Notícias / Agricultura

15/10/18 às 19:30

Favorável à taxação, Jayme Campos diz que agronegócio criou 'apartheid' em Mato Grosso

Érika Oliveira, Olhar Direto

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Favorável à taxação, Jayme Campos diz que agronegócio criou 'apartheid' em Mato Grosso

Foto: Rogerio Florentino/Olhar Direto

Eleito sob a promessa de ser “senador do povo”, o ex-governador Jayme Campos (DEM) teceu duras criticas ao agronegócio na manhã desta segunda-feira (15), em entrevista ao programa ‘A Notícia de Frente’, da TV Vila Real. Para o democrata, o setor criou um “apartheid” – regime de segregação – no Estado, fazendo com que a maioria dos políticos trabalhassem apenas para beneficiar grandes produtores. Favorável à mudanças na Lei Kandir, que impliquem na taxação do agro, Jayme Campos disparou: “os barões e tubarões têm que pagar”.

“A verdade é que criaram quase um apartheid em Mato Grosso, em que a grande maioria dos políticos representam só o agronegócio. Quando eu digo que serei o senador de todos, como posso ser senador só do agronegócio? Temos outras atividades aqui. Eu disse e repito: vou continuar com o mesmo posicionamento, sendo senador de todos os mato-grossenses. Tanto é que procurei, dentro das minhas limitações financeiras, fazer minha campanha com recursos próprios, para não dizerem que eu estava no bolso de qualquer que seja, ou de segmentos”, declarou o senador eleito.

Jayme revelou, ainda, que sofreu represália do agronegócio durante a campanha por conta de seu posicionamento. “Bastante. Muito. Mas é um direito deles. Isso não me preocupou, quem votou em Jayme Campos é porque conhece Jayme Campos”, rebateu.

O democrata criticou também a distribuição de renda no Estado. Além de afirmar que a produção de riquezas em Mato Grosso não deve ser credita exclusivamente ao “cara que planta soja, algodão e milhão”, Jayme declarou que irá lutar, no Senado Federal, por mudanças na Lei Kandir que impliquem na taxação do agronegócio.

“Eles não são a grande fonte de riqueza do Estado. Existe uma cadeia, de forma indireta que contribui. Com todo o respeito. E por sinal, eu sou a favor que todo o segmento, o nicho do agronegócio seja tributado em Mato Grosso. Tem que devolver para o Estado, porque o Estado já deu muito a essas pessoas. Para você ter uma ideia, o algodão deixou uma margem de lucro aqui de R$ 15 mil por hectare. Não paga nada, está livre porque a Lei Kandir favorece. Se depender do Jayme Campos tem que taxar. Os barões e tubarões têm que pagar”, pontuou.
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Welyda Cristina de Carvalho

Ampliação da produção já depende de ferrovias

Todo ano, empresários do setor, produtores e governos têm dificuldade de criar condições para transportar grãos Uma nova safra recorde de milho e algodão começou a ser colhida e deve avançar...

 
 
 
 
Sitevip Internet