Notícias / Eleições

23/09/18 às 19:45

Violência - Leitão aposta no empoderamento das mulheres para tirar MT da liderança do ranking de feminicídios

Assessoria

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Considerando que Mato Grosso possui a maior taxa de feminicídio do Brasil segundo o Núcleo de Estudos da Violência da USP, o candidato a senador, Nilson Leitão (PSDB), tem defendido a implementação de políticas públicas destinadas ao empoderamento das mulheres como medida para reduzir a violência contra o gênero. Para ele, a dependência emocional, sobretudo financeira, do cônjuge é um dos principais fatores para a perpetuação da condição de submissão das mulheres em relação aos homens. 

“Homens e mulheres precisam ganhar de forma equivalente, quando estiverem no exercício da mesma função. A construção de um país menos desigual passa, necessariamente, pela discussão de temas delicados como este. É preciso ter sensibilidade. Não podemos aceitar quem prefere valer-se só da venda nos olhos e da espada numa das mãos, mas se esquece de segurar com a outra a balança que equilibra as relações entre gêneros. É preciso incentivar e reconhecer quem realmente tem compromisso com a justiça social”, pontuou Leitão. 

Para se ter uma ideia da dimensão do problema, Mato Grosso lidera o ranking nacional de feminicídios com 4,6 mortes para cada grupo de 100 mil mulheres. Até maio deste ano, 21 mulheres foram assassinadas no Estado. O número é quase o dobro dos registros do ano passado, com 11 ocorrências. Em 2017, 2.718 mulheres procuraram a Delegacia Especializada de Defesa da Mulher da Capital para registar algum tipo de violência.

E os números não param por aí. Em média, 12 mulheres são assassinadas todos os dias no Brasil. Uma a cada duas horas. “A mudança que defendo para o país depende da alteração deste cenário, que nos coloca na incômoda 5ª posição entre as nações mais violentas para as mulheres do mundo, de um total de 83, conforme relatório da Organização Mundial de Saúde (OMS). Os dados são alarmantes. E pior, estamos em curva ascendente”, criticou Nilson. 

Os indicadores revelam que, de janeiro a maio de 2017, foram registrados 4.473 homicídios dolosos no Brasil, sendo 946 feminicídios - casos de mulheres mortas em crimes de ódio motivados pela condição de gênero. Em relação a 2016, foi registrado um aumento de 6,5% - 4.201 homicídios (sendo 812 feminicídios). “Nos termos do Código Civil de 1916, a mulher era considerada relativamente incapaz e estava sujeita à vontade de seu consorte, sendo o feminicídio justificado em legítima defesa da honra até a década de 90. Isso é um problema histórico e cultural. E eu quero trabalhar para mudar isso”, comprometeu-se.
  • Violência -  Leitão aposta no empoderamento das mulheres para tirar MT da liderança do ranking de feminicídios
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Fernando Rizzolo

A Exclusão e o Pancadão

Uns anos atrás, escrevi um artigo sobre a repressão praticada pelos seguranças dentro dos shoppings centers em São Paulo, uma vez que não permitiam que grupos de jovens da periferia, que marcavam encontros chamados...

 
 
 
 
Sitevip Internet