Notícias / Notícias Gerais

24/10/18 às 19:32 / Atualizada: 24/10/18 às 19:50

Qual a idade certa para começar a trabalhar?

Agências americanas se posicionam no combate ao trabalho na adolescência e aos transtornos psíquicos que o exercício pode gerar numa fase ainda imatura

Daiana Barasa/Assessoria

com redação AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Qual a idade certa para começar a trabalhar?

Foto: Shutterstock

O trabalho na infância e adolescência é um tema que sempre vem à tona. A Constituição Federal Brasileira de 1988 defende como prioridade a proteção na infância e garantia dos direitos colocando em vigor a lei Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) nº 8.069 que existe desde 1990.

Conforme a lei, o trabalho infantil de 0 aos 13 anos é proibido, a partir dos 14 é liberado atividade aos menores aprendizes. Aos 16 há a possibilidade do trabalho formal com horários e condições adequadas.

No entanto, recentemente a revista Vogue obteve posicionamento contrário na contratação de menores de 18 anos, o que gerou polêmica por ser uma empresa referência no mundo da moda que conta em massa com a participação de adolescentes nas passarelas.

Sabemos que na infância o trabalho é proibido, o que é compreensível, pois é nessa fase em que as brincadeiras, a descoberta e o apoio dos pais, fará toda a diferença para o desenvolvimento físico e psicológico da criança.

Mas na adolescência com certo grau de desenvolvimento, atividades com carga horária que não atrapalhem os estudos e o desenvolvimento psíquico do jovem, é saudável ou prejudicial? Ajuda a desenvolver a responsabilidade e amadurecimento ou pelo contrário, causa sobrecarga, ansiedade e frustração?

Confira os prós e contras do trabalho na adolescência, compreenda o posicionamento da Vogue e o que pode mudar nos próximos anos sobre o trabalho entre adolescentes menores de 18 anos.

Combate ao assédio na adolescência
No último estudo do DataFolha de 2017 56% das mulheres entre os 16 e 24 anos já sofreram assédio sexual no Brasil. Seja no transporte público, instituições educacionais (escolas e universidades), trabalho e até em casa.

Outro dado que chama muito a atenção é que quanto mais nova a brasileira, maior é a possibilidade de sofrer violência, sobretudo na fase entre os 16 e 24 anos. No mundo conforme o levantamento realizado pelo Kering Foundation 15 milhões de adolescentes de 15 a 19 anos já sofreram abuso sexual.

A partir desses dados e da realidade do abuso infantil e na adolescência não só no Brasil, mas no mundo, compreende-se o posicionamento da revista Vogue frente a essa situação.

O combate ao assédio – principalmente na infância e adolescência – é uma das causas para o posicionamento da empresa no combate ao trabalho infantil. Esse ano houve um movimento muito importante para discutir o assédio contra a mulher no mundo da moda chamado #Metoo.

No desfile em Nova York Fashion Week (NYFW) trouxe a tona histórias reais e a voz de mulheres que já passaram por abusos enquanto trabalhavam como modelos ou na vida pessoal.

Crianças e adolescentes com transtorno de imagem
No mundo da arte e moda a discussão sobre o trabalho infantil gera polêmica. Por um lado juristas conscientizam a sociedade pelos prejuízos psíquicos causados por esse exercício, principalmente a pressão para seguir padrões de beleza impostos. Já por outro, a população costuma enxergar o exercício com glamour e fama.

Um estudo realizado nos EUA pela North University divulga que 3% dos adolescentes americanos entre os 13 e 18 anos sofrem de transtornos alimentares.

Vale lembrar que esses dados são retirados de diagnósticos clínicos, porém milhares de adolescentes sofrem por transtornos de imagem silenciosamente, já que é uma doença que pode passar despercebida pelos mais próximos.

Os transtornos alimentares afetam em sua maioria artistas, modelos e ginastas, as razões são óbvias, e se limitam a pressão pelo corpo ideal exigido por essas atividades.

A partir de dados mundiais sobre o transtorno de imagem que atinge principalmente o adolescente, é compreensível a tomada de decisão da Vogue que inclui como um dos argumentos sobre proibição de trabalhos infantis e na adolescência a suscetibilidade a esses tipos de transtornos.

Proposta da Vogue e agências americanas
A Council of Fashion Designers of America (CFDA), uma associação comercial responsável pelas 350 agências mais importantes dos EUA apoia a restrição de trabalho para jovens adolescentes, portanto essa medida não será uma adesão somente da Vogue, mas futuramente por toda a indústria da moda.

Os trabalhos serão permitidos somente em situações em que a modelo seja a entrevistada da matéria. Nesse caso pais ou responsáveis legais devem estar presentes no estúdio acompanhando todo o processo. Vestimentas serão selecionadas conforme a idade da modelo, prevenindo assim qualquer tipo de erotização precoce inadequada para a fase.

Rever conceitos de glamour na moda é essencial para conscientização da sociedade
Nos últimos anos houve diversas campanhas com a participação de modelos renomadas sobre a real perspectiva do mundo da moda. Ao contrário do que a sociedade muitas vezes enxerga por trás dos bastidores existe a ausência de limites e muita pressão psicológica que fica camuflada pelo glamour que o efeito ‘passarela’ apresenta e convence milhares de jovens no mundo inteiro que sonham em adentrar na profissão.

Pensar em maioridade para o exercício de modelo é uma medida responsável e atenta das agências que visam reformular esses conceitos prejudiciais.

Adolescentes estão numa fase delicada na formação de valores, na construção psicológica e precisam de maturidade para enxergar o exercício como ele realmente é, do viés positivo ao negativo, e conscientes do estabelecimento de limites e condutas que terão de seguir.

 A colunista da revista Vogue Maya Singer diz que é urgente rever o conceito de contratar modelos muito jovens, pois houve falhas no apoio psicológico, o que gerou principalmente o acesso indevido ao álcool e outras drogas numa fase extremamente delicada para a formação de conduta e valores.

Além das longas jornadas de trabalho e pressão para manter o corpo conforme os padrões, adolescentes podem ser facilmente manipulados por conta da inexperiência e até ingenuidade. As famílias, muitas vezes encantadas com o sucesso, mal sabem o que de fato está acontecendo por trás dos bastidores.

A Vogue já esteve envolvida em polêmicas na imprensa mundial nos anos 80 ao apresentar Brooks Shields na capa da revista quando tinha apenas 14 anos. A cerca dos movimentos atuais a revista deseja se posicionar contra o trabalho infantil, prevenção de transtornos psicológicos e responsabilidade necessária das agências frente a esses problemas.
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Aurélio Mendanha

Ande lega! Direitos e deveres de quem anda de Bicicleta

No Brasil e não seria diferente no Município de Agua Boa, cada vez mais as bicicletas são usadas como um meio alternativo de transporte. Andar de bicicleta é uma atividade que tem encontrado cada vez mais adeptos na...

 
 
 
 
Sitevip Internet