Notícias / Justiça

29/09/15 às 14:37 / Atualizada: 29/09/15 às 14:48

Juiz propicia acordo: Fazenda de traficante preso em Canarana com R$ 3,2 milhões será devolvida ao antigo proprietário

Mariana Vianna - TJ/MT

Edição Kassu / Água Boa News

Imprimir Enviar para um amigo
O juiz da Comarca de Canarana, Alexandre Meinberg Ceroy, homologou acordo que permitia que o antigo proprietário de uma fazenda recuperasse o imóvel em questão, que havia sido sequestrado judicialmente do novo comprador, apenas depositando o valor que ele já havia recebido. A decisão envolveu o Ministério Público, um acusado e o ex-proprietário de uma fazenda, que está avaliada em R$ R$ 9.530.000 milhões.
 
De acordo com os autos, o caso começou quando o réu José Silvan de Melo foi preso no início do ano portando R$ 3.200.000,00 em dinheiro, que foram sequestrados e posteriormente cautelados para o Estado de Mato Grosso. No decorrer das investigações, entretanto, a polícia descobriu mais R$ 37 milhões em bens do acusado e pediu o sequestro do valor.
 
Entre esses bens havia propriedades rurais que ainda não tinham sido integralmente pagas pelo acusado. E o proprietário de um desses imóveis procurou o Ministério Público para fazer uma proposta incomum. Ao invés de aguardar a venda do imóvel e depois entrar com ação pedindo o restante do dinheiro que lhe cabia, o antigo dono pediu para depositar judicialmente o valor que já tinha recebido (mais de R$ 4.400.000), para que o sequestro da fazenda fosse retirado.
 
Segundo o juiz Alexandre Meinberg Ceroy, “na decisão homologatória do acordo, ficara reconhecido que o bem sequestrado seria passível de alienação judicial, inclusive de forma antecipada, tendo em vista a dificuldade que teria o Poder Judiciário em administrar propriedade rural de considerável tamanho”.
 
O magistrado ressalta ainda que a homologação do acordo com o proprietário da fazenda evitaria futuros litígios e não acarretaria prejuízo a ninguém. “É indubitável que a atitude das partes acordantes demonstra um acurado senso cívico, na medida em que, com o acordo, eles evitaram não somente o prolongamento de um processo judicial, como o surgimento de vários outros incidentes”, afirma o magistrado.
 
Por fim, o juiz determinou que os termos do acordo ficassem registrados no registro dos imóveis, para possibilitar um futuro sequestro em caso de inadimplência e para que ninguém pudesse alegar que comprou o imóvel sem conhecimento do ocorrido. (n.º 48576)
 
Confira AQUI a íntegra da decisão.

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Nilton Moreira

Estrada Iluminada - Heranças, negócios...

         É normal darmos importância ao que acontece no âmbito de nosso campo de visão, os chamados acontecimentos físicos para os quais normalmente estamos preparados para...

 

Enquete

Você votaria em Bolsonaro ou em Lula se as eleições fossem hoje?

 
 
 
Sitevip Internet