Notícias / Eleições

27/09/18 às 11:50

Guerra Eleitoral - Taques lembra que WF mandava na Sinfra e denuncia asfalto superfaturado em MT

Segundo governador, adversário do PR foi responsável por indicar Cinésio Oliveira para secretaria

Larissa Malheiros

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Guerra Eleitoral - Taques lembra que WF mandava na Sinfra e denuncia asfalto superfaturado em MT

Taques parte pro ataque contra Fagundes

Foto: Divulgação

Na reta final da campanha eleitoral, o governador e candidato à reeleição Pedro Taques (PSDB) virou mais uma vez a "metralhadora verbal" para o adversário Wellington Fagundes (PR). Desta vez, ele acusa o republicano de “mandar” no ex-secretário de Estado de Pavimentação Urbana (Setpu-MT), Cinésio Nunes de Oliveira, apontado em delação do ex-governador Silval Barbosa, como mediador do pagamento de propinas por meio do programa MT Integrado.
 
Segundo Taques, era o parlamentar republicano quem “comandava” a pasta e foi o responsável pela indicação de Cinésio e outros titulares da pasta. O tucano ainda insinuou que Fagundes também controlava o esquema de propina.
 
O governador explicou que não pode ser responsabilizado por nenhum “rombo” dentro da antiga Setpu, atual Secretaria Estadual de Infraestrutura e Logística (Sinfra) e cita os quilômetros de asfalto realizado em sua gestão comparado ao governo Silval. Silval apontou o senador republicano como intermediador para contratação de empresas levando vantagens indevidas. “Por que se roubava na Sinfra? Não fui eu quem fez isso. Porque cada quilômetro custava R$ 2,4 milhões e, na nossa administração, custa R$ 900 mil. Eu não mandava na Sinfra quando ela construía um quilômetro por R$ 2,4 milhões. Quem mandava era o senador Wellington. Ele é quem indicou o Cinésio lá. Não foi eu”, disparou o governador em entrevista a Rádio Jovem Pan de Cuiabá nesta segunda-feira (24). 
 
Na entrevista, o governador reforçou que grande parte da crise vivenciada no Estado é culpa da gestão passada. Isso porque, lembra que na campanha de 2014, se prontificou a resolver vários problemas, mas que barreiras foram aparecendo no decorrer do mandato.
 
Como exemplo, o tucano citou o Veículo Leve Sobre Trilhos (VLT). “É logico que assumi o Governo com expectativa de terminar o VLT, mas porque não terminei o VLT. Por que roubaram? Por que a antena da Assembleia Legislativa está nos trilhos do VLT? Não fui eu quem fez isso. Aliás, quem fez não me apoia, mas apoia outro candidato”, contestou. 
 
Para ele, o fato de pedir mais quatro anos de administração mostra que conseguiu fazer o melhor pelo Estado. Além disso, aposta que eleitor está consciente que ele pegou um governo cheio de problemas, mas que segue disposto a ajustar o Estado. “Eu sou humano. Sou um administrador que administra com o dinheiro que tem. Como governador cumpri o meu papel.

O cidadão vai ter que ter a responsabilidade e ver o que ocorreu agora entender que nenhum governador com a crise que nós vivemos fez tudo que desejou.
Tivemos a maior crise que podíamos ter no Brasil, isso é fato, não é história”, finalizou o governador, que disputa com Wellington Fagundes a vaga no segundo turno, caso aconteça, com o ex-prefeito Mauro Mendes (DEM), segundo as últimas pesquisas.
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Fernando Rizzolo

A Exclusão e o Pancadão

Uns anos atrás, escrevi um artigo sobre a repressão praticada pelos seguranças dentro dos shoppings centers em São Paulo, uma vez que não permitiam que grupos de jovens da periferia, que marcavam encontros chamados...

 
 
 
 
Sitevip Internet