seguida surge Adilton Sachetti (PRB), que obteve 303 mil votos e ficou em quarto lugar. Sachetti gastou R$ 2,6 milhões dos R$ 2,7 milhões que recebeu, sendo 79% deste montante proveniente do partido e 20% de pessoas físicas. Os maiores doadores foram Alessandro Nicoli, que repassou R$ 226,1 mil e, novamente, Odilio Balbinotti Filho, mas que desta vez investiu R$ 150 mil.

Carlos Fávaro (PSD) ficou em terceiro na disputa, com 434,9 mil votos, e também foi o terceiro candidato que mais gastou. Dos R$ 2,3 milhões que recebeu, utilizou R$ 2,2 milhões. O maior percentual de doação foi proveniente de recursos próprios, o equivalente a 40%, pessoas físicas investiram 35,5% e o partido, 23,7%. O maior doador foi primeiro suplente da chapa, Geraldo de Souza Macedo (PSD), que repassou R$ 500 mil para a campanha, seguido do próprio candidato, que investiu R$ 460 mil. O empresário Odilio Balbinotti Filho também doou para Fávaro, desta vez R$ 100 mil.

Eleito como o segundo candidato mais bem votado, com 490,6 mil votos, Jayme Campos (DEM) contraiu despesas no montante de R$ 2,1 milhões, R$ 400 mil a menos do que recebeu. Dos R$ 2,5 milhões arrecadados, 54,4% foram em recursos próprios e 45,3% do partido. Jayme investiu R$ 1,3 milhão em sim mesmo.

Maria Lúcia (PCdoB), que recebeu 172,2 mil votos e ficou em sétimo lugar, recebeu e gastou R$ 1,8 milhão, sendo 89% deste recurso proveniente do partido.

Candidata mais bem votada, num total de 678,5 mil votos, Selma Arruda (PSL) gastou R$ 1,7 milhão do total de R$ 1,8 milhão que recebeu. A receita da candidata foi 72% repassada por pessoas físicas e 27,1% de recursos próprios. Os maiores investidores foram seu primeiro suplente, Gilberto Possamai (PSL), que doou R$ 310 mil, e a esposa dele, Adriana Possamai, que investiu R$ 1 milhão. Juíza aposentada, Selma Arruda doou R$ 188 mil para a própria campanha.

Aladir Leite Albuquerque (PPL), que teve 9,3 mil votos, recebeu e gastou R$ 860 mil, sendo R$ 550 mil em recursos próprios e R$ 360 mil doados pelo advogado Luis Augusto Cuissi. Em sexto lugar na disputa, com 226 mil votos, o procurador Mauro (Psol), recebeu R$ 175,7 mil da legenda e contraiu despesas num total de R$ 93 mil.

Sebastião Carlos (Rede), que não teve os votos contabilizados por problemas com o registro de candidatura, arrecadou R$ 69,9 mil e gastou R$ 68,8 mil, sendo 98% dos recursos oriundos do próprio bolso.

Waldir Caldas (Novo), que ficou em oitavo lugar, com 71,4 mil votos, utilizou R$ 28,6 mil dos R$ 29,8 mil investidos em sua campanha, maior parte por pessoas físicas, que fizeram doações que variaram de R$ 100 a R$ 1 mil. Gilberto Lopes, que foi o candidato que menos gastou, recebeu um total de R$ 7,6 mil, tudo do partido. Ele ficou na décima colocação.

Os valores estão presentes na prestação de contas dos candidatos à Justiça Eleitoral, cujo prazo se encerrou no último dia 6. O limite de gastos para ao Senado nas eleições deste ano era de R$ 3 milhões.
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Fernando Rizzolo

New Deal no Brasil

Bairro simples da periferia. O cheiro de café ainda estava pela cozinha e transpunha a sala com móveis simples, um sofá velho e uma antiga televisão que tinha em cima dela algumas xícaras, daquelas que têm o...

 

Enquete

Se a eleição para presidente tivesse Jair Bolsonaro e Sérgio Moro como candidatos, em quem você votaria?

 
 
 
Sitevip Internet