Notícias / Meio Ambiente

06/11/18 às 09:00 / Atualizada: 06/11/18 às 09:38

Funai e ICMBio estudam capturar e remover onças que ameaçam comunidades indígenas no Parque Xingu

Funai

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Funai e ICMBio estudam capturar e remover onças que ameaçam comunidades indígenas no Parque Xingu

Os servidores da Funai [de verde], Eduardo Ribeiro e Otávio Moura conversam com Rogério Cunha e o cacique Kotok, da aldeia Kamaiurá

Foto: ICMBio

A morte da pajé Kuanap Kamayurá, uma senhora de 56 anos, por causa do ataque de uma onça pintada (dia 09 de maio) causou tristeza e preocupação em quatro comunidades indígenas do Alto Xingu, em Mato Grosso. Nos últimos meses aumentou o número de onças vistas perto das aldeias, o que é raro de acontecer. Essas ocorrências levaram o ICMBio e a Funai a estudar  ações conjuntas para coibir ataques a pessoas nas comunidades.



Para planejar a captura e remoção de uma das onças, a que mais vezes foi vista perto das aldeias, o presidente substituto da Fundação Nacional do Índio e diretor de Promoção ao Desenvolvimento Sustentável, Rodrigo Faleiro, recebeu o presidente do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Paulo Carneiro, na última quarta-feira (30). Estiveram presentes na reunião Rosana Subirá, coordenadora-geral do Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Mamíferos Carnívoros (CENAP/ICMBio) e servidores do Instituto e da Fundação.
 
Rodrigo Faleiro falou sobre a importâncias dessas parcerias entre o ICMBio e a Funai. "Ambos os órgãos estão trabalhando juntos no planejamento da captura e remoção daquelas onças, e também no estudo das condições que possam causar prejuízos à biodiversidade e à proteção das comunidades indígenas. Realizamos a cooperação por meio de operações diretas em áreas cujas atuações governamentais se interpõem, como é o caso das Terras Indígenas e Unidades de Conservação", disse o presidente substituto.

 
onca a
A figura da onça envolve um universo místico para os povos indígenas do Alto Xingu
 
"Não têm acontecido muitos casos de ataque fatal de onça a indígenas. As pessoas nas aldeias dizem que isso não acontece em nenhum lugar. É raríssimo. A morte da senhora Kuanap Kamayurá trouxe um medo muito grande", disse Rogério Cunha de Paula, analista ambiental do ICMBio. Depois dos recentes ataques, os indígenas começaram a perceber que estão vulneráveis, conta o analista ambiental. Ele integrou a equipe que fez a identificação das onças nas aldeias Yawalapiti, Ipawu, Piyulaga e no Posto de Serviços Médicos Leonardo Villas-Bôas, lugar onde ocorreu o acidente com a pajé. 

Por que os ataques?

A partir da informação dos ataques feita pelo Instituto Socioambiental (ISA), a equipe do ICMBio buscou o contato com a Funai e começou a investigar as ocorrências envolvendo pessoas e animais domésticos nas aldeias Waurá e Kamayura. O propósito é tentar desvendar por que essas onças estão chegando tão próximas às aldeias e o quanto isso representa de risco para as comunidades indígenas.

Acompanhada por técnicos da Funai, A equipe do ICMBio avaliou as questões ecológicas e ambientais que pudessem ter influência sobre os ataques, o que não é normal no contexto da relações entre indígenas e animais silvestres. "Para muitos indígenas, a onça representa um elemento sagrado. Para outros, essa parte do sagrado se perdeu e eles passaram a considerar a onça como um problema a ser eliminado. Assim, nós trabalhamos tentando ver toda relação da onça com os povos do Alto Xingu. E também mapeamos o quanto que existia de relação negativa, da onça representando o medo", relata Rogério Cunha.

 
onca c
Rogério Cunha, do ICMBio, instala armadilhas fotográficas acompanhado dos servidores da Funai
 
Lugares em que ocorreram os ataques
(área de amostragem foi de 300 Km²)
- Aldeia Piyulaga
- Aldeia Ipavu
- Posto Avançado Leonardo Villas-Bôas
- Saídão da Fumaça

Na expedição de identificação das onças, a equipe instalou as armadilhas fotográficas em 20 locais diferentes. A medida serviu para avaliar a frequência com que esses bichos aparecia nas áreas ao redor e entre uma aldeia e outra. Essas câmeras registraram duas fêmeas de onça pintada e um macho considerado animal-problema, além de ser o suposto responsável pelo ataque à pajé Kamayurá. Ele foi o animal mais registrado pelas câmeras rondando o perímetro das aldeias. As câmeras foram instaladas nos seguintes locais:
 
- Posto de Serviços Médicos Leonardo Villas-Bôas: 4 câmeras
- Aldeia Piyulaga-Waurá: 5 câmeras
- Aldeia Ipawu-Kamayurá: 6 câmeras
- Aldeias Yawalapiti-Amary: 5 câmeras

Também foram feitas 29 entrevistas com indígenas da região onde aconteceram os acidentes envolvendo pessoas e animais domésticos, como os cães.
 
Crianças indígenas e cachorros das aldeias costumam passear nas áreas em torno das comunidades
As equipes consideraram quatro aspectos para o risco de ataques: 
 
1. rotina diária dos indígenas: se elas saem para as roças juntas ou sozinhas, se elas vão acompanhadas ou não para o banho na lagoa, ou se passam por muitos locais de mata fechada, por exemplo;

2. ocorrências de onças: frequência com que estes animais rondavam as aldeias;

3. distância da aproximação das onças em relação às aldeias;

4. número de cães atacados pelas onças.

Manejo da onça-problema

No curto prazo, o analista ambiental do ICMBio afirma que a providência a ser tomada é identificar, capturar e remover o animal-problema: a onça macho [da imagem em preto e branco na capa] responsável pelos ataques e cuja presença tem sido frequente nas aldeias. Com data prevista para o dia 26 de novembro deste ano, a remoção desse animal será realizada para um criadouro de onças próximo a Brasília-DF. Na operação deverá haver a participação do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA).

A médio e longo prazos, deve-se buscar o manejo dos fatores que estão levando as onças a chegarem perto das aldeias. Entre esses fatores estão o aumento do desmatamento e das queimadas nos limites do Parque Indígena do Xingu. Rogério também recomendou que se realizem atividades de educação com os indígenas para reduzir o medo dessas pessoas a respeito das onças.

Em três meses de operação de identificação, não houve nenhum ataque de onças aos cachorros das aldeias. Esse é um dos motivos por que os especialistas defende a observação do comportamento das outras onças, principalmente em relação aos cães. O ICMBio vai definir ainda quais as onças que também devam ser capturas e quais outras devam ser monitoradas.
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Alfredo da Mota Menezes

Nascendo a agroindústria

Deve crescer no Estado as fábricas de etanol de milho, como ocorreu nos EUA Têm em operação 12 fábricas de etanol em Mato Grosso. Duas são de milho e três, chamada flex, com cana e milho. As outras...

 
 
 
 
Sitevip Internet